Ciclo Básico

Nervo trigêmeo: anatomia e aspectos clínicos | Colunistas

Nervo trigêmeo: anatomia e aspectos clínicos | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Lorhainne Bastos

Sabe aquele momento que você morde uma maçã? Ou aquela sensação boa de toque carinhoso no rosto ou de dor ao espremer um cravo? Tudo isso é possível graças ao nervo trigêmeo, um par de nervos cranianos muito importante para nossas funções cotidianas.

1.     Anatomia

O nervo trigêmeo é o quinto (V) par craniano, composto por fibras sensitivas e motoras, sendo assim, classificado como nervo misto. É um dos maiores nervos cranianos. Sua origem aparente no encéfalo se localiza entre a região lateral da ponte e o pedúnculo cerebelar médio, com uma grande raiz sensitiva e uma pequena raiz motora. Ele possui uma grande função sensitiva da cabeça e motora na mastigação.

Figura 1. Origem do nervo trigêmeo.

Fonte: Moore et al., 2014.

1.1 Raiz sensitiva

É a principal fonte sensitiva somática geral na cabeça, visto que recebe fibras de neurônios sensitivos vindos da face, boca, cavidade nasal, dos dentes, além da dura-máter craniana. São conduzidos impulsos proprioceptivos originados na articulação temporomandibular e nos músculos mastigadores e, também, impulsos exteroceptivos, como o tato, dor, pressão e temperatura.

Os corpos dos neurônios desta raiz se localizam no gânglio trigeminal, que repousa sobre a impressão do gânglio na região petrosa do osso temporal. Mais distalmente, os prolongamentos dos neurônios formam três ramos principais: o nervo oftálmico (V1), nervo maxilar (V2) e o nervo mandibular (V3).

Figura 2. Esquema da distribuição sensorial dos ramos do nervo trigêmeo (V).

Fonte: Porto, 2014.

1.2 Raiz motora

Constitui uma porção menor do nervo trigêmeo que inerva os músculos da mastigação: masseter, pterigoideo medial e lateral, temporal e parte ventral do músculo digástrico. Na embriologia, a raiz é derivada do primeiro arco faríngeo. Suas fibras acompanham e se fundem ao nervo mandibular logo após ultrapassar o forame oval da base do crânio.

2.     Como avaliar o nervo trigêmeo no exame físico neurológico?

2.1 Função motora

É observado por meio da palpação o tônus e trofia dos músculos mastigadores. Além disso, é pedido ao paciente para que abra e feche a boca, movimente a mandíbula lateralmente e cerre os dentes.

2.2 Sensibilidade geral

No exame de sensibilidade superficial tátil é utilizado um pedaço de algodão ou o pequeno pincel macio para tocar levemente a pele em várias áreas. Se houver uma diminuição do tato, o quadro é chamado de hipoestesia; quando ausente, é anestesia; e, com aumento tátil, hiperestesia. Também é testada a sensibilidade da esclera e a córnea do olho usando uma mecha de algodão. O resultado esperado é o reflexo córneo-palpebral, ou seja, fechamento das pálpebras.

A sensibilidade térmica é reconhecida em vários locais da face utilizando alternadamente dois tubos de ensaio, um com água gelada e outro com quente. Para a avaliação da dor superficial, utiliza-se um estilete rombo, que provoca dor sem ferir. E a sensação de dor profunda é investigada por meio da compressão moderada os músculos da mastigação como o temporal e masseter, que normalmente não devem doer.

3.     Alterações clínicas no nervo trigêmeo

3.1 Principais causas de lesão

  • Hérpes-zóster – o vírus tem capacidade de permanecer de forma latente no gânglio trigeminal e se tornar ativo, periodicamente causando lesão na pele, neuralgia do tipo queimação, complicar para cegueira e até surdez.
  • Neoplasias – schwanomas, os quais são tumores incomuns e benignos, mas que causam dor por compressão do nervo.
  • Traumatismo – em casos de acidentes ou pós-cirurgias.

3.2 Sinais e sintomas durante o exame físico

Durante o exame de função motora é possível observar sinais de lesão da raiz nos casos de atrofia dos músculos, dificuldade na movimentação e quando ocorre a lateralização da mandíbula durante a abertura da boca. A assimetria funcional é mais facilmente observada por conta da paralisia muscular do lado lesado.

A dor é o principal tipo de alteração sensitiva, uma vez que é comum a condução irregular de impulsos dolorosos quando o nervo está lesado. Nesses casos, o paciente refere uma dor limitada na área correspondente ao ramo afetado. Alguns consideram como a pior dor que o corpo humano possa sentir. Esse quadro é conhecido como neuralgia do trigêmeo, a qual pode ser classificada como essencial, quando os sintomas são inespecíficos e periódicos, com intervalos de acalmia; ou secundária, quando é contínua e associada a alterações táteis e até motoras. Nesses casos, geralmente o tratamento é cirúrgico.

4.     Conclusão

Em suma, pode-se observar que o conhecimento sobre o nervo trigêmeo, desde suas características anatômicas, funções e até possíveis alterações são de grande importância para a prática clínica, pois qualquer sinal alterado pode influenciar na conduta e resolução do quadro do paciente que atendemos.

Autora: Lorhainne Bastos Instagram: @lorhainnebastos

Referências:

  1. MACHADO, A.B.M. Neuroanatomia Funcional. Rio de Janeiro. Ed. Atheneu. 3a ed., 2014.
  2. MOORE, Keith L.; DALLEY, Arthur F.; AGUR, Anne MR. Anatomia Orientada Para a Clínica. 7ª Edição. Rio de Janeiro, 2014.
  3. PORTO, Celmo Celeno. Semiologia médica. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
  4. ROCHA, Paola Elizama Caurio. Pacientes com neuralgia do trigêmeo e sua relação com a dor. UFMS, 2019.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe: