Carreira em Medicina

Resumo adenoma hipofisário secretor de TSH

Resumo adenoma hipofisário secretor de TSH

Compartilhar
Imagem de perfil de Comunidade Sanar

Cada vez mais, os adenomas hipofisários estão presentes na prática clínica, representando cerca de 15% dos tumores intracranianos. Os adenomas hipofisários secretores de TSH (TSHomas), por sua vez, são 3% desses tumores e, geralmente, diagnosticados tardiamente, por volta de 4,5 a 9 anos após o surgimento. Por isso, é importante que o médico clínico conheça as manifestações e métodos diagnósticos disponíveis para essa neoplasia.

Neste texto, discutimos os principais sintomas e os passos para diagnóstico dos TSHomas, tumores benignos, predominantemente.

Manifestações

As manifestações do TSHomas são, em sua maioria, decorrentes da presença de concentrações séricas aumentadas de T3 e/ou T4. Contudo, os sintomas típicos do hipertireoidismo só estão presentes em cerca de 2/3 dos pacientes e costumam ser menos graves do que aqueles que se manifestam em pacientes com hipertireoidismo primário. Complicações graves, como insuficiência cardíaca, cardiotoxicose com fibrilação atrial, dificilmente são encontradas.

O paciente com o tumor normalmente apresenta bócio, mesmo que anteriormente tireoidectomizado, alterações da fertilidade e distúrbios menstruais. Esses quadros, não obstante, podem ser encontrados em diversos distúrbios hormonais.

Embora, durante todo o processo de estudo dos TSHomas, que vem desde 1960, os macroadenomas (> 1 cm) tenham predominado, correspondendo a cerca de 70% dos tumores, há um crescimento franco dos microadenomas. Portanto, os sintomas causados pelo efeito de massa estão cada vez menos frequente. Eventualmente, estão presentes cefaleia, alterações visuais e alteração de outros eixos hipofisários, levando à queda de libido, vertigem, fadiga e diversos distúrbios menstruais.

Outra característica que pode despertar suspeitas e está presente em vários pacientes é uma perda óssea e um número significativo de lesões radiológicas, mais acentuadas do que o observado para outros pacientes com a mesma faixa etária.

Em cerca de 40% dos tumores, há co-secreção de outros hormônios, sendo o mais comum o GH, seguido pela prolactina, determinando a acromegalia e a síndrome galactorreia-amenorreia, respectivamente.

Diagnóstico clínico-laboratorial

O TSHoma é caracterizado por um hipertireoidismo secundário juntamente a concentrações anormais, ou inadequadamente normais, de TSH. Contudo, deve-se ser prudente diante de um perfil laboratorial compatível. Faz-se necessário excluir possíveis interferências metodológicas. Atualmente, indica-se que os níveis de TSH sejam aferidos pelo método direto de duas etapas.

Em casos de dúvidas e casos emblemáticos, podem ser utilizados os testes de estimulação com TRH, o teste de Werner e o teste com análogo de somatostatina de curta duração. No primeiro, administra-se TRH 200 μg IV em bolus, aferindo os níveis de TSH em 0, 20, 60, 90 e 120 minutos. O teste é considerado anormal quando não há um aumento inferior a 50% ou 4 mil/L de TSH.

O teste de Werner, por sua vez, é realizado administrando-se 100 mcg de T3 à tarde, por dez dias, dosando o TSH antes e depois do teste. Reduções inferiores a 90% são consideradas anormais.

Já o último teste consiste na administração subcutânea de octeotrida 100 mc SC, sendo 3 aplicações com intervalos de 8 horas entre elas, medindo-se os níveis hormonais em 0, 2, 4, 6, 8 e 24 horas. Supressões iguais ou maiores a cerca de 45% possuem alta sensibilidade e especificidade (> 90%) para o diagnóstico. Todos os testes descritos possuem variação na literatura.

Exames de imagem

A ressonância magnética é uma das melhores formas de avaliação, revelando macroadenomas hipoitensos após a administração de gadolínio. Há também fibrose ao redor do tumor e invasão microscópica, por isso é preferível que se avalie o tumor utilizando várias sequências.

Os microadenomas não são tão fáceis de detectar, por isso, exames negativos não descartam a presença do tumor. Nesse caso, contudo, convém que se avalie diagnósticos diferenciais e interferências nos exames laboratoriais.

São alternativas à ressonância magnética, a cintilografia com análogo de somatostatina e a tomografia de emissão de prótons. Esses exames, contudo, não são consensuais e possuem limitações clínicas e sociais. 

Diagnósticos diferenciais

A síndrome de resistência aos hormônios tireoidianos é mais comum do que o TSHoma. Manifesta-se também por bócio tireoidiano, concentrações séricas elevadas de T3 e T4 e TSH não suprimido.

Nela, não há efeito de massa, não há alteração de α-GSU (um marcador anteriormente utilizado no diagnóstico do TSHoma, porém em desuso), e os testes de supressão de TSH com análogo de somatostatina de curta duração são normais.

Em último caso, emprega-se a análise do gene TRβ, cerca de 80% dos casos apresentam mutações.

Conclusão

Os TSHomas são tumores raros, mas que merecem atenção clínica, diante do aumento das neoplasias hipofisárias. O diagnóstico é complexo e, muitas vezes, pode ser excessivamente demorado, visto que os microadenomas, que não são observados tão facilmente em exames de imagem, estão em crescimento.


O texto é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto.

Observação: material produzido durante vigência do Programa de colunistas Sanar junto com estudantes de medicina e ligas acadêmicas de todo Brasil. A iniciativa foi descontinuada em junho de 2022, mas a Sanar decidiu preservar todo o histórico e trabalho realizado por reconhecer o esforço empenhado pelos participantes e o valor do conteúdo produzido. Eventualmente, esses materiais podem passar por atualização.

Novidade: temos colunas sendo produzidas por Experts da Sanar, médicos conceituados em suas áreas de atuação e coordenadores da Sanar Pós.


Referências:

Aflorei ED, Korbonits M. Epidemiology and etiopathogenesis of pituitary adenomas. J Neurooncol. 2014; 117(3):379.

Beck-Peccoz P, Giavoli C, Lania A. A 2019 update on TSH-secreting pituitary adenomas. J Endocrinol Invest. 2019; 42(12):1401-6.

Nazato DM, Abucham J. Diagnosis and treatment of TSH-secreting adenomas: review of a longtime experience in a reference center. J Endocrinol Invest. 2018; 41(4):447-54.

Souza PMA, Morais JRR, Morais KVR, Brito JS, Faria TA. Adenoma hipofisário secretor de TSH: uma revisão sistemática. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo. 2020; 65:e035

Tjörnstrand A, Nyström HF. Diagnosis of endocrine disease: Diagnostic approach to TSH-producing pituitary adenoma. Eur J Endocrinol. 2017; 177(4):R183-R197