Colunistas

Entendendo o teste do reflexo vermelho | Colunistas

Entendendo o teste do reflexo vermelho | Colunistas

Compartilhar

Liliane Coelho

7 minhá 52 dias

Também conhecido como teste do olhinho, o teste do reflexo vermelho (TRV) é um exame de rastreamento que permite identificar algumas anormalidades que alteram a transparência dos meios oculares. Dessa forma, o teste alterado indica investigação adicional para correta identificação da causa envolvida.

            É um teste rápido, indolor, de baixo custo, que envolve uma técnica simples, com uma boa relação custo-benefício. Além disso, não é invasivo. O TRV é indicado pelo Ministério da Saúde, de acordo com as Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância, para todas as crianças. Esse exame pode estar alterado nas principais causas de cegueira na infância (catarata infantil, retinocoroidite por toxoplasmose, glaucoma congênito e retinopatia da prematuridade). Quando essas doenças são identificadas e tratadas precocemente, é possível prevenir a morbidade e o prejuízo no desenvolvimento e na qualidade de vida das crianças.

            Durante a leitura do texto, você poderá identificar quais doenças podem ser diagnosticadas a partir de um TRV alterado, entender a técnica de realização do exame e saber quando é preconizada sua realização. Além disso, será discutida também a conduta do profissional diante dos possíveis resultados do exame.

Quais as doenças que podem ser identificadas a partir da alteração do teste do reflexo vermelho?

            O TRV encontra-se alterado nas desordens que causam opacidade dos meios oculares. Sendo assim, as principais doenças que podem ser diagnosticadas durante a investigação de um TRV alterado incluem:

  • Catarata: altera a transparência do cristalino;
  • Glaucoma: altera a transparência da córnea;
  • Toxoplasmose e outras doenças inflamatórias: alteram a transparência do vítreo;
  • Retinoblastoma: altera a transparência da retina.

O descolamento de retina também pode ser identificado. Porém, para que isso aconteça, o descolamento de retina geralmente está em uma fase mais tardia (estágio 5), o que pode inviabilizar a tomada de condutas que evitem sequelas oculares importantes.

            Outras doenças podem causar assimetria do reflexo vermelho entre os olhos, tais como estrabismo, luxação de cristalino, anisometropia e malformações oculares.

Como você deve realizar o teste do reflexo vermelho?

            O TRV é feito com o auxílio de um oftalmoscópio, em uma sala escurecida. Não há necessidade de uso de colírios para dilatação pupilar. O examinador deve segurar o aparelho a cerca de 30 cm do olho aberto da criança, alinhando a fonte de luz com a abertura pupilar do paciente.  A lente do oftalmoscópio precisa estar ajustada no zero, e luz é incidida sobre a pupila da criança.

Figura 1 – Realização do teste do olhinho.
Fonte: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/__20958d-DC_No1_set_2018-_Teste_do_reflexo_vermelho.pdf

Ao atravessar os meios oculares transparentes, a luz é refletida na retina, possibilitando que o examinador verifique a presença de um reflexo vermelho brilhante na pupila do paciente. Essa coloração é decorrente da presença de vasos sanguíneos na retina e coroide, além do epitélio pigmentário. Pode ocorrer uma variação da coloração do reflexo, que não indica alteração caso o reflexo observado seja alaranjado ou amarelado. Deve-se realizar o reflexo em ambos os olhos, separadamente. É feita a comparação do reflexo nos dois olhos, quanto a simetria e intensidade.

Figura 2 – Reflexo vermelho presente e simétrico em ambos os olhos, indicando um TRV normal.
Fonte: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/__20958d-DC_No1_set_2018-_Teste_do_reflexo_vermelho.pdf

O que você deve fazer diante de um teste do reflexo vermelho alterado?

            Ao verificar alteração do TRV (reflexo ausente, alterado ou assimétrico), você deve encaminhar a criança para avaliação com oftalmologista, em caráter de urgência. A avaliação especializada permitirá a correta identificação da doença subjacente assim como seu tratamento.

Em quais momentos você deve realizar o teste do reflexo vermelho?

            Todos os recém-nascidos, antes da alta hospitalar da maternidade, devem ser submetidos ao teste do reflexo vermelho. Durante o acompanhamento médico da criança, o exame deverá ser repetido no mínimo duas a três vezes, a cada ano, até que a criança complete três anos de idade.

            Dada a importância do teste do reflexo vermelho como teste de triagem, é imprescindível a sua realização. Ainda que alguns estados brasileiros não tenham legislação específica no tocante a protocolos de realização do teste do olhinho, o Sistema Único de Saúde garante o TRV, e a Agência Nacional de Saúde Suplementar inclui o teste dentre os procedimentos a serem oferecidos pelos planos de saúde.

            Portanto, no período neonatal e durante as consultas de acompanhamento do lactente e do pré-escolar, você pode realizar o TRV e garantir que a criança tenha oportunidade de diagnóstico precoce das principais causas de cegueira infantil.

            É importante destacar que a realização do teste do olhinho não exclui a necessidade de avaliação oftalmológica completa de rotina. O resultado normal no teste do reflexo vermelho não afasta a ocorrência de retinoblastoma em fase inicial ou mesmo de catarata parcial, que podem ser identificados durante a avaliação por especialista. A Sociedade Brasileira de Pediatria preconiza a realização de exame oftalmológico no primeiro ano de vida, preferencialmente até os seis meses de idade.

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

1. Parecer técnico sobre a triagem oftalmológica de recém-nascidos. Sociedade Brasileira de Pediatria e Sociedade Brasileira de Oftalmologia Pediátrica. 2019. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/SBOP-SBO-Olho_Vermelho__002_.pdf

2. Tratado de pediatria: Sociedade Brasileira de Pediatria. 4. ed.  Barueri : Manole, 2017.

3. Teste do reflexo vermelho (Documento Científico). Grupo de Trabalho em Oftalmologia Pediátrica – Sociedade Brasileira de pediatria. 2018. Disponível em: https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/__20958d-DC_No1_set_2018-_Teste_do_reflexo_vermelho.pdf

4. Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais. Ministério da Saúde, 2016.

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.