Medicina de Família e Comunidade

Quadro Clínico e Tratamento dos Distúrbios Pré-Menstruais

Quadro Clínico e Tratamento dos Distúrbios Pré-Menstruais

Compartilhar

Sanar Pós Graduação

10 min há 104 dias

1.  O que é a síndrome pré-menstrual (SPM)? 

Os distúrbios pré-menstruais compõe uma síndrome crônica, e possui uma ampla apresentação de sintomas desde psicológicos e comportamentais a físicos. Esse diagnóstico foi incluído no DSM-V.

2.  Apresentação clínica

A paciente pode ter queixas emocionais, físicas e comportamentais. Entre os sintomas mais relacionados por essas mulheres temos:

  • Distensão abdominal;
  • Retenção hídrica;
  • Mastalgia;
  • Cólicas;
  • Ansiedade;
  • Náuseas;
  • Aumento do consumo de álcool;
  • Modificações no libido;

Essa sintomatologia vai se apresentar de forma cíclica, e ocorrer no período do ciclo menstrual denominado fase lútea. Os sintomas costumam aparecer cerca de seis dias antes da menstruação e vai se resolver após o início do fluxo menstrual.

3.  Qual a fisiopatologia dos distúrbios pré-menstruais?

A causa exata de como se dá os distúrbios pré-menstruais ainda não está esclarecida. Todavia, temos algumas teorias  bem aceitas. A primeira é que esses distúrbios está relacionado com os esteróides sexuais ovarianos, neurotransmissores e prostaglandinas; a segunda teoria afirma que está correlacionada com predisposição familiar e por último temos a teoria mais bem aceita que afirma que esse quadro clínico está relacionada com a

ciclicidade ovariana. Um fato interessante é que a SPM não está relacionada com a menstruação; mulheres que são histerectomizadas também podem apresentar o distúrbio.

Quando falamos nos sintomas psicológicos e emocionais presentes nessas pacientes , podemos explicá-los entendendo que os esteróides sexuais feminino, ou seja, estrogênio e progesterona podem interagir com neurotransmissores, como serotonina, noradrenalina e GABA. O estrogênio atua como um estimulante a esses neurotransmissores e a progesterona vai agir inibindo o sistema  nervoso central.  Na fase lútea, do ciclo menstrual, há uma redução da atividade serotoninérgica, devido essa relação com os esteróides sexuais, e consequentemente isso pode gerar esse quadro clínico psicoemocional nessas mulheres.

Se tem interesse em temas sobre ginecologia e obstetrícia.
Leia nosso texto sobre Pobreza Menstrual. Basta um clique!

4. Diagnóstico da Síndrome Pré-Menstrual e Distúrbio Disfórico Menstrual

Esses diagnósticos são dados sem nenhum exame complementar, apenas com história e exame físico. E só pode ser feito depois de excluir outras patologias que possuem sintomas semelhantes, como por exemplo a ansiedade, endometriose e cistos ovarianos.

O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) indica que o diagnóstico desses distúrbios sejam feitos com base em anotações das pacientes em um diário que contém os sintomas, por um período de tempo de cerca 3 meses.

4.1 Síndrome Pré-Menstrual

É necessário 1 ou mais sintomas,dos seguintes, segundo o American College of Obstetricians and Gynecologists  (ACOG):

Afetivos

  • Depressão, raiva, ansiedade, confusão, introversão, irritabilidade.

Somáticos

  • Mastalgia, cefaléia, edema, distensão abdominal;
  • Sintomas durante os 5 dias que precedem a menstruação pelo menos 1 dos 3 últimos em ciclos menstruais;
  • Sintomas aliviados em 4 dias do início da menstruação sem recorrência até o 13° dia do ciclo;
  • Sintomas presentes na ausência de uso de fármacos, hormônios, álcool ou drogas;
  • Presença de disfunção social ou econômica Identificável.

4.2 Distúrbio disfórico pré-menstrual

Pelo menos 5 destes sintomas, segundo o American College of Obstetricians and Gynecologists  (ACOG)  :

– Depressão Importante associada à desilusão ou à falta de solução para sua dor;

– Tensão e ansiedade em excesso;

– Importante labilidade emocional;

– irritabilidade e raiva;

– Diminuição no Interesse por atividades do cotidiano ou.

– Isolamento social

– Falta de energia;

– Alteração em apetite (redução ou aumento);

– Alteração em padrão do sono;

– Sensação de perda de controle;

– Dificuldade de concentração;

– Sintomas somáticos (distensão abdominal, mastalgia, cefaleia ou dores articulares).

 5. Tratamento da síndrome pré-menstrual

5.1 Educação em saúde

A primeira conduta que deve ser tomada é de educar a paciente e dar orientações sobre essa condição, ou seja, estimular a paciente a praticar atividades físicas aeróbicas de forma regular , por elevarem os níveis de endorfina no organismo da paciente, e isso pode ajudar a aliviar os sintomas. Ademais, é preciso recomendar uma dieta rica em fibras e com o mínimo de sal e gorduras saturadas, esses alimentos causam retenção hídrica. E por último em relação a alimentação, a paciente precisa ser orientada a diminuir o consumo de alimentos à base de cafeína e cola, devido serem estimulantes podem piorar a irritabilidade , insônia e ansiedade nessas pacientes.

5.2 Tratamento farmacológico

O tratamento de primeira linha para pacientes com SPM  são anticoncepcionais cíclicos ou contínuos, eles vão fornecer níveis hormonais mais constantes , pois causam uma supressão ovariana. 

Já em relação a DDPM temos como a primeira linha de tratamento os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRS) , os mais usados são fluoxetina, sertralina e paroxetina. Esses medicamentos pode ser usados de forma contínua ou intermitente, somente na fase lútea.

Em relação a analgesia, o fármaco de escolha é o inibidor de prostaglandinas, ácido mefenâmico na posologia 250-500 mg . Ele trata a dismenorréia, cefaléia e outras dores.

Quais os critérios diagnósticos da Síndrome pr´é-menstrual?

É necessário 1 ou mais sintomas afetivos, dos seguintes: Depressão, raiva, ansiedade, confusão, introversão, irritabilidade. Ou 1 ou mais somáticos: Mastalgia, cefaléia, edema, distensão abdominal. Surgindo durante 5 dias que precedem a menstruação e aliviando-se nos 4 dias após o seu início.

Quais os sinais e sintomas da síndrome pré-menstrual?

As queixas podem ser tanto físicas quanto emocionais, a exemplo de distensão abdominal, retenção hídrica, mastalgia, cólicas, ansiedade, náuseas, aumento do consumo de álcool e modificações na libido.

Qual remédio eu utilizo no tratamento da síndrome pré-menstrual?

A droga de escolha é o ácido mefenâmico, um inibidor de prostaglandinas, na posologia 250-500 mg . Fornecendo analgesia na dismenorréia, cefaléia e outras dores associadas ao quadro.

Referência:

  1. Ginecologia e Obstetrícia Febrasgo para o Médico Residente – Editora Manole – Almir Antonio Urbanetz 2016
  2. ACOG Committee on Practlce Bulletins – Gynecology. ACOG practice bulletin n. 15: premenstrual syndrome. Obstet Gynecol 2000:95(4):suppl 1-9
Compartilhe com seus amigos: