Endocrinologia

Síndrome do Ovário Policístico: entendendo os conceitos | Colunistas

Síndrome do Ovário Policístico: entendendo os conceitos | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Milena Abra

Localizados no útero, os ovários são duas estruturas responsáveis pela produção dos hormônios sexuais femininos.

A síndrome do ovário policístico (SOP) é um distúrbio endócrino muito comum nas mulheres, possui como característica a presença de cistos, pequenas bolsas com material líquido, sua etiologia ainda é desconhecida, uma vez que, não se sabe ao certo a localização do defeito primário, uma vez que, o problema pode estar na alteração na liberação de GnRH, redução de FSH, atresia folicular, redução de estrogênios, aumento dos androgênios, aumento da relação LH/FSH, entre outros.

Classificação proposta:

SOP leve: tem como características as menstruações irregulares, com achados de ovários policísticos na ultrassonografia, discreta elevação de androgênio, níveis normais de insulina.

SOP ovulatória: caracterizada por menstruações normais, achados de ovários policísticos na ultrassonografia, elevados níveis de androgênio e de insulina.

Hipernadrogenismo e ovulação crônica: possui menstruações irregulares, ovários normais no ultrassom, elevada concentração de androgênio e insulina. Possui riscos a longo prazo.

SOP grave: também tem como característica a menstruação irregular, com achados de ovários policísticos no ultrassom, elevados níveis de androgênio e insulina.

Imagem 1: comparação entre um ovário normal e um ovário policístico. Retirado do site: https://bvsms.saude.gov.br/sindrome-dos-ovarios-policisticos/
Imagem 2: Ultrassonografia demonstrando ovários policísticos. Imagem retirada do site BMJ, link: https://bestpractice.bmj.com/topics/pt-br/141/images-and-videos

Sinais e sintomas:

são diversas as manifestações clínicas, o que acaba dificultando seu diagnóstico, geralmente ficam mais evidentes após a puberdade. São elas:

  • Amenorreia e oligomenorreia, os quais são consequência da anovulação (não forma corpo lúteo = não produção de progesterona)
  • Hirsutismo
  • Acne
  • Sangramento uterino anormal
  • Ganho de peso
  • Pode-se ter queda de cabelo

Fatores de risco:

  • Histórico familiar
  • Adrenarca prematura
  • Baixo peso ao nascer
  • Interferências endócrinas causadas pelo ambiente

Fatores diagnósticos:

  • Mulheres em idade fértil
  • Menstruação irregular
  • Acne
  • Sobrepeso/obesidade
  • Hipertensão
  • Infertilidade

Para diagnóstico existem vários critérios que podem ser usados, contudo, o mais utilizado é o Critério de Rotterdam, o qual basicamente consiste em se a paciente possuir oligomenorreia e hiperandrogenismo tem diagnóstico para SOP, após, ser feita a exclusão de outras causas como tumores ovarianos e adrenais, hiperplasia adrenal congênita e disfunções na tireoide.

Investigação/Exames:

  • Prolactina sérica
  • Hormônio estimulante da tireoide sérico
  • Tolerância a glicose
  • Perfil lipídico em jejum
  • 17-hidroxiprogesterona sérica
  • Em pacientes com amenorreia deve-se pedir BHCG para exclusão de gravidez

Ovários policísticos e Resistência a insulina

A SOP está ligada ao aumento da produção de androgênios ovarianos e resistência à insulina, com isso, pode-se ter como consequências a longo prazo: diabetes mellitus tipo 2, aumento na concentração dos lipídeos e doença cardiovascular. É importante dizer que, mesmo em pacientes com IMC normal a Diabetes é presente.

Outras disfunções que podem surgir são: dislipidemia, hipertensão arterial sistêmica, infertilidade e neoplasia endometrial.

Tratamento:

O tratamento consiste na melhora dos sintomas, uma vez que, se trata de uma doença crônica. Meninas mais jovens e obesas geralmente tem seus sintomas cessados apenas com perda de peso. Já aquelas as quais estão dentro do peso, necessita-se de controle na produção de hormônios masculinos por meio de medicamentos.

A terapia com metformina pode entrar como um profilático para diabetes.

Vale ressaltar que o método contraceptivo oral pode tratar sintomas, contudo “mascarar” a doença, uma vez que, não se tem como fazer o diagnóstico de SOP enquanto se usa a pilula.

Diagnósticos diferenciais:

  • Deficiência de 21-hidroxilase
  • Disfunção tireoidiana
  • Hiperprolactinemia

Referências

https://bestpractice.bmj.com/topics/pt-br/141/aetiology

https://bvsms.saude.gov.br/sindrome-dos-ovarios-policisticos/

https://bestpractice.bmj.com/topics/pt-br/141/images-and-videos

Guyton & Hall- Tratado de fisiologia médica- 13° edição- Capítulo 79, páginas 996-997.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto.