Oftalmologia

Caso Clínico: Ceratocone | Ligas

Caso Clínico: Ceratocone | Ligas

Compartilhar

Área: Oftalmologia

Autores: Ariosto Afonso e Daniel Sena

Revisor: 

Orientadora: Anamaria  

Liga: Liga Acadêmica de Oftalmologia Clínica e Cirúrgica da Universidade Católica de Pernambuco (LAOCC-UNICAP)

Apresentação do caso clínico

Paciente do sexo feminino, 23 anos, branca, estudante do curso de medicina, procedente e residente em Recife, Pernambuco, solteira, agnóstica.

Procurou ambulatório da Oftalmologia com queixas de visão borrada e distorcida. Paciente relata necessidade de frequentes mudanças de óculos e baixa tolerância ao uso de lentes de contato há 3 anos. Refere ainda desconforto ocular e fotofobia há cerca de 1 ano. Nesse último ano, nem com o uso óculos sua acuidade visual melhora.

Antecedentes pessoais:

Nega hipertensão arterial sistêmica, nega diabetes mellitus, nega asma, nega reumatismo, nega cirurgias. Relata que apresentou asma na infância e apresenta esporadicamente alergia ocular (ceratoconjuntivite atópica)

Antecedentes familiar:

Pai: Saudável

Mãe: Diabetes Mellitus tipo II

Ao exame oftalmológico:

O paciente não apresenta lesões cutâneas, alterações pigmentares e inflamatórias. Motilidade ocular preservada, Ponto Próximo de Convergência 4 cm.

Acuidade visual:

  • Avaliação visual para longe (sem correção): 5/20 ambos os olhos
  • Avaliação visual para perto (sem correção): 10/20 ambos os olhos

Biomicroscopia:

Cílios bem implantados, ausência de blefarite, ponto lacrimal pérvio. Conjuntiva normocorada, sem presença de pterígio, córnea de espessura fina e formato de cone, câmara anterior profunda sem reação em ambos os olhos, pupilas isocóricas e fotorreagentes, íris de morfologia normal, cristalino transparente. A paciente apresenta o sinal de Munson ao olhar para baixo e estrias de Vogt.

Pressão Intraocular:

  • Olho direito: 17 mmHg
  • Olho esquerdo: 15 mmHg

Revela córnea de espessura fina e formato de cone.

Fundo de olho

  • Olho direito: Nervo óptico corado, escavação papilar fisiológica 0,3 respeitando a INST, mácula e vasos preservados. Presença de reflexo em “tesoura” evidenciando astigmatismo irregular
  • Olho esquerdo: Nervo óptico corado, escavação papilar fisiológica 0,3 respeitando a INST, mácula e vasos preservados. Presença de reflexo em “tesoura” evidenciando astigmatismo irregular

A partir dos sinais clínicos e do exame oftalmológico o paciente recebeu o diagnóstico de Olho Seco.

Questões para orientar a discussão         

1.  Qual a faixa etária mais comum para o surgimento da doença

2.  A paciente não apresenta hereditariedade quanto a doenças oftalmológicas o que estranho, visto que é um fator predeterminante para o desenvolvimento desse acometimento. Verdadeiro ou falso?

3.  O ceratocone evolui de maneira progressiva e indeterminada? Fatores externos podem influenciar no desenvolvimento dessa doença?

4. O que são estrias de Vogt .

5. Qual o tratamento mais indicado para essa paciente quanto ao ceratocone? Cirurgia é indicado?

Respostas

1.  Adolescência e adultos jovens (10 – 30 anos)

2.  O papel da hereditariedade não tem sido claramente definido e muitos pacientes não têm uma história familiar positiva. A descendência parece ser afetada em aproximadamente 10% dos casos e uma transmissão autossômica dominante com penetração incompleta tem sido proposta

3. Não, A doença tende a progredir nos próximos 5-10 anos, estabilizando-se em seguida. Um dos maiores fatores etiológicos é a frequente fricção contínua dos olhos (ato de coçar os olhos) promovendo traumas repetitivos resultando em alterações expressivas na córnea, existe também uma relação bem definida entre atopia e ceratocone o que está relacionado no caso

4. São estrias finas verticais na profundidade do estroma corneano.

5.  Pode-se passar para a paciente o uso de lentes de contato rígidas para promover o aplainamento corneano e permitir uma visão satisfatória. Não, tradicionalmente, a cirurgia é indicada para postergar ou até mesmo evitar o transplante de córnea em casos em que a reabilitação visual não é possível com métodos tradicionais (óculos e lentes de contato)

Autores, revisores e orientadores:

    null
  • Área: Oftalmologia
  • Autores: Ariosto Afonso e Daniel Sena
  • Revisor: 
  • Orientadora: Anamaria  
  • Liga: Liga Acadêmica de Oftalmologia Clínica e Cirúrgica da Universidade Católica de Pernambuco (LAOCC-UNICAP)
Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.