Colunistas

Tocilizumabe: o primeiro anticorpo monoclonal pré-qualificado para a Covid-19 | Colunistas

Tocilizumabe: o primeiro anticorpo monoclonal pré-qualificado para a Covid-19 | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Maria Fernanda Lima

Para aumentar o acesso aos tratamentos recomendados para a Covid-19, a Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu, em fevereiro, o tocilizumabe, um anticorpo monoclonal, em sua lista de tratamentos pré-qualificados. Ao todo, seis tratamentos estão inclusos, sendo que três correspondem a diferentes apresentações do anticorpo, que foi o primeiro a ser pré-qualificado e integrar a lista.

O que são anticorpos monoclonais?

Anticorpos monoclonais são anticorpos produzidos por um único clone de um linfócito B, sendo, dessa forma, idênticos em relação às suas propriedades físico-químicas e biológicas. Com o avanço da biotecnologia, se tornou possível produzir em laboratório anticorpos monoclonais, ou seja, específicos para uma única região do antígeno, denominada epítopo.

A principal função desses anticorpos é mimetizar a ação dos anticorpos produzidos pelo nosso próprio corpo, agindo diretamente na proteína do vírus que possibilita a sua reprodução no organismo. Por isso, mostram-se eficazes na hora de impedir que a infecção se agrave e têm sido utilizados em diversas doenças, como, por exemplo, na artrite, no caso do tocilizumabe.

O tocilizumabe e sua atuação na Covid-19

O tocilizumabe é um anticorpo monoclonal recombinante do subtipo IgG1, capaz de neutralizar os efeitos da interleucina-6 (IL-6), encontrada em níveis consistentemente altos em pacientes com formas graves da doença, ao passo que é encontrada em níveis baixos nas formas com apresentação leve. A IL-6 compõe uma importante balança no processo inflamatório agudo, sendo produzida por quase todas as células envolvidas no sistema imunológico, e atua no processo de sinalização da atividade inflamatória. Sua presença de forma exacerbada leva o organismo a um cenário de disfunção de múltiplos órgãos e sistemas.

Diversos estudos identificaram que casos graves da Covid-19 apresentam um processo inflamatório sustentado, com queda de linfócitos, e altos níveis de citocinas pró-inflamatórias, como as interleucinas 2, 6 e 10, o fator de necrose tumoral α (TNF-α), o fator estimulador de colônias de granulócitos, o interferon-gama (IFN-γ), a proteína quimiotática de monócitos-1 e a proteína inflamatória de macrófagos-1α, comportando-se como uma síndrome de liberação de citocinas. O tocilizumabe age diretamente no receptor da IL-6, impedindo a ligação da interleucina e, consequentemente, promovendo a neutralização desse processo inflamatório exacerbado e a redução dos desfechos negativos da doença.

Evidências atuais para o uso do tocilizumabe

O maior ensaio clínico realizado, desenvolvido pelo grupo de pesquisadores do RECOVERY (Randomised Evaluation of 14 Covid-19 Therapy) e envolvendo 4.116 pacientes, buscou avaliar a segurança e eficácia do tocilizumabe em pacientes adultos internados por Covid-19, que apresentassem evidências de hipoxemia e inflamação sistêmica, no Reino Unido.

Esse estudo demonstrou que o uso de tocilizumabe conseguiu reduzir a mortalidade em 28 dias em pacientes internados por Covid-19 com hipoxemia e evidência de inflamação sistêmica, definida como proteína C reativa (PCR) > 7,5 mg/dL. Além disso, observou-se o aumento da taxa de alta hospitalar em 28 dias, ou seja, a redução no tempo de internação dos pacientes, e a redução da necessidade de ventilação mecânica invasiva, mesmo em pacientes que já estavam em uso de dexametasona.

Ademais, 75% dos pacientes apresentaram diminuição do uso de oxigenoterapia, 90,5% apresentaram melhora da opacidade pulmonar na tomografia computadorizada, 52,6% apresentaram melhora da linfopenia e 84,2% apresentaram redução da proteína C reativa, evidenciando a capacidade do tocilizumabe de diminuir a gravidade da Covid-19.

Recomendações para o uso do tocilizumabe

Na lista da OMS, três dos seis tratamentos inclusos correspondem a diferentes apresentações do tocilizumabe e todos são fabricados pela empresa originadora, Roche. Entretanto, a listagem deles abre caminho para que mais empresas busquem a pré-qualificação da OMS, aumentando assim o número de produtos com garantia de qualidade e criando concorrência, levando a preços potencialmente mais baixos. A pré-qualificação desses produtos também facilitará a sua autorização em países de baixa e média renda como tratamentos para a Covid-19.

A OMS recomenda o uso do tocilizumabe apenas para pacientes diagnosticados com Covid-19 grave ou crítica e que sua administração seja realizada por profissional de saúde em um ambiente clínico monitorado e equipado com o atual padrão de atendimento para Covid-19, que inclui suporte ventilatório, corticosteroides e outros medicamentos.

Infelizmente, apesar de a patente do tocilizumabe ter expirado para a maioria de seus usos, reduzindo as barreiras de propriedade intelectual para esse medicamento, atualmente há baixa disponibilidade global de biossimilares com garantia de qualidade do produto, o que torna esse anticorpo monoclonal caro e escasso em todo o mundo, chegando a custar cerca de US$ 500-600 por dose única em mercados de baixa renda. Por isso, a OMS e parceiros estão atualmente discutindo preços mais baixos e meios para garantir um maior acesso em países de baixa e média renda junto à empresa produtora, Roche, visando o aumento do acesso a tratamentos recomendados e eficazes para a Covid-19 em todo o mundo.

Autora: Maria Fernanda Lima

Instagram: @fxrnandasouza

Referências

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. O que são anticorpos monoclonais?. FIOCRUZ. Disponível em: <https://www.bio.fiocruz.br/index.php/br/perguntas-frequentes/227-o-que-sao-anticorpos-monoclonais#:~:text=Com%20o%20avan%C3%A7o%20da%20biotecnologia,diagn%C3%B3stico%20em%20diversos%20exames%20laboratoriais>. Acesso em: 13 mar. 2022.

BASTOS, H. Tocilizumabe: quando e como usar na Covid-19?. PEBMED. Disponível em: <https://pebmed.com.br/tocilizumabe-quando-e-como-usar-na-covid-19/>. Acesso em: 15 mar. 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. OMS pré-qualifica primeiro anticorpo monoclonal para tratar COVID-19 grave. PAHO. Disponível em: <https://www.paho.org/pt/noticias/11-2-2022-oms-pre-qualifica-primeiro-anticorpo-monoclonal-para-tratar-covid-19-grave>. Acesso em: 18 mar. 2022.

Xu X, Han M, Li T, et al. Effective treatment of severe COVID-19 patients with tocilizumab. 2020 Apr 29. Proc Natl Acad Sci USA, 202005615. doi:10.1073/pnas.2005615117. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7245089/>. Acesso em: 20 mar. 2022.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto