Colunistas

Anemia Ferropriva – Metabolismo do Ferro | Colunistas

Anemia Ferropriva – Metabolismo do Ferro | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Raquel Rogaciano

É a anemia mais comum de todas !

Metabolismo do ferro: o ferro dos alimentos é absorvido no duodeno e jejuno proximal , apenas 10% do ferro consumido é absorvido e quando em deficiência de ferro até 50% pode ser absorvido.

O ferro é absorvido pelo enterócito e então pode ser estocado em moléculas de ferritina ou pode passar pela ferroportina (é como um portão que deixa o ferro passar pro sangue), com isso ele se liga a transferrina (proteína transportadora de ferro) que o leva até a medula óssea onde será utilizado para formação da hemoglobina. A ferroportina pode ser inibida pela hepcidina, dessa forma, a hepcidina serve como um regulador do ferro quando seu funcionamento fisiológico.

A eliminação do ferro é difícil, pois o ferro é eliminado por sangramento gastrointestinal.

Etiologias da anemia ferropriva

  • Perdas sanguíneas crônicas : doenças do TGI (CA, ulcera, parasitose, hemorroida), hipermenorreia
  • Má absorção : cirurgia bariátrica (o ferro não passa no duodeno), doença celíaca
  • Maior demanda: gestação e crianças (3-24 meses)

Manifestações clínicas

  • Síndrome anêmica: astenia, dispneia, palidez, cefaleia
  • Anemia carencial: glossite (inflamação da língua), quelite angular
  • Carência de ferro: coiloníquia (unha em formato de colher), unhas quebradiças,  esplenomegalia, perversão do apetite (pica), disfagia (síndrome de plummer vinson)

Diagnóstico

  • Hemograma à anemia hipoproliferativa normocítica / normocrômica ou microcítica / hipocromica
  • Cinética do ferro:
    • balanço negativo (tá faltando ferro) à baixa ferritina (é o primeiro marcador, sendo o mais importante nesse caso )
    • Aumento de transferrina e TIBC (para tentar levar mais ferro ao organismo)
    • Diminuição da concentração de ferro e Índice de saturação à transferrina
    • Diminuição de hemoglobina (pq não há mais formação de hemácias) à normo/normo
    • As hemácias vão ficando menores e pouco coradas com o tempo à Micro / hipo
    • Aumento do RDW à há um aumento da diferença dos tamanhos das hemácias
    • Aumento das plaquetas à por estimulo da eritropoiese
  • Hematoscopia : detecta algumas alterações
    • Anisopoiquilocitoseà anisocitose + poiquilocitose
    • Hemácias em forma de charuto
  • Mielograma: realizado em casos duvidosos
    • Exame de maior acurácia

Tratamento

  • Reposição de ferro
    • Adultos à 60mg(ferro elementar) 3 – 4x/dia (aproximadamente 200 mg/dia) por 6-12 meses após normalizar hematócrito
    • Crianças à 3-6 mg/kg/dia (ferro elementar) por 3 a 4 meses após 2 meses hematócrito normalizado

Atenção !!! não é sulfato ferroso, é ferro !

Cuidados para prescrição

  • consumir em jejum associado ao suco de laranja ou vitamina C
  • Ferro intravenoso se : má absorção / intolerância TGI grave / refratariedade à Via oral / necessidade de reposição mais rápida

Avaliação do tratamento

  • Reticulócitos: pico em 5 – 10 dias
  • Hb/Ht: sobem em 2 semanas e normaliza em 2 meses
  • Ferritina : de ser > 50 ng/mL

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe: