Outros

Vacina AstraZeneca e o raro distúrbio de coagulação | Colunistas

Vacina AstraZeneca e o raro distúrbio de coagulação | Colunistas

Compartilhar

Coagulação

O ano de 2021 começou com uma grande virada na realidade da pandemia, a chegada das vacinas foi comemorada. A cada aprovação emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a população via mais esperanças na melhora da situação. Mas com o avanço da vacinação contra a COVID-19 e a utilização em massa das diversas vacinas disponíveis no mercado, um novo receio tomou a mente da população: a vacina da AstraZeneca causa trombose? Um misto de desinformação, pânico midiático e medo tomou os brasileiros que receberam a vacina. Mas toda essa comoção tem uma fundamentação científica?

A Vacina AstraZeneca

Produzida a partir de vetor viral não replicante, a Vacina da AstraZeneca obteve a aprovação de uso emergencial da ANVISA em 12 de março de 2021. Ela atinge sua eficácia máxima após duas doses que devem ser aplicadas com um intervalo de 8 a 12 semanas. Essa vacina apresenta eficácia geral de cerca de 70% com as duas doses aplicadas. Foi desenvolvida em um consórcio entre a universidade Oxford e a farmacêutica AstraZeneca. No Brasil, essa vacina está sendo produzida pela Fiocruz com ingrediente farmacêutico (IFA) proveniente da China e tecnologia importada da Inglaterra.

Efeitos adversos

A vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca apresenta, assim como suas concorrentes, uma série de efeitos colaterais.

Os mais frequentes atingem 1 em cada 10 vacinados, são:

  • Dor no local da aplicação;
  • Mal-estar geral;
  • Fadiga;
  • Febre;
  • Cefaleia;
  • Náusea;
  • Dor articular;
  • Dor muscular.

Uma em cada 100 pessoas que receberem a vacina podem apresentar:

  • Sonolência;
  • Tontura;
  • Inapetência;
  • Dor abdominal;
  • Aumento de linfonodos;
  • Sudorese;
  • Prurido;
  • Rash cutâneo.

E por fim, apenas 1 a cada 10.000 pessoas pode desenvolver a tão temida trombose com trombocitopenia. Uma porcentagem muito pequena, mas que quando transportada para a realidade de uma nação, traz preocupação para os serviços de saúde.

O que é essa trombose?

Trombose com trombocitopenia induzida por vacinas é o nome completo da afecção. Sua fisiopatologia não é bem conhecida, mas é supostamente relacionada à formação de anticorpos contra antígenos plaquetários capazes de desencadear ativação desses elementos sanguíneos em larga escala. A consequência dessa interação é uma plaquetopenia associada a trombose em localizações atípicas como veias cerebrais, hepática, portal e esplâncnicas.

Quando suspeitar?

Pacientes recém-vacinados (4 a 30 dias) com sintomas severos e persistentes por mais de três dias. Assim como pessoas que apresentem:

  • Cefaleia recorrente;
  • Dor torácica;
  • Dor abdominal;
  • Vômito;
  • Dispneia;
  • Dor em membro inferior;
  • Edema de membro inferior.

Devem ser avaliados para presença de trombose com trombocitopenia. A trombose pode ocorrer tanto em veias quanto em artérias.

Exames complementares

Em um paciente sob suspeita de trombose com trombocitopenia após receber a vacina da AstraZeneca deve-se realizar os seguintes exames:

  • Hemograma completo com contagem de células;
  • Esfregaço sanguíneo periférico;
  • D-dímero;
  • Fibrinogênio;
  • Painel de coagulação;
  • ELISA para Heparina-PF4;
  • Exames de imagem de acordo com a apresentação do paciente.

Conduta

Por ser uma condição recentemente descrita e associada a vacinas de vetor viral não replicante, presente na vacina contra COVID-19 da AstraZeneca, assim como a da Janssen, as recomendações se baseiam no tratamento da trombocitopenia induzida por heparina.

Os pacientes devem receber imunoglobulina intravenosa e anticoagulação, com preferência por Argatroban e Bivalirudin. Não se deve utilizar heparina, transfusão de plaquetas ou terapias antiplaquetárias.

Mas afinal, devo ficar preocupado?

A ocorrência desse tipo raro de trombose associada à vacina da AstraZeneca é classificada como muito rara, atingindo uma parcela pequena da população vacinada. Ademais, ao não se vacinar, a chance de contrair COVID-19 e de ter desfechos ruins é muito grande, o que por si só já fala a favor da vacinação.

Além disso, existem situações muito mais corriqueiras no dia-a-dia que são vilãs maiores quando o assunto é trombose e nem por isso convence-se a população sobre o uso consciente ou até mesmo o abandono de substâncias pró-trombóticas.

Pessoas que contraem a COVID-19 têm 16% de chances de ter trombose:

  • Mulheres que usam pílula anticoncepcional têm 0,05% de chance de desenvolver trombose.
  • Fumantes têm 0,18% de chances de ter trombose.
  • Vacinados com a fórmula da AstraZeneca têm 0,0004% de chances de ter trombose com trombocitopenia.
  • Vacinados com a fórmula da Janssen (mesmo princípio da anterior) têm 0,0001% de chances de desenvolver trombose com trombocitopenia.

E agora?

A pequena compreensão do que leva os pacientes a desenvolverem trombose com trombocitopenia, causa grande medo na população em geral e nos trabalhadores da saúde. Mas, o avanço do uso da vacina da AstraZeneca trará luz a essa incógnita médica e melhores condutas podem ser desenvolvidas a partir disso. Pensando nesses dados fica claro que a vacinação não pode parar por essa rara forma de coagulopatia associada à vacina da AstraZeneca, e os serviços de saúde têm que estar habilitados para rápido reconhecimento e manejo da condição. Conforme haja melhor compreensão desse efeito adverso, esperam-se melhorias no manejo e tratamento.

Vacina, sim!

Autora: Annelise Oliveira

Instagram: @anniemnese

Referências:

Fiocruz receberá novas remessas de IFA para a produção da vacina Covid-19 – https://portal.fiocruz.br/noticia/fiocruz-recebera-novas-remessas-de-ifa-para-producao-da-vacina-covid-19

Saiba em detalhes como funciona a vacina de Oxford – https://www.sanarmed.com/saiba-em-detalhes-como-funciona-a-vacina-de-oxford

Vacinação Covid-19: Coronavac E Astrazeneca/Oxford – https://coronavirus.saude.mg.gov.br/blog/229-vacinacao-coronavac-astrazeneca-oxford

Information for UK recipients on COVID-19 Vaccine AstraZeneca (Regulation 174) – https://www.gov.uk/government/publications/regulatory-approval-of-covid-19-vaccine-astrazeneca/information-for-uk-recipients-on-covid-19-vaccine-astrazeneca#possible-side-effects

Trombose? Risco de vacina da covid-19 é menor que de anticoncepcional – https://exame.com/ciencia/trombose-risco-de-vacina-da-covid-19-e-menor-que-de-anticoncepcional/

Thrombosis with thrombocytopenia syndrome associated with COVID-19 vaccines – https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8143907/

An Update on COVID-19 Vaccine Induced Thrombotic Thrombocytopenia Syndrome and Some Management Recommendations – https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8400504/pdf/molecules-26-05004.pdf


O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Compartilhe com seus amigos: