Ciclo Clínico

Qual a diferença entre tireotoxicose e hipertireoidismo? | Ligas

Qual a diferença entre tireotoxicose e hipertireoidismo? | Ligas

Compartilhar

O que é Tireotoxicose?

A tireotoxicose é a síndrome clínica decorrente do excesso de hormônios tireoidianos circulantes, secundário ao hipertireoidismo ou não. Ela pode ocorre por diversas causas, inclusive não associada à hiperfunção tireoidiana. Tireotoxicose acontece pela ingestão excessiva de hormônios tireoidianos, seja iatrogênica ou na tentativa de perda de peso, caracterizando a tireotoxicose factícia; produção excessiva de hormônios tireoidianos por tecido tireoidiano ectópico, a exemplo de metástase funcionante de carcinoma folicular; inflamação subaguda da tireóide, em que ocorre destruição da glândula com liberação de hormônios pré-formados; bem como pode ser secundária a drogas como o iodo e a amiodarona.

O que é Hipertireoidismo?

Diferentemente da tireotoxicose, o hipertireoidismo é caracterizado pelo aumento da síntese e liberação dos hormônios tireoidianos pela própria glândula tireoide e se não tratado pode levar a outros problemas de saúde. A hiperfunção tireoidiana manifesta-se, principalmente, como Doença de Graves (em cerca de 80% dos casos), tumor trofoblástico (mola hidatiforme, coriocarcinoma) e adenoma hipofisário produtor de TSH. A ocorrência de hipertireoidismo é 20 vezes mais frequente em mulheres do que em homens.

O diagnóstico clínico do hipertireoidismo, geralmente, não oferece dificuldade e a confirmação diagnóstica deverá ser feita com as dosagens das concentrações séricas de TSH e hormônios tireoidianos.

Diferenciando os sintomas

Sintomas da Tireotoxicose

Sinais oculares como retração palpebral, olhar fixo ou assustado e sinal de lid-lag são decorrentes da hiperatividade adrenérgica e podem ser observados em qualquer quadro de tireotoxicose. São também achados frequentes:

  • Pele quente e úmida
  • Taquicardia sinusal
  • Hipertensão arterial sistólica
  • Fibrilação atrial (mais em idosos)
  • Tremor fino de extremidades
  • Fraqueza muscular proximal
  • Hiperreflexia
  • Arritmia, ICC, angina
  • Bócio

As manifestações cardíacas (arritmia, ICC, angina) podem predominar nos idosos com tireotoxicose. Bócio pode ser encontrado na tireotoxicose por amiodarona, mas é incomum na tireotoxicose factícia.

Sintomas do Hipertireoidismo

De modo geral, é observada uma correlação entre os níveis hormonais e a apresentação clínica, sendo que os sinais e sintomas secundários ao estímulo adrenérgico, como taquicardia e ansiedade, são mais evidentes em pacientes jovens e com bócios volumosos. São manifestações clínicas comumente encontradas no hipertireoidismo os seguintes sinais e sintomas:

  • Nervosismo
  • Tremor
  • Bócio
  • Sudorese excessiva
  • Intolerância ao calor
  • Pele quente e úmida
  • Palpitação e taquicardia
  • Fadiga
  • Perda de peso
  • Dispneia
  • Fraqueza
  • Aumento do apetite
  • Queixas oculares
  • Edema de membros inferiores

Tratamentos

Tireotoxicose

Dos antitireoidianos a propiltiouracila é preferível para o tratamento da tireotoxicose porque a dosagem utilizada bloqueia, em parte, a conversão periférica de T4 em T3. O iodo é usado para tratamento de emergência. O propranolol é indicado para tratamento sintomático de tireotoxicose, pois reduz rapidamente a frequência cardíaca alterada. Os antiarrítmicos, como bloqueadores de canais de cálcio e adenosina, se necessário, são opção para fibrilação atrial.

Porém, o tratamento definitivo da tireotoxicose consiste em abordar as causas precipitantes da síndrome, a exemplo do tratamento da infecção subjacente.

Hipertireoidismo

O tratamento do hipertireoidismo visa a correção do estado de hipermetabolismo com um mínimo de efeitos colaterais e menor incidência possível de hipotireoidismo, além de melhora rápida dos sintomas adrenérgicos através do uso dos beta-bloqueadores como propanolol, atenolol e metoprolol. O hipertireoidismo deve ser tratado, principalmente em idosos, devido o risco de complicações cardiovasculares.

Os fármacos antitireoidianos mais importantes são propiltiouracil (PTU) e metimazol, ambas as drogas diminuem a quantidade de hormônios produzidos pela glândula tireoide . O PTU é o fármaco de escolha durante a gestação e a amamentação.

O iodo radioativo (I-131) leva à destruição permanente da tireoide e pode ser usado para preparação pré-operatória de pacientes com hipertireoidismo submetidos à tireoidectomia, diminuindo a vascularização da glândula. O efeito adverso mais comum dessa opção terapêutica é o hipotireoidismo, porém é amplamente utilizado por ser mais barato e associado com menos morbidade.

Além dessas opções há a remoção cirúrgica da  tireoide (tireoidectomia); o médico pode recomendar a cirurgia quando os medicamentos antitireoidianos ou a terapia com iodo radioativo não são apropriados. Nesse procedimento existe o risco de desenvolver hipoparatireoidismo e lesão com paralisia laríngea. A cirurgia tem uma indicação especial quando existe obstrução esofageana.

Produzido por:

Liga: LIEMS – Liga Acadêmica de Endocrinologia e Metabologia de Sobral

Autor: Amanda Beatriz Sobreira de Carvalho

Revisor: Lúcio Soares e Silva Neto

Orientador: Prof. José Roberto Frota Gomes Capote Júnior

Confira o vídeo:

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos: