Nefrologia

Nefrologia nas provas de Residência: o que mais cai

Nefrologia nas provas de Residência: o que mais cai

Compartilhar

Sanar Residência Médica

9 minhá 788 dias

É muito comum ter a impressão de que não haverá tempo suficiente para estudar e revisar todos os conteúdos antes da prova de Residência.

Por isso é muito importante direcionar os estudos, usando o tempo da melhor forma possível.

Mas como você vai saber quais são os assuntos que mais caem nas provas? Vai ter que fazer isso sozinho? NÃO!

A Sanar Residência Médica fez isso para você. Analisamos as provas de Residência e selecionamos os assuntos relativos a nefrologia que mais caem.

Nefrologia nas provas de residência médica

A nefrologia é a área da medicina que estuda o sistema urinário, principalmente às afecções relacionadas ao rim. Nefrologia corresponde a cerca de 10% da prova de Clínica Médica.

Fizemos um levantamento das doenças que mais caem nas provas, e são elas: Doenças Glomerulares, Distúrbios Hidroeletrolíticos e Injúria Renal Aguda.

Esses três assuntos correspondem a cerca de 50% de todas as questões de nefrologia. Veja:

Nefrologia nas provas de residência médica

Doenças Glomerulares

As doenças glomerulares são um conjunto de doenças que afetam os glomérulos, parte da unidade funcional do rim.

Elas podem ser primárias ou secundárias a outras doenças. As principais doenças glomerulares são as Síndrome nefrítica e a Síndrome nefrótica.

Síndrome Nefrítica

As síndromes nefríticas são causadas por inflamação dos glomérulos e tem como manifestações clínicas típicas a hematúria glomerular, proteinúria abaixo de 3,5g/dia e Hipertensão Sistêmica, além de diferentes graus de disfunção renal.

Essa inflamação pode ser decorrente de diversos fatores, por isso, o tratamento de uma síndrome nefrítica pode ser variado, corrigindo a doença-base.

Síndrome Nefrítica

Síndrome Nefrótica

Os principais sinais e sintomas das síndromes nefróticas são: proteinúria acima de 3,5g/dia, hipoalbuminemia e anasarca, podendo também ser encontrados altos níveis de lípideos (dislipidemia), eventos trombóticos, aumento da susceptibilidade de infecções e hipovolemia.

Isso é causado pela alteração da barreira de filtração glomerular. Como qualquer outra síndrome, ela pode ser causada por diversas doenças, fazendo com que a fisiopatologia e o tratamento sejam específicos de cada causa.

Síndrome Nefrótica

Distúrbios Hidroeletrolíticos

Distúrbios Hidroeletrolíticos são decorrentes alterações na concentração de íons fundamentais para a homeostase do corpo humano, tanto no sangue como dentro das células.

Os que vamos abordar nesse artigo são os relacionados aos íons cálcio, sódio e potássio, entretanto é importante ressaltar que existem diversos outros íons que desempenham papéis e podem distúrbios.

Potássio

Quando o potássio está em níveis baixos no sangue, chamamos de hipopotassemia (cursando também com hipocalemia – baixos níveis de cálcio).

Nesse caso, podemos classificar em leve (3.0-3.5 mEq/L), moderada (2.5-3.0 mEq/L) e grave (menor de 2.5 mEq/L).

O quadro clínico é de poliúria, fraqueza, íleo paralítico, rabdomiólise. Além de achados específicos no eletrocardiograma (ECG): presença de onda “U” e achatamento da onda “T”.

O tratamento para essa condição é a reposição de sódio que pode ser feita de duas formas:

  1. Para casos leves: reposição oral – 600mg de KCl = 300 ou 8 mEq de potássio
  2. Para casos moderados e graves: infusão intravenosa com Cloreto de Potássio a 19,1%, que contém 2,5 mEq/ml.
Hipotassemia no ECG - Sanarmed

Já quando há muito potássio circulante, é chamado de Hiperpotassemia caracterizada por níveis superiores a 5 mEq/L, sendo severa acima de 8 mEq/L ou quando há alteração no ECG: onda “T” apiculada, onda “P” achatada, QRS alargado.

Hiperpotassemia no ECG - Sanarmed

O tratamento inicial é administrar Gluconato de Cálcio 10% (1 ampola em SF 0,9% 100 ml) em 5-10 minutos como um estabilizador de membranas dos cardiomiócitos.

Seguidos de medicamentos que efetivamente vão diminuir os níveis de potássio como furosemida, bicarbonato de sódio, beta-2 agonistas, beta bloqueadores, glicose e sorcal.

Sódio

A hiponatremia ocorre quando há pouco sódio circulante. Ela também pode ser caracterizada como leve (130-135 mEq/L), moderada (121-129 mEq/L) ou grave (acima 120 mEq/L) ou quanto a volemia: hipovolêmica, euvolêmica ou hipervolêmica.

Sendo o tratamento dependente do quadro clínico que o paciente apresenta, se necessário, a reposição de sódio deve seguia a Lei de Adrogué-Madias.

O contrário seria a hipernatremia, sendo importante ressaltar que a redução de sódio não pode ultrapassar 10-12 mEq/dia.

Injúria Renal Aguda

A injúria renal aguda é causada quando há uma súbita diminuição na taxa de filtração glomerular com aumento de metabólitos nitrogenados que seriam excretados

Para o diagnóstico de IRA é necessário aumento dos níveis de creatinina acima 0.3 mg/dL dos níveis basais do paciente. Ela pode ser classificada segundo os critérios definidos em 2012 – Guideline KDIGO.

Tabela diagnóstica de IRA - SanarMed

Podem ainda ser classificadas como: Pré-renal, Renal ou Pós-Renal. Essa classificação leva em conta a causa da injúria, sendo que cada tipo tem suas causas, seus quadros clínicos e tratamentos específicos.

Mas é importante ressaltar as diferenças entre a IRA pré-renal e a pós-renal, conforme a tabela abaixo:

Tabela IRA pré-renal e pós-renal - SanarMed

Questões comentadas

A Sanar acredita que a melhor forma de estudar para as provas é fazer questões e ficar familiarizado com a forma que o conteúdo é cobrado nas provas, por isso, temos aqui três questões do nosso APP dos assuntos de Nefrologia.

Questão de IRA (Nefrologia) Comentada - SanarMed

Resposta correta: letra C

Comentário: Uma das bases do tratamento da rabdomiólise é prevenir complicações com risco de morte sendo que a HIPERCALEMIA sempre deve ser evitada. Desta forma, é necessária uma hidratação endovenosa vigorosa e precoce nesses pacientes a qual deve ser mantida até resolução da rabdomiólise (valores de CPK < 1000 UI/L). Assertiva I correta. A síndrome hepatorrenal é uma forma especial de IRA pré-renal que acomete portadores de insuficiência hepática grave sem lesão renal direta. Nesses pacientes ocorre redução da taxa de filtração glomerular à custa de vasoespasmo da circulação pré-glomerular. O tratamento definitivo da síndrome hepatorrenal é feito com um transplante de fígado. Assertiva II correta. O tratamento da IRA pós-renal é realizado revertendo a obstrução do fluxo urinário, logo, o local da obstrução é o que define a abordagem terapêutica. Assertiva III correta. Quanto a assertiva IV, a utilização de bicarbonato de sódio para alcalinizar a urina pode levar à HIPOCALCEMIA e não hipercalemia. Assertiva IV incorreta. Correta: letra D. Assertiva III correta. Quanto a assertiva IV, a utilização de bicarbonato de sódio para alcalinizar a urina pode levar à HIPOCALCEMIA e não hipercalemia. Assertiva IV incorreta. Correta: letra D.

Resposta de IRA (Nefrologia) Comentada - SanarMed

Resposta correta: letra A

Comentário: A letra A é a alternativa errada pois a pressão arterial, em geral, está diminuída, pois na síndrome nefrótica o paciente tem proteinúria e hipoalbuminemia, que diminui a pressão coloidosmótica do plasma, reduzindo o volume circulante efetivo.

Resposta de IRA (Nefrologia) Comentada - SanarMed

Resposta correta: letra D

Comentário:
Temos um quadro de Hipertensão grave, não responsiva ao tratamento e hipocalemia não justificada por uso de diuréticos.

Qual deve ser a nossa suspeita diagnóstica inicial? Hiperaldosteronismo primário! O aumento da Aldosterona leva a uma maior reabsorção de Na+ e água, o que justifica a hipertensão grave, e a maior excreção de K+, justifica a hipocalemia! Esta, por sua vez, cursa com fraqueza muscular! E o que causa a polidpsia e poliúria? Vamos entender…

A hipocalemia crônica pode gerar uma nefrite intersticial crônica, a chamada nefropatia hipocalêmica, que afeta néfron distal, levando a um diabetes insipidus nefrogênico!

Alguns candidatos marcaram a letra B como correta. De fato, o hipercortisolismo da Síndrome de Cushing justifica a HAS grave, a fraqueza muscular, a hiperglicemia (causando poliúria e polidpsia) e a hipocalemia (cortisol com efeito mineralocorticoide).

O que poderia fazer com que essa não fosse a opção escolhida é o fato de não ter os outros achados típicos, tais como fácies de lua cheia, giba, estrias violáceas, obesidade centrípeta…

Alguns subtipos de Cushing, como o paraneoplásico, podem não apresentar esses sinais clássicos no exame físico. Assim, o ideal teria sido considerar as duas opções (letra B e D) como resposta.

Ah! E lembre-se!

É importante lembrar que existem diversos outros temas de nefrologia que também são cobrados além dos três expostos aqui como: Doença Renal crônica, Envolvimento Renal em Doenças Crônica, Doenças Tubulointersticiais, Doença Renovascular Isquêmica, Diálise e Transplante Renal, Distúrbios do Equilíbrio Ácido – Base.

Nefrologia com certeza não é um assunto pequeno, mas sabendo o que estudar, como estudar e no que focar, estamos confiantes na aprovação na Residência Médica. Fiquem ligados aqui no blog para mais conteúdos e estatísticas da provas!

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.