Ciclo Clínico

Transtorno da acumulação: características clínicas

Transtorno da acumulação: características clínicas

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Residência Médica

Tudo o que você precisa saber sobre o transtorno da acumulação para sua prática clínica!

Em 2013, o Transtorno da Acumulação (TA) foi incluído na edição do Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. A prevalência do transtorno é de 1,5 a 2,1% na população em geral, sendo maior em idosos. O TA é um problema de saúde pública, causando riscos à saúde e à segurança dos indivíduos.

O que é o transtorno da acumulação? 

É uma psicopatologia que causa aquisição compulsiva de objetos desnecessários. Com isso, o indivíduo tem dificuldade de desfazer-se de objetos inutilizados e desorganização do ambiente onde reside. 

Em um estudo epidemiológico publicado em 2010, observou-se que as pessoas que acumulam normalmente vivem sozinhas, podem ficar sem emprego e com sobrepeso. Todos esses fatores culminam na  baixa qualidade de vida desses pacientes. 

Quais as manifestações clínicas do transtorno da acumulação? 

Quando o indivíduo tem TA, há uma  tendência a acumulação compulsiva. Apesar de não precisar de determinados objetos, o paciente tem necessidade de adquirir e guardar. Por vezes, o indivíduo não necessita do objeto comprado e ele é guardado ainda na caixa. 

Quando a pessoa precisa se desfazer de qualquer objeto, por menos utilizado que ele seja, há uma forte angústia. Isso faz com que o descarte seja cada vez menos frequente. Assim, não há espaço suficiente para acomodar todos os itens acumulados. 

Por conta disso, observa-se: 

  • Área de convívio lotada e desorganizada 
  • Isolamento social, visto que não há como outras pessoas frequentarem a casa do acumulador

Acumuladores de animais 

Alguns indivíduos também desenvolvem uma acumulação compulsiva de animais. Nesse tipo de TA, a pessoa não consegue cuidar adequadamente desses animais, que vão viver em situação anti-higiênica. 

Vale salientar que, para esses pacientes, a situação precária desses animais não se caracteriza como maus tratos. Eles são movidos por sentimentos de dó e compaixão para com animais em situação de abandono ou maus-tratos, apresentando, inclusive, dificuldades em se livrar deles mesmo após a morte dos bichos. 

Tratamento 

O tratamento para acumuladores compulsivos pode ser feito através de:

  • Terapia comportamental
  • Remédios antidepressivos

Através de antidepressivos, receitados por um psiquiatra, o paciente consegue evitar o desejo de acumulação compulsiva. Contudo, é muito difícil que esses pacientes percebam que estão doentes e procurem ajuda, sendo necessário uma intervenção dos familiares e amigos. 

Referência bibliográfica

  • REVISTA DE PSICOLOGIA. Transtorno da Acumulação. 2014. Disponível aqui. Acesso em 20 de Junho de 2022. 
  • Grisham, J. R. & Norberg, M. M. (2010). Compulsive Hoarding: current controversies and new directions. Dialogues in Clinical Neuroscience, 12(2), 233-40. Recuperado de http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3181962/