Ortopedia

Fratura no olecrano: como diagnosticar e qual o tratamento

Fratura no olecrano: como diagnosticar e qual o tratamento

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar

Uma fratura do olecrano é uma fratura na ponta óssea do cotovelo. Este segmento pontudo de osso faz parte da ulna, um dos três ossos que se unem para formar a articulação do cotovelo.

O olecrano é posicionado diretamente sob a pele do cotovelo, sem muita proteção dos músculos ou outros tecidos moles. Ele pode quebrar facilmente se sofrer um golpe direto no cotovelo ou cair na ponta do cotovelo. Uma fratura pode ser muito dolorosa e dificultar ou impossibilitar o movimento do cotovelo.

O tratamento para uma fratura do olecrano depende da gravidade da lesão. Algumas fraturas simples podem ser tratadas usando uma tala até que o osso se cure. Na maioria das fraturas do olecrano, no entanto, os pedaços de osso se movem para fora do lugar quando a lesão ocorre. Para essas fraturas, a cirurgia é necessária para restaurar a anatomia normal do cotovelo e o movimento da articulação.

Anatomia

O cotovelo é uma articulação composta por três ossos:

  • O úmero (osso do braço)
  • O rádio (osso do antebraço no lado do polegar)
  • A ulna (osso do antebraço no lado mindinho.

A articulação do cotovelo se dobra e se endireita como uma dobradiça. Também é importante para a rotação do antebraço; ou seja, a capacidade de virar a palma da mão para cima (como aceitar troco de um caixa) ou para baixo (como digitar ou tocar piano).

O cotovelo consiste em porções de todos os três ossos:

  • O úmero distal é a extremidade inferior do úmero. Forma a parte superior do cotovelo e é o carretel em torno do qual o antebraço se dobra e se endireita.
  • A cabeça radial é a extremidade nodosa do raio onde se encontra com o cotovelo. Ele desliza para cima e para baixo na frente do úmero distal quando dobra o braço e gira em torno da ulna quando vira o pulso para cima ou para baixo.
  • O olecrano é a parte da ulna que cobre a extremidade inferior do úmero, criando uma dobradiça para o movimento do cotovelo. O ponto ósseo do olecrano pode ser facilmente sentido sob a pele porque é coberto por apenas uma fina camada de tecido

O cotovelo é mantido unido por sua arquitetura óssea, bem como ligamentos, tendões e músculos. Três nervos principais cruzam a articulação do cotovelo.

Olecrano: vetores de stock, imagens vetoriais, desenhos gráficos |  Depositphotos

Descrição

As fraturas do olecrano são bastante comuns. Embora geralmente ocorram por conta própria, sem outras lesões, também podem fazer parte de uma lesão mais complexa no cotovelo.

Em uma fratura do olecrano, o osso pode rachar levemente ou quebrar em muitos pedaços. Os pedaços quebrados de osso podem ficar alinhados ou podem estar fora do lugar (fratura deslocada).

Em alguns casos, o osso quebra de tal forma que fragmentos ósseos se projetam através da pele ou uma ferida penetra até o osso. Isso é chamado de fratura exposta. As fraturas expostas são particularmente graves porque, uma vez que a pele é rompida, é mais provável que ocorra infecção tanto na ferida quanto no osso. O tratamento imediato é necessário para prevenir a infecção.

Causas

As fraturas do olecrano são mais frequentemente causadas por:

  • Caindo diretamente no cotovelo
  • Receber um golpe direto no cotovelo de algo duro, como um taco de beisebol ou um painel ou porta de carro durante uma colisão de veículo.
  • Cair com o braço estendido com o cotovelo bem apertado para se proteger da queda. Nesta situação, o músculo tríceps, que se liga ao olecrano, pode puxar um pedaço do osso da ulna. Lesões nos ligamentos ao redor do cotovelo também podem ocorrer com esse tipo de lesão.

Sintomas

Uma fratura do olecrano geralmente causa dor súbita e intensa e pode impedir que o paciente mova o cotovelo. Outros sinais e sintomas de uma fratura podem incluir:

  • Inchaço na ponta ou na parte de trás do cotovelo.
  • Contusão ao redor do cotovelo. Às vezes, esse hematoma sobe pelo braço em direção ao ombro ou desce pelo antebraço em direção ao pulso.
  • Ternura ao toque.
  • Dormência em um ou mais dedos.
  • Dor com movimento do cotovelo ou com rotação do antebraço.
  • Uma sensação de instabilidade na articulação, como se o cotovelo fosse sair.

Diagnóstico

Exame físico

O médico deverá conversar com sobre o histórico médico e saúde geral e perguntar sobre os sintomas. Depois, deve-se então examinar o cotovelo para determinar a extensão da lesão. Durante o exame, deverá ser feito:

  • Verificar sua pele quanto a cortes, inchaço, bolhas e hematomas. Em fraturas graves, fragmentos ósseos podem romper a pele, aumentando o risco de infecção.
  • Palpar ao redor do cotovelo para determinar se existem outras áreas de sensibilidade. Isso pode indicar outros ossos quebrados ou lesões, como um cotovelo deslocado.
  • Verificar o pulso no pulso para garantir que haja um bom fluxo sanguíneo para a mão e os dedos.
  • Verificar se consegue mover os dedos e o pulso e sentir as coisas com os dedos.

Embora o paciente possa sentir dor apenas no cotovelo, também deverá examinar o ombro, braço, antebraço, pulso e mão para garantir que não tenha outras lesões.

Raios X

Os raios X fornecem imagens de estruturas densas, como ossos. Solicita-se radiografias de seu cotovelo para ajudar no diagnóstico de sua fratura. Dependendo dos sintomas, também pode solicitar radiografias do braço, antebraço, ombro, pulso e/ou mão para determinar se tem outras lesões.

X-ray of displaced olecranon fracture

Tratamento

Na sala de emergência, aplica-se uma tala no cotovelo e tipoia. O tratamento imediato também pode incluir:

  • Aplicação de gelo para reduzir a dor e o inchaço
  • Medicamentos para aliviar a dor

Muitas fraturas do olecrano exigirão cirurgia.

Tratamento não cirúrgico

Se os pedaços de osso não estiverem fora do lugar (deslocados), uma fratura às vezes pode ser tratada com uma tala para manter o cotovelo no lugar durante a cicatrização. Durante o processo de cicatrização, será feito radiografias frequentes para garantir que o osso não tenha saído do lugar.

Normalmente se usará uma tala por 6 semanas antes de iniciar o movimento suave. Se a fratura mudar de posição durante esse período, o paciente pode precisar de cirurgia para juntar os ossos novamente.

Photo of patient wearing a splint for an olecranon fracture

Tratamento cirúrgico

A cirurgia geralmente é necessária para fraturas do olecrano nas quais se tenha:

  • Fratura deslocada;
  • Fratura exposta.

A cirurgia para fraturas do olecrano geralmente envolve colocar os pedaços quebrados de osso de volta na posição e impedir que eles se movam para fora do lugar até que sejam curados.

Devido ao risco aumentado de infecção, as fraturas expostas são programadas para cirurgia o mais rápido possível, geralmente dentro de horas após o diagnóstico. Os pacientes recebem antibióticos intravenoso na sala de emergência e podem receber uma vacina contra o tétano. Durante a cirurgia, os cortes da lesão e as superfícies do osso quebrado são completamente limpas. O osso normalmente será reparado durante a mesma cirurgia.

Procedimentos cirúrgicos

Redução aberta e fixação interna. Este é o procedimento mais utilizado para tratar fraturas do olecrano. Durante o procedimento, os fragmentos ósseos são primeiro reposicionados (reduzidos) em seu alinhamento normal. Os pedaços de osso são então mantidos no lugar com parafusos, fios, pinos ou placas de metal presas à parte externa do osso.

Olecranon fracture held together with a tension band
Uma fratura do olecrano pode ser mantida em conjunto com pinos e fios. Isso é chamado de banda de tensão.
Internal fixation of olecranon fractures
(Esquerda) Um único parafuso, colocado no centro do osso, pode ser usado para manter os ossos fraturados juntos.
(Direita) Placa(s) e parafusos podem ser usados ​​para manter os ossos quebrados no lugar.

Enxerto ósseo. Se algum osso foi perdido através da ferida ou é esmagado, a fratura pode exigir enxerto ósseo para preencher as lacunas. O enxerto ósseo pode ser retirado de um doador (aloenxerto) ou de outro osso do seu próprio corpo (autoenxerto). Em alguns casos, um material artificial pode ser usado em vez de enxerto ósseo.

Complicações da Cirurgia

Existem riscos associados a qualquer cirurgia. As complicações potenciais incluem:

  • Rigidez do cotovelo. Um dos problemas mais comuns que os pacientes enfrentam após qualquer fratura ao redor do cotovelo é a rigidez. É muito importante iniciar a fisioterapia conforme indicado para evitar a rigidez do cotovelo. Na maioria dos casos, o
  • Infecção. Existe o risco de infecção com qualquer cirurgia. O seu médico tomará medidas específicas para ajudar a prevenir a infecção.
  • Irritação. Uma pequena porcentagem de pacientes pode sentir irritação com os implantes metálicos usados ​​para reparar a fratura.
  • Danos aos nervos e vasos sanguíneos. Há um risco menor de danos aos nervos e vasos sanguíneos ao redor do cotovelo. Este é um efeito colateral incomum.
  • Não união. Às vezes, uma fratura não cicatriza. A fratura pode se separar e os parafusos, placas ou fios podem se deslocar ou quebrar. Isso pode ocorrer por vários motivos, incluindo:
    • O paciente não segue as orientações após a cirurgia.
    • O paciente tem um problema de saúde, como diabetes, que retarda a cicatrização. Fumar ou usar outros produtos de tabaco também retarda a cicatrização. Saiba mais: Tabagismo e Cirurgia
    • Se a fratura foi associada a um corte na pele (fratura exposta), a cicatrização geralmente é mais lenta.
    • As infecções também podem retardar ou impedir a cura.
    • Se a fratura não cicatrizar, você pode precisar de mais cirurgia.

Recuperação

Gerenciamento da dor

A maioria das fraturas doem moderadamente por alguns dias a algumas semanas. Muitos pacientes acham que o uso de gelo, elevação (mantendo o braço acima do coração) e analgésicos simples são suficientes para aliviar a dor.

Se a dor for intensa, pode-se sugerir um medicamento mais forte, como um opioide, por alguns dias.

Esteja ciente de que, embora os opioides ajudem a aliviar a dor após a cirurgia, a dependência e a overdose de opioides se tornaram problemas críticos de saúde pública. Por esse motivo, os opioides são normalmente prescritos por um curto período de tempo.

Reabilitação

Quer o tratamento seja cirúrgico ou não cirúrgico, a recuperação total de uma fratura do olecrano requer um bom esforço de reabilitação.

Recuperação após tratamento não cirúrgico

Como o tratamento não cirúrgico às vezes pode exigir longos períodos de imobilização ou gesso, seu cotovelo pode ficar muito rígido. Por esse motivo, pode-se precisar de um período mais longo de fisioterapia para recuperar o movimento.

Durante a reabilitação, o fisioterapeuta fornecerá exercícios para ajudar:

  • Melhorar a amplitude de movimento
  • Diminuir a rigidez
  • Fortaleça os músculos dentro do cotovelo

O paciente não poderá levantar, empurrar ou puxar qualquer coisa com o braço lesionado por algumas semanas.

Recuperação após o tratamento cirúrgico

Dependendo da complexidade da fratura e da estabilidade do reparo, o cotovelo pode ser imobilizado ou engessado por um curto período de tempo após a cirurgia.

Fisioterapia. Os pacientes geralmente começam os exercícios para melhorar o movimento do cotovelo e do antebraço logo após a cirurgia, às vezes já no dia seguinte. É extremamente importante realizar os exercícios com a frequência indicada. Os exercícios só farão diferença se forem feitos regularmente.

Restrições. Não poderá levantar objetos pesados ​​com o braço lesionado por pelo menos 6 semanas. O paciente também será impedido de empurrar e puxar atividades, como abrir portas ou empurrar enquanto se levanta de uma cadeira. O paciente pode usar o braço para tomar banho, se vestir e se alimentar.

Complicações

Mesmo com o tratamento bem-sucedido, alguns pacientes com fraturas do olecrano podem apresentar complicações a longo prazo.

Perda de movimento

Em alguns casos, um paciente pode não conseguir recuperar o movimento total no cotovelo afetado. Na maioria desses casos, o paciente não consegue estender ou endireitar totalmente o braço. Felizmente, a perda de alguns graus de endireitamento geralmente não afeta a função geral do braço. Pacientes que têm perda significativa de movimento podem precisar de fisioterapia intensiva, órtese especial ou cirurgia adicional. Isso é incomum para fraturas do olécrano.

Artrite pós-traumática

A artrite pós-traumática é um tipo de artrite que se desenvolve em uma articulação após uma lesão. Mesmo quando os ossos se curam normalmente, a cartilagem que reveste as superfícies articulares pode ser danificada, causando dor e rigidez ao longo do tempo.

A artrite pós-traumática é uma complicação relativamente comum das fraturas do olecrano. Pode ocorrer logo após a ocorrência da fratura ou pode levar anos para se desenvolver. Alguns pacientes com artrite pós-traumática podem precisar de cirurgia adicional para aliviar seus sintomas. No entanto, para muitos pacientes, há pouca dor e não há necessidade de tratamento adicional.

Desfechos

A maioria dos pacientes pode retornar às suas atividades normais em cerca de 4 meses, embora a cura completa possa levar mais de um ano. Recuperar a força do braço geralmente leva mais tempo do que o esperado.

Embora as radiografias possam mostrar que a fratura cicatrizou completamente, alguns pacientes relatam que ainda têm limitações de movimento. Esses pacientes geralmente continuarão a melhorar ao longo do tempo.

Sugestão de leitura complementar

Referências

1. Beaty, J.: Fractures and dislocations about the elbow in children. Instr Course Lect 41: 373-384, 1992.

2. Beddow, F.H. & Cokery, P.H.: Lateral dislocation of the radio-humeral joint with greenstick fracture of the upper end of ulna. J Bone Joint Surg [Br] 42: 782-784, 1960.

3. Blount, W.P.: Fractures in children. AAOS Instr Course Lect 7: 194-203, 1950.

4. Dormans, J. & Rang, M.: Fractures of the olecranon and radial neck in children. Orthop Clin North Am 15: 197-204, 1990.

5. Gaddy, B.C., Strecker, W.B. & Schoenecker, P.L.: Surgical treatment of displaced olecranon fractures in children. J Pediatr Orthop 17: 321- 324, 1997.

6. Granthan, A.S. & Kiernan, H.A.: Displaced olecranon fractures in chil- dren. J Trauma 15: 197-204, 1975.

7. Graves, S. & Canale, T.: Fractures of the olecranon in children: long term follow-up. J Pediatr Orthop 13: 239-241, 1993.

8. MacLennan: Common fractures about the elbow in children. Surg Gy- necol Obstet 64: 447-453, 1937.

Veja também: