Coronavírus

Vacina da Pfizer é testada em adolescentes

Vacina da Pfizer é testada em adolescentes

Compartilhar

Sanar Medicina

4 min há 14 dias

A vacina da Pfizer foi testada em adolescentes, e pretendemos aqui neste post discutir um pouco do assunto. Até o presente momento, as vacinas receberam autorização emergencial para uso apenas em pessoas com idade superior a 16 anos. 

Isto porque, como todos sabem, a COVID-19 afeta predominantemente a população com idade mais avançada ou com comorbidades.

Sabemos que a população pediátrica foi poupada das consequências mais graves da infecção pelo SARS-CoV-2. 

No entanto, neste momento em que avançamos na vacinação e na tentativa de retorno ao normal, vacinar os adolescentes se mostra como uma importante questão, já que permitirá proteção à esta população e, mais que isto, facilitará o retorno presencial às suas atividades, bem como ainda ajudará na imunidade coletiva. 

Metodologia do estudo da vacinação em adolescentes

O estudo é de natureza multinacional, e encontra-se ainda em andamento. É um estudo do tipo controlado por placebo e cego para observadores. 

Os participantes foram distribuídos de maneira aleatória em uma proporção de 1:1 para receber duas doses da vacina da Pfizer, separadas por um intervalo de 21 dias, ou placebo. 

Para verificar a imunogenicidade nesta população, foi considerada a não inferioridade da resposta imune dos participantes de 12 a 15 anos comparados à resposta imune em participantes de 16 a 25 anos. 

Já para avaliar segurança e eficácia da vacina, foi avaliada a presença da COVID-19 após 7 dias da 2ª dose da vacina, e as reações e efeitos adversos observados nos participantes de 12 a 15 anos. 

Resultados da vacinação em adolescentes

Participaram do estudo 2.260 adolescentes entre 12 e 15 anos de idade. Destes, 1.131 receberam a vacina, e 1129 receberam placebo. 

Segurança da vacina

Assim como nas demais faixas etárias, a vacina da Pfizer mostrou bom perfil de segurança na população adolescente estudada. 

Os efeitos colaterais foram leves a moderados e transitórios, sendo dor no local da injeção, fadiga e dor de cabeça os principais sintomas relatados. Efeitos adversos raros inexistiram.

Eficácia da vacina

Os resultados da eficácia da vacina em adolescentes de 12 a 15 anos mostraram não inferioridade quando comparados os títulos de anticorpos neutralizantes daqueles vacinados com 16 a 25 anos de idade.

Na verdade, a resposta de anticorpos neutralizantes se mostrou maior na coorte de adolescentes, e a eficácia observada da vacina foi de 100%. 

Nenhum caso de COVID-19 após 7 dias de vacinação foi observado entre os participantes que receberam a vacina da Pfizer. Dezesseis casos ocorreram entre aqueles que receberam placebo. 

Conclusão: vacina da Pfizer para adolescentes se mostrou segura e eficaz

Os resultados do estudo mostraram uma excelente notícia para a população adolescente.

Não só o critério de não inferioridade foi alcançado, como também a vacinação dos adolescentes com a vacina da Pfizer mostrou produção de resposta imunológica altamente eficaz, inclusive maior que na população jovem comparada. 

Além disso, o perfil de segurança da vacina foi satisfatório. Todos estes dados apontam que a vacinação dos adolescentes será benéfica e segura para esta população específica. 

Estudos em andamento avaliarão esta mesma resposta em populações mais jovens ainda, como as crianças. 

Referências

Safety, Immunogenicity, and Efficacy of the BNT162b2 Covid-19 Vaccine in Adolescents – NEJM

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.