Colunistas

Ultrassom morfológica: a importância dos exames de imagem | Colunistas

Ultrassom morfológica: a importância dos exames de imagem | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Isael Silva

As futuras mamães passam por uma longa jornada no processo chamado gravidez, pois além de alterações fisiológicas, ocorrem modificações em sua rotina habitual: alterar hábitos alimentares e sociais, visitas à médicos estão entre possíveis novas atividades. Durante a gravidez, o ultrassom está entre os exames mais aguardados pelas gestantes e toda a família. Além de permitir um contato maior com seu filho e a construção de memórias durante a gestação, a ultrassonografia tem como principal objetivo avaliar a formação e o desenvolvimento do bebê. A ultrassonografia morfológica, permite, quando realizada no momento adequado, avaliar as estruturas fetais e assim possibilitar a descoberta precoce de malformações e síndromes fetais, além de indicar condições de saúde que possam exigir uma investigação mais profunda, por meio de outros exames mais específicos, e um acompanhamento mais rigoroso da gestação. Desse modo, é de imensa importância realizar esse exame, afim de obter informações para um acompanhamento da gestação, com o intuito de proporcionar uma maior segurança à mamãe e ao bebê.

O que é ultrassom morfológica?

Também chamado de ultrassonografia e ecografia, o ultrassom é um exame de imagem realizado por um transdutor, que o médico encosta na pele da pessoa e que emite e capta ondas sonoras por meio do contato com o corpo humano. Com base nessa avaliação, imagens são formadas e investigadas por um médico. Entretanto, o aparelho para realizar a USGm tem uma maior resolução se comparado, por exemplo, com a máquina de um ultrassom mais “convencional” (exemplo: USG transvaginal).

Quando fazer?

No primeiro trimestre, este exame é realizado entre 11 semanas e 3 dias e 13 semanas e 6 dias, mais precisamente quando o bebê estiver medindo entre 45mm e 84mm de comprimento da cabeça à nádega. O exame pode ser realizado por via abdominal, entretanto algumas vezes pode ser complementado pela via transvaginal, que permite imagens de maior qualidade. No segundo trimestre, preferencialmente a USGm é realizada entre 20° e 24° semana.  Exame morfológico de segundo trimestre deve ser realizado prioritariamente entre 20 e 24 semanas de gestação, pois esta é a melhor época para visualizar com o ultrassom as alterações anatômicas. Trata-se de um exame de rotina em todas as gestações, no qual é feita uma avaliação detalhada sobre a anatomia fetal. Mesmo considerando as limitações técnicas inerentes ao ultrassom, a sensibilidade do ultrassom morfológico para detecção de malformações fetais é de aproximadamente 85%, sendo o exame de escolha para o acompanhamento de malformações já diagnosticadas em qualquer fase da gestação. Devido a sua importância, deve ser realizado por profissional habilitado em Medicina Fetal, o que permite que a maioria das malformações possam ser vistas já nesta época.

Em associação com este exame, de acordo com a solicitação do obstetra, também podemos realizar:

  • Avaliação do colo uterino para avaliação de risco de parto prematuro (via transvaginal);
  • Avaliação das artérias uterinas para risco de pré-eclâmpsia (Dopplerfluxometria).

Principais alterações que podem ser observadas

Como o nome sugere, esse ultrassom serve para avaliar a morfologia do bebê. Assim, por meio dele, é possível ver com clareza os órgãos internos e membros do feto. O médico avalia se o desenvolvimento está de acordo com a idade gestacional, se há anomalias ou sinais de alerta que indiquem a necessidade de uma investigação mais profunda por meio de outros exames mais específicos. Com USG morfológico é possível descobrir possíveis malformações no feto como: 

  • Espinha bífida;
  • Anencefalia;
  • Síndrome de Down;
  • Hidrocefalia;
  • Complicações renais;
  • Hérnia diafragmática;
  • Doenças cardíacas.

O procedimento

No ultrassom morfológico, geralmente, o médico passa a sonda na superfície do abdômen e regiãopélvica. Com o auxílio de um gel transparente, a sonda desliza facilmente pela pele, transmitindo para o monitor as imagens formadas pelas ondas sonoras emitidas pelo aparelho.

Em alguns casos, o exame também pode ser feito por via intravaginal ou endovaginal, quando uma sonda especial é inserida pela vagina da gestante, para uma melhor visualização do colo uterino.

Em ambos os casos o exame é indolor e dura, em média, de 30 a 45 minutos.

Conclusão

Métodos para avaliar o feto antes do advento da ultrassonografia eram muito limitados e a ultrassonografia oferecia um potencial enorme para esse fim. Na década de 1990, a mortalidade perinatal nos países desenvolvidos chegou à casa de um dígito. As razões para isso são complexas, mas não há dúvida de que a ultrassonografia tem desempenhado o seu papel e tem sido de grande benefício para muitos pacientes. A padronização de exames, apesar de valiosa no aspecto de manter a qualidade do exame, é algo muito recente na Medicina. O contraste entre o rápido crescimento da ultrassonografia em obstetrícia e a falta de protocolos nacionais sobre a padronização do exame torna o método muitas vezes questionável. Não se pode admitir nos dias de hoje que somente após o nascimento se diagnostiquem malformações que poderiam ser detectadas durante a gestação pelo ultra-som, como, por exemplo, a ausência de dedos, de mãos ou até de membros. Exames ultra-sonográficos bem feitos são capazes de diagnosticar grande parte das malformações e, por esse motivo, não é de estranhar que os programas de monitorização de malformações congênitas devam assinalar nos próximos anos decréscimo acentuado de nascimento de fetos com malformações múltiplas. Acredita-se que a padronização dos exames de ultrassonografia em obstetrícia é algo inevitável, necessário e urgente.

Confira o vídeo:

Autoria: Isael Silva

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto