Colunistas

Dreno Pigtail | Colunistas

Dreno Pigtail | Colunistas

Compartilhar

BMS

7 minhá 16 dias

O que é um dreno?

Antes de conceituar o que é um dreno pigtail, precisamos estabelecer alguns conceitos que inicialmente podem parecer confusos. Quando dizemos que um determinado instrumental cirúrgico é uma sonda, um dreno ou um cateter, você sabe exatamente o que isso significa? Vamos lá.

  • Uma sonda é um instrumento que introduzimos através de um orifício natural, podendo ser maleável ou rígida. Ela terá a função de extração ou inserção de um determinado conteúdo. Por exemplo, a sonda vesical tem a finalidade de extrair a urina em casos de retenção ou incapacidade de urinar espontaneamente, sendo introduzida através da uretra. A sonda nasoenteral, por outro lado, é introduzida a partir da cavidade nasal até a porção proximal do intestino, e tem como uma de suas funções suprir uma via alimentar alternativa para pacientes que não podem se alimentar por via oral.
Figuras 1 e 2 – Sonda vesical (acima) e sonda nasoenteral (abaixo).
  • Cateteres são tubos que podem tanto ter a função de retirada quanto de infusão de fluidos (soro, sangue, medicamentos), e também podem ser usados em hemodiálise e quimioterapia. Para isso, eles são introduzidos em vasos sanguíneos ou dutos, de forma geral.
  • Drenos são tubos com a finalidade de drenagem de fluidos, sendo conectados, em sua maioria, de uma cavidade para um sistema de coleta localizado exteriormente. Podem ter finalidade terapêutica, como iremos abordar a seguir, ou de monitorização de possíveis complicações do pós-operatório, como infecções e sangramentos.

O que é o dreno pigtail?

Veja só, agora que conceituamos esses termos, podemos falar propriamente do pigtail. Aqui, iremos abordá-lo como um dreno, com as características que citamos anteriormente. No entanto, não é incomum encontrar na literatura referências como o “cateter pigtail”, isso porque este tubo também pode ser inserido em dutos ou vasos, como na angiografia coronária, quando o inserimos através de um caso para infundir contraste e avaliar se há alguma obstrução ou oclusão ao fluxo das artérias coronárias no coração.

Mas vamos ao que interessa: o que é então o dreno pigtail?

O pigtail é um tubo fino, com um orifício final e outros orifícios paralelos, que tem este nome devido à sua terminação, que se assemelha a um rabo de porco (pigtail, do inglês). Sua aplicabilidade clínica principal é a drenagem de tórax, que será discutida na próxima sessão.

Figura 3 – representação ilustrada de um pigtail.
Figura 4 – foto de um pigtail.

Aplicação Clínica: Drenagem de tórax

Vamos propor um caso clínico: criança de 5 anos, previamente hígida, é trazida pela mãe ao pronto-socorro com história de febre aferida de 39°C, tosse produtiva, cansaço e dor no corpo há 5 dias. Chegou a buscar outro pronto atendimento 2 dias atrás, onde foram prescritos somente remédios sintomáticos para dor e febre. A mãe está preocupada, dizendo que o cansaço do seu filho está piorando e que desde ontem ele está mais ofegante.

Ao examinar esse paciente, você percebe uma discreta redução da expansão do tórax ao lado direito. A percussão da porção inferior do lado direito do tórax também parece mais maciça, diferentemente das outras regiões em que o som é característico de ar (som claro pulmonar). Ao auscultar o paciente, você percebe que os murmúrios vesiculares (sons fisiológicos da respiração) também estão mais abafados nessa região (como se algum anteparo mais sólido dificultasse a transmissão desse som) e que no restante do hemitórax direito há estertores crepitantes, ruídos que indicam a presença de secreção nas vias aéreas de menor calibre (bronquíolos, por exemplo).

 Você opta por realizar uma ultrassonografia breve no leito, e na região é constatada a presença de uma coleção líquida entre as pleuras (tecidos que recobrem a superfície do tórax e dos pulmões), com uma coluna (distância entre as pleuras) de 25mm. Ou seja,  devido à presença de líquido, as pleuras, que normalmente ficam em contato, se encontram afastadas por uma coluna do que chamamos de derrame pleural. Nesse caso, é optado por realizar uma drenagem pleural.

            A drenagem pleural é um procedimento que consiste na retirada de líquido (pus, sangue) ou ar da cavidade pleural através da criação de um canal de comunicação entre ela e o meio externo (através de um dreno, como mencionamos anteriormente). Para realizar a drenagem pleural, são necessários:

  • Materiais para limpeza do local
  • Materiais para paramentação do profissional
  • Anestésico local
  • Agulhas, gaze estéril, seringas, micropore
  • Bisturi
  • Tubo de drenagem ou kit com dreno pigtail
  • Sistema de drenagem

O dreno de pigtail apresenta menor calibre quando comparado ao tubo de drenagem, e, por isso, seu uso é mais indicado para drenagem de ar (em casos de pneumotórax), tendo em vista que haveria maior risco de obstrução se houvesse drenagem de líquidos.

Figura 5 – Drenagem de tórax.

Drenagem com pigtail pela técnica de Seldinger

Para realizar a drenagem efetiva do tórax, devemos seguir passos específicos. Existe mais de uma técnica para se realizar esse procedimento, nesse caso iremos ilustrar a técnica de Seldinger utilizando o dreno pigtail.

  1. Explicação da técnica ao paciente e verificação de consentimento.
  2. Posicionar para punção: paciente em decúbito dorsal, com um dos braços atrás da cabeça.
  3. Local da punção: quinto espaço intercostal (região entre a quinta e a sexta costela), na borda superior da sexta costela, para evitar lesão de vasos e nervos.
  4. Com material de acesso venoso central, puncionar com a agulha, enquanto aspira com a seringa acoplada, o local da drenagem, de modo que aparecerá o conteúdo do derrame pleural.
  5. Retirar a seringa.
  6. Introduzir um fio guia por dentro da agulha.
  7. Retirar a agulha e manter o fio guia na cavidade pleural.
  8. Delimitar uma incisão maior com auxílio do bisturi para passagem do tubo dilatador.
  9. Inserção do pigtail pela incisão e com auxílio do fio guia.
  10. Fixação do dreno e introdução no sistema de drenagem.

Após o procedimento, é realizada uma radiografia para checagem do posicionamento certo do dreno. Finalmente, no momento em que for julgado adequado com base nos sintomas e parâmetros clínicos e laboratoriais do paciente, o dreno pode ser removido.

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.