Finanças para Médicos

Finanças para médicos: aprenda como organizar as contas do consultório

Finanças para médicos: aprenda como organizar as contas do consultório

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar UP

A gestão financeira é um verdadeiro desafio, principalmente para os profissionais de medicina. Afinal, eles ficam várias horas do dia dedicados em atendimentos de consultório e plantões. Isso sem falar que finanças para médicos, na maioria das vezes, nem é um assunto citado na faculdade.

Finanças para médicos: como organizar as contas do consultório?

Quer ter seu próprio negócio? Para investir em um consultório técnico lembre-se que você precisa dominar os conhecimentos técnicos da área, ter foco em oferecer um atendimento de qualidade e entender todos as frentes do negócio, inclusive a parte contábil.

A contratação de um serviço de contabilidade é sem dúvidas a melhor saída para lidar com toda a burocracia envolvida. E se você não conhece ainda vale a pena conferior os pacotes oferecidos pelo Sanar UP Contábil.

A contratação deste serviço será fundamental para:

  • cuidar as contas
  • saber com clareza o quanto se gasta no negócio
  • identificar se existe lucro ou se há prejuízo
  • manter o pagamento dos impostos em dias
  • evitar a necessidade de pagamento de juros e multas e muito mais.

Dicas práticas de finanças para médicos

Contratando um serviço de contabilidade logo de cara ou não, vale conferir as dicas práticas de finanças para manter as contas em dia que separamos. Confira:

1- Separe as despesas pessoais das profissionais

Um dos principais erros de quem investe no próprio negócio é não separar as contas de pessoa física e jurídica.

É preciso que o médico tenha previsibilidade do quanto irá receber, de todos os gastos do consultório e mantenha isso separado das suas contas pessoais.

Não sabe como fazer isso? Presta atenção nessa dica.

  • Crie uma conta bancária com o CNPJ do consultório;
  • Tenha mapeado todos os gastos do consultórios;
  • Estabeleça um pró-labore (valor mensal) que vai retirar mensalmente do caixa da empresa para você.

2- Cuidado com o fluxo de caixa

É preciso ter registrado tudo que foi recebido e o que é pago pelo caixa da empresa durante determinados períodos de tempo. Isso vale para qualquer quantia, até mesmo a caneta de R$ 1 real que você comprar para o consultório.

Os registros das movimentações financeiras ajudam a entender quais são as principais fontes de renda, o que mais gera receita, o que mais traz prejuízo. E a partir disso tomar decisões mais assertivas com foco no que gera mais retorno.

Além disso, os registros garantem que vai fluir da melhor forma a relação entre os recursos disponíveis em caixa e a soma das despesas que devem ser pagas.

3- Entenda muito bem seus custos

Para qualquer negócio, o entendimento correto dos custos fixos e variáveis é fundamental. Vale pontuar que:

Custos fixos: aqueles que estão menos sujeito a variações devido a aumentos ou reduções na produção ou volume de vendas. Eles se “repetem” ao longo dos meses. Exemplo: aluguel do consultório e salário da equipe.

Custos variáveis: aqueles que oscilam de acordo com as atividades no dia a dia do negócio. No caso de consultórios, mudam conforme o número de pacientes e procedimentos feitos no mês. Exemplo: materiais descartáveis e medicamentos.

O entendimento desses custos vai te ajudar a se planejar melhor nos gastos. No caso dos variáveis será possível supor uma quantidade média e fazer acordos visando desconto com fornecedores.

4- A documentação é tudo

Tenha um banco de dados para acompanhar tudo que acontece no quesito finanças do seu consultório. Isso significa tenha registrado o faturamento, número de consultas marcadas, porcentagem de pacientes novos e recorrentes em determinado período, pagamentos realizados. Com certeza, ter esses dados no lugar certo será útil em momentos de planejamento ou mudança de rota no negócio.

Você não precisa registrar tudo isso manualment. Existem vários software no mercado com essa finalidade.

5- Lembre-se que imprevistos acontecem

Tenha um dinheiro guardado para emergências no seu negócio, a famosa reserva financeira. Você pode depositar uma quantia mensal em uma conta poupança ou mesmo optar por um investimento simples de curto e/ou médio prazo.

6- Conhecimento nunca é demais

Busque sempre ampliar seus conhecimentos sobre finanças. Converse com profissionais da área, leia artigos, livros e até consuma videoaulas e podcasts sobre finanças.

Conteúdos relacionados