Gastroenterologia

Critérios de Ranson: entenda sua utilidade | Colunistas

Critérios de Ranson: entenda sua utilidade | Colunistas

Compartilhar

Gabriel Pereira Ávila

6 minhá 45 dias

Os critérios de Ranson foi o primeiro escore a ser utilizado em larga escala para estratificar a gravidade de uma pancreatite aguda, e sua utilização é de grande valor para avaliar o prognóstico do paciente acometido por essa patologia. Neste artigo, serão destacados os principais critérios analisados e o momento certo de utilizar esse escore.

Relembrando a pancreatite aguda

A pancreatite aguda é caracterizada pelo estado inflamatório do órgão, decorrente da ativação anormal das enzimas pancreáticas. É a doença pancreática mais comum, tanto na população pediátrica quando adulta. Ainda, em sua maioria, tem como etiologias mais comuns litíase biliar e alcoolismo.

Em relação às apresentações clínico-patológicas, de acordo com a classificação de Atlanta, existem dois tipos:

      – Intersticial: forma mais leve, edema, aumento difuso do pâncreas e processo inflamatório autolimitado;

      –  Necrosante: forma mais grave, necrose pancreática, comprometimento vascular e, ainda, pode-se desenvolver síndrome da resposta inflamatória sistêmica e/ou insuficiência orgânica.

Para o diagnóstico da pancreatite aguda, precisam haver 2 dos 3 critérios a seguir: presença de dor abdominal consistente com o quadro de pancreatite, lipase ou amilase sérica pelo menos 3x o limite normal e achados radiológicos, principalmente na tomografia computadorizada com contraste que é o padrão-ouro para essa doença.

Aplicabilidade

Esta patologia é uma condição médica que precisa de uma abordagem rápida e eficaz. De acordo com a epidemiologia, no Brasil, sua incidência é de 19 casos/100.000 habitantes e, em sua forma mais grave, as taxas de morbimortalidade chegam a cerca de 30%. Logo, é de extrema importância a utilização de critérios prognósticos para o acompanhamento do quadro clínico.

Quanto ao momento da sua realização, os Critérios de Ranson devem ser aplicados no momento da admissão no paciente e após 48 horas. Deve-se atentar para a diferenciação dos critérios, a depender da causa, na pancreatite biliar e nas outras causas (álcool, medicamentos, etc.).

Critérios a serem avaliados

Na tabela a seguir, observa-se a utilização dependendo do fator causal da pancreatite e os momentos de aplicabilidade. Serão avaliados 11 parâmetros, sendo que 5 são analisados no momento da admissão e os outros 6 às 48h. Se houver a presença de 3 ou mais critérios, o paciente já pode ser classificado com uma pancreatite aguda grave. Esse escore possui uma sensibilidade em torno de 85% e sua especificidade em torno 75%.

Critérios de Ranson. Fonte: SOUZA, Gleim Dias de et al. ENTENDENDO O CONSENSO INTERNACIONAL PARA AS PANCREATITES AGUDAS: CLASSIFICAÇÃO DE ATLANTA 2012. (2016)

Análise dos critérios

Idade: quanto mais avançada, mais o indivíduo se torna suscetível às complicações graves.

– GB (glóbulos brancos): se houver leucocitose, pode indicar infecção concomitante à inflamação.

– LDH (desidrogenase láctica): se elevada, indica dano tecidual, porém de forma inespecífica.

– AST (aspartato aminotransferase): se elevado, indica lesão orgânica, principalmente hepática.

– Glicemia: se elevada, pode indicar um processo inicial de insuficiência pancreática.

– Queda do hematócrito: após 48h, pois irá avaliar o valor real, já que na admissão pode estar “mascarado”.

– Aumento de BUN (ureia nitrogenada no sangue): indica um processo de dano renal.

– Cálcio sérico: se diminuído, indica intenso processo de necrose gordurosa no pâncreas.

– pO2 arterial: se diminuída, indica um estado de hipoxemia.

– Déficit de base: indicativo de um processo de acidose.

– Perda de fluidos: perda de líquido para o 3º espaço pelo aumento da permeabilidade capilar.

Existe ainda outra correlação entre a quantidade de critérios presentes e a taxa de mortalidade:

– 0 a 2 critérios: 2%;

– 3 a 4 critérios: 15%;

– 5 a 6 critérios: 40%;

– Acima de 7 critérios: > 90%.

Analisando essa relação, pode-se perceber que somente um critério a mais pode levar a um aumento significativo na taxa de mortalidade.

Conclusão

Dessa forma, observa-se que a pancreatite aguda é uma condição para a qual deve haver uma assistência individual e eficaz, levando em consideração as possíveis complicações e a elevada taxa de morbimortalidade, dependendo da gravidade do quadro. Com isso, os critérios de Ranson e outros escores de avaliação prognóstica, em conjunto com uma abordagem diagnóstica completa, mostra-se como um método eficaz e aplicável a fim de avaliar a evolução do quadro clínico do paciente para formas mais graves dessa patologia.

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

  1. DUARTE, Amanda Santos et al. FISIOPATOLOGIA E TRATAMENTO DA PANCREATITE AGUDA: REVISÃO DE LITERATURA. Para Res Med J. 2019;3(1):e06. Disponível em: https://www.prmjournal.org/article/10.4322/prmj.2019.006/pdf/prmjournal-3-1-e06.pdf . Acesso em: 15 Dez 2020
  2. FERREIRA, Alexandre de Figueiredo et al. FATORES PREDITIVOS DE GRAVIDADE DA PANCREATITE AGUDA: QUAIS E QUANDO UTILIZAR?. ABCD, arq. bras. cir. dig.,  São Paulo ,  v. 28, n. 3, p. 207-211,  Set.  2015 .   Disponível em:  http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202015000300207&lng=es&nrm=iso . Acesso em: 4 Dez 2020
Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.