Colunistas

Tudo o que você precisa saber sobre doença celíaca | Colunistas

Tudo o que você precisa saber sobre doença celíaca | Colunistas

Compartilhar

Martha Monteiro

3 min há 535 dias

A doença celíaca é uma enteropatia caracterizada por uma intolerância permanente ao glúten e desencadeada por mecanismos autoimunes em indivíduos com genes HLA – DQ2 e/ou HLA – DQ8 (LIU et al, 2014).  

               O glúten é parcialmente degradado por enzimas no trato gastrointestinal e resultará na produção de uma proteína solúvel chamada gliadina, que sofrerá desaminação no epitélio intestinal, gerando derivados peptídeos. Os derivados possuem epítopos com carga elétrica negativa e ativam os linfócitos T intestinais através da ligação com o antígeno leucocitário humano (HLA).

Ao reconhecer os peptídeos do glúten ligados ao HLA, os linfócitos T CD4+ glúten específicos secretam interferon gama que potencializa a atividade citotóxica dos linfócitos T CD8 e as células natural killer (PEREIRA et al, 2017).

               O quadro clínico possui três apresentações (PEREIRA et al, 2017):

  • CLÁSSICA OU TÍPICA: Ocorre nos primeiros anos de vida e a sintomatologia inclui diarreia crônica, distensão abdominal, emagrecimento, vômitos, irritabilidade, atrofia da musculatura glútea e anemia. Caso o diagnóstico seja tardio, o paciente pode evoluir para uma crise celíaca, que se caracteriza por diarreia com desidratação hipotônica grave, distensão abdominal, desnutrição grave e hemorragia.
  • NÃO CLÁSSICA OU ATÍPICA: Ocorre durante a infância e a sintomatologia pode ser mono ou oligossintomática, podendo apresentar constipação intestinal, emagrecimento, artrite, baixa estatura, osteoporose e irregularidade no ciclo menstrual.
  • ASSINTOMÁTICA OU SILENCIOSA: Pacientes com alterações sorológicas e histológicas da mucosa intestinal compatível com a doença.

O diagnóstico é confirmado pelo exame histopatológico do intestino delgado (exame padrão-ouro), cujo resultado classificado em (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2015; SILVA; FURLANETO, 2010):

  • MARSH I:  a arquitetura da mucosa apresenta-se normal com aumento no número de linfócitos intraepiteliais (>30 linfócitos por 100 enterócitos);
  • MARSH II: presença de lesão hiperplásica (alargamento das criptas e aumento do número de linfócitos);
  • MARSH III: presença de lesão com padrão destrutivo (com atrofia vilosa parcial ou total);

Os exames sorológicos também podem ajudar a identificar pacientes com doença celíaca. Os testes são: anticorpo antiendomísio (EmA), anticorpo antitransglutainase tecidual (antiTG), que identifica a enzima responsável pela deaminação da gliadina e anticorpo antigliadina deamminada (antiDPG).

               O tratamento deve ser feito por uma dieta sem glúten de forma definitiva, sendo necessária uma consulta com um nutricionista. O acompanhamento dos pacientes deve ser realizado com antiTG após seis meses do diagnóstico para avaliar resposta ao tratamento.

Caso não haja declínio na sorologia ou melhora na sintomatologia, deve-se pensar em não adesão à dieta, doença celíaca refratária e outros diagnósticos diferenciais de doença celíaca, como alergia alimentar, intestino irritável, intolerância à lactose, hiperproliferação bacteriana, giardíase e doença inflamatória (LIU, 2014).  

Se interessa por Clínica Médica? Conheça nosso Manual!

Autora: Martha Monteiro, Estudante de Medicina

Instagram: @sradeferro

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.