Resumo de suplementação de zinco | Ligas

Definição O zinco (Zn) é um mineral cuja falta ou excesso no organismo podem prejudicar a sua homeostasia. Idealmente, a sua ingesta diária deve ser de 8mg para mulheres e 11mg para homens. O zinco pode ser obtido da alimentação através do consumo de carnes vermelhas, mariscos, fígado e ovos. Além disso, também pode ser encontrado em nozes, castanhas e leguminosas. Os alimentos de origem animal normalmente constituem as melhores fontes desse mineral, quando comparados àqueles de origem vegetal. No contexto de algumas enfermidades, como a diarreia aguda, a suplementação do zinco pode auxiliar na melhora do quadro. Apresentação da suplementação de zinco O zinco está disponível como comprimido (sulfato de zinco monoidratado) e solução oral (sulfato de zinco heptaidratado). Ambas as formas devem ser ingeridas por via oral e entre refeições a fim de garantir que sua absorção não seja prejudicada. Comprimido (sulfato de zinco monoidratado): Uso pediátrico (> 12 anos): 1 comprimido ao dia, por 10 a 14 dias Uso adulto (> 18 anos): 2 comprimidos ao dia, por 7 dias Solução oral (sulfato de zinco heptaidratado) para uso pediátrico: Até 6 meses de idade: 2,5mL/dia, por 10 a 14 diasAcima de 6 meses de idade: 5mL/dia, por 10 a 14 dias Solução oral (sulfato de zinco heptaidratado) para uso adulto: 7,5mL/dia A forma de administração pode variar de acordo com a orientação médica.   A utilização do zinco junto à terapia de reidratação oral (ORT) é recomendada para tratar diarreia infantil. Mecanismos de ação

Resumo de Dapsona |Ligas

Definição A dapsona é um fármaco antibiótico da classe das sulfonas. Mecanismos de ação O principal alvo desse medicamento é na inibição por competição da conversão do ácido para-aminobenzoico (PABA) em desidropteroato, produto necessário para a síntese de ácido fólico. Farmacocinética e Farmacodinâmica da Dapsona Esse medicamento é realizado por administração via oral. Sua absorção é feita pelo trato grastrointestinal (TGI) e, por meio da circulação êntero-hepática, chega ao Fígado. Neste órgão, a enzima n-acetiltransferase promove a acetilação da substância, transformando-a em sua forma ativa. Com isso, a concentração sérica do fármaco atinge sua dosagem máxima entre 2-8 horas e, por se tratar de uma forma apolar, é ligada à albumina no sangue para o transporte pelos tecidos. Um platô da concentração plasmática da droga é obtido a partir do 8º dia de tratamento. A eliminação dela ocorre 70-85% pela urina em sua forma de matabólitos inalterados (glicuronato e sultato). O restante (15-30%) tem uma afinidade grande pelo suco biliar, por se tratar de um fármaco livre sendo eliminado junto a este. Mesmo após eliminação junto com a bile, parte dessa bile é reabsorvida pela circulação êntero-hepática e, novamente, o fármaco livre volta a corrente sanguínea, podendo persistir na corrente sanguínea por várias semanas após interrupção do uso do medicamento. Como visto anteriormente, a principal ação desse medicamento ocorre pela inibição da conversão de PABA em desidropteroato, pela inibição da enzima bacteriana sintetase de dihidroperoato. A partir desse bloqueio, o ácido fólico bacteriano não será formado e, esse ácido, atua na formação das bases nitrogenadas do DNA, e das purinas. Havendo bloqueio na formação do DNA bacteriano, torna-se inviável a sua divisão celular. Indicações

Resumo de Levodopa | Ligas

Definição A (–)-3-(3,4-di–hidroxifenil)-l-alanina, conhecida como levodopa, é um precursor imediato da dopamina que, em contraste com ela, consegue atravessar a barreira hematoencefálica, exercendo ação terapêutica central mesmo quando administrada na circulação periférica. Por ser precursora de dopamina, a Levodopa é comumente utilizada para redução de parkinsonismos, visando atenuar principalmente os sintomas motores causados pela depleção dopaminérgica nos núcleos da base do cérebro. No Brasil, é comumente associada com a carbidopa ou a benserazida, inibidores da enzima dopa-descarboxilase periférica, impedindo efeitos colaterais dopaminérgicos periféricos, como náuseas e vômitos. Apresentação Com o intuito de potencializar a ação e diminuir os efeitos colaterais, a levodopa é usualmente combinada aos inibidores periféricos da dopa-descarboxilase, como a benserazida (Prolopa® HBS). Diversas formulações da levodopa são disponibilizadas: Comprimidos orais de dosagem dividida em no mínimo duas administrações por dia – 200 mg levodopa/50 mg carbidopa e 250 mg levodopa/25 mg carbidopa;Comprimidos diluíveis  – 100 mg levodopa/25 mg carbidopa;Cápsulas orais  – 100 mg levodopa/25 mg carbidopa;Comprimido orais – 200 mg levodopa/50 mg carbidopa. Mecanismo de ação A levodopa é um pró-fármaco que consegue atravessar a barreira hematoencefálica, atuando contra a diminuição dos níveis de dopamina resultante da degeneração da substância nigra e a interrupção da via nigroestriatal. Ao chegar ao sistema nervoso central (SNC) e periferia é convertida em dopamina pela dopa-descarboxilase, então ativa receptores dopaminérgicos pós-sinápticos, reduzindo os efeitos da diminuição da dopamina endógena. Farmacocinética e Farmacodinâmica da Levodopa A absorção da Levodopa ocorre de forma rápida na parte proximal do intestino delgado, dependendo da velocidade de esvaziamento gástrico e do pH do meio.  Ela é metabolizada por descarboxilação através

Resumo de Alendronato | Ligas

Definição O alendronato é um bifosfonato. Os bifosfonatos são agentes farmacológicos não hormonais potentes, que inibem a reabsorção óssea, de modo que provocam aumento da densidade óssea, com isso minimizam o risco de fraturas. Este medicamento é utilizado para o tratamento da osteoporose, um processo de desregulação na homeostasia óssea de modo que ocorre um enfraquecimento ósseo, aumentando a suscetibilidade a fraturas. É preciso entender que o osso sofre um processo normal de reconstrução, no qual o osso mais antigo é reabsorvido – mediado pelos osteoclastos – e ocorre a formação de novos ossos – mediada pelos osteoblastos, desta maneira tudo isso promove a manutenção da arquitetura óssea. Apresentação do Alendronato O fármaco é apresentado na forma de alendronato de sódio em comprimidos, de uso oral, com cerca de 70mg e em embalagens contendo 2 até 8 comprimidos ou cerca de 10mg em embalagens com 15 a 30 comprimidos. Os comprimidos contém em sua composição: alendronato de sódio tri-hidratado e excipientes, como lactose monoidratada, celulose microcristalina, croscarmelose sódica, dióxido de silício e estearato de magnésio. Mecanismos de ação O alendronato é um fármaco pertencente à classe dos bifosfonatos, que são análogos do pirofosfato, em que a ligação P-O-P facilmente hidrolisável é substituída por P-C-P não hidrolisável. Este medicamento é do tipo aminobisfosfonato, pois apresenta um componente amino contendo nitrogênio na cadeia lateral, fato que eleva a sua função antirressortiva. Os átomos de oxigênio do alendronato combinam-se com cálcio, o que promove uma concentração desse fármaco em tecidos mineralizados, permanecendo biologicamente ativos e não metabolizados. Nesse contexto, durante a ressorção óssea, alguns ácidos liberados por osteoclastos dissociam o mineral ósseo do alendronato, o qual é excretado ou depositado em outra

Resumo do Dinitrato de Isossorbida | Ligas

Definição: O dinitrato de Isossorbida é um fármaco vasodilatador, de rápida absorção, que age na musculatura lisa, pertencentes à classe dos Nitratos. Esse fármaco tem como importante característica o fato de atuar, independentemente da integridade do local de ação. Esse fármaco é bastante utilizado no campo da cardiologia, nos casos de doenças coronarianas, mas também é aplicável a outros problemas clínicos, como a disfagia por acalasia, especialmente nos casos em que o paciente não pode passar por intervenções cirúrgicas. Apresentação do Dinitrato de Isossorbida: Os dinitratos de isossorbida apresentam-se nas formas de comprimidos sublinguais e comprimidos orais. Sublinguais: 5 a 10 mg Orais: 5 a 30mg. É importante observar que a escolha da forma será de acordo com o tipo de uso. Na abordagem de um caso de disfagia por acalasia, a apresentação desse fármaco disponível e mais ideal é a sublingual. Mas é importante observar que existem demais apresentações do fármaco, sendo voltados a outros focos da prática clínica, especialmente nas doenças cardiovasculares. Mecanismo de ação O dinitrato de isossorbida atua através do relaxamento da musculatura lisa vascular, causando efeitos vasodilatadores nas artérias sistêmicas e nas veias. Essa ação é predominante na circulação venosa. Por essas características, é um fármaco bastante aplicado nas doenças coronarianas e até mesmo nos distúrbios disfágicos, como citado anteriormente. Farmacocinética e Farmacodinâmica do Dinitrato de Isossorbida O dinitrato de isossorbida apresenta baixa disponibilidade via oral, pois as nitrato orgânicos redutases metabolizam rapidamente esses fármacos. Com o intuito de evitar os efeitos de primeira passagem e atingir níveis sanguíneos terapêuticos dentro de poucos minutos, pode ser feita a administração

Resumo de Prednisolona | Ligas

Definição A prednisolona é um glicocorticoide semelhante ao cortisol, fisiologicamente essa substância pode agir no metabolismo de carboidratos, proteínas, lipídeos, controle hidroeletrolítico, função cardiovascular, musculoesquelético, renal, nervoso e imunológico. Tem efeitos anti-inflamatórios, imunossupressores, antineoplásico e vasoconstritor, agindo principalmente na transcrição gênica, aumentando ou diminuindo.  Apresentação da Prednisolona A Prednisolona é tem duas formas de apresentação de administração via oral, comprimidos de 20mg, em cartuchos de 5, 10, 20 e 40 comprimidos ou como solução oral em frascos de 100mL. A solução oral de fosfato sódico de prednisolona, cada 1,34mg dessa equivale a 1mL da substância e é mais prescrita para pacientes pediátricos. Mecanismos de ação A prednisolona tem duas principais formas de ação a genética e não genética. É semelhante ao cortisol, hormônio que por sua configuração lipofílica, tem facilidade em ultrapassar a barreira celular e se ligar aos receptores GR, localizados no citoplasma, que se juntam aos receptores GC do núcleo e iniciam a alteração dos fatores de transcrição, ativando ou inibindo genes. Exemplos de inibição gênica são a diminuição da resposta imunológica, ao regular negativamente os genes da COX-2, NOS induzível, citocinas inflamatórias e POMC. Quanto à sua ação não genética, ainda não é completamente elucidada, mas sabe-se que tem grande participação na inibição e indução da apoptose de células inflamatórias. Farmacocinética e Farmacodinâmica da Prednisolona A prednisolona é uma forma ativa da substância, após administrada chega a sua concentração máxima no sangue entre 30 minutos e 3 horas e é facilmente absorvida pela via oral com biodisponibilidade próxima a 70%. Sua distribuição ocorre por ligação à proteína transcortina, que é uma proteína de alta
Filtrar conteúdos
Filtrar conteúdos
Áreas
Ciclos da medicina
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.