Anatomia de órgãos e sistemas

Resumo da anatomia dos ossos do crânio

Resumo da anatomia dos ossos do crânio

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar

Introdução

Os ossos do crânio fazem parte do esqueleto axial, conjunto de ossos que protege o sistema nervoso central. O neurocrânio é a parte do crânio que envolve o encéfalo e as meninges cranianas, sendo formado por 8 ossos: frontal, parietais (2), occipital, temporais (2), etmoide e esfenoide.

Ossos parietais    

Os dois grandes ossos parietais são classificados como ossos laminares (ou planos), possuem formato retangular curvo e formam a maior parte da calota craniana, além de constituírem a maior parte da região superior do crânio. 

Os locais onde os ossos parietais se articulam com outros ossos do crânio são chamados de sutura. As quatro suturas principais do crânio estão expostas na figura abaixo: 

Ossos do crânio: ossos parietais
Suturas cranianas. Fonte: NETTER, Frank Henry. Atlas de Anatomia Humana. Ed. Elsevier, 2015.

Osso frontal

O osso frontal é um osso pneumático que forma a testa (fronte) e o teto da órbita. Um dos principais pontos de destaque desse osso é a glabela, parte lisa na linha mediana do osso que possui importância clínica pelo fato de ser um local de passagem de muitas estruturas nervosas, ou seja, é um ponto de avaliação de resposta à dor.

O osso frontal participa da formação da fossa anterior do crânio, onde se apoiam o lobo frontal do cérebro. 

Acima das órbitas encontram-se os arcos supraciliares, local altamente vascularizado e, quando traumatizado, sangra bastante. Na margem superior supraorbital possui um forame pelo qual passam nervos e artérias que suprem a fronte. 

O osso frontal possui, nas regiões laterais à glabela, seios pneumáticos (seios frontais), preenchidos por ar e, quando inflamados, causam sinusite.

Ossos do crânio: osso frontal
Vista anterior do osso frontal. Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. Guanabara Koogan, 2000.

Osso occipital

O osso occipital é plano e forma a base posterior da calota craniana e da base do crânio. Ele articula-se com os ossos parietais na sutura lambdóide e com os ossos temporais nas suturas occiptomastóideas.

A protuberância occipital externa é uma saliência na região mediana do crânio, que localiza-se na junção entre a base e a parede posterior da calota craniana.

A crista occipital externa estende-se anteriormente, a partir da protuberância occipital externa na direção do forame magno. Essa crista auxilia na fixação do ligamento nucal, ligamento elástico que se situa no plano mediano da região posterior do pescoço e conecta as vértebras cervicais ao crânio.

As linhas nucais e as regiões ósseas entre são áreas de fixação de músculos do pescoço e dorso. A linha nucal superior define o limite superior do pescoço. Internamente, o osso occipital forma as paredes da fossa posterior do crânio e acomoda o cerebelo. Na base do osso, está o forame magno, estrutura muito importante pois é o local de passagem dos nervos espinhais.

Ossos do crânio: osso occipital
Vista externa do osso occipital. Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. Guanabara Koogan, 2000.

Ossos temporais

Os ossos temporais são irregulares e formam as regiões laterais inferiores do crânio e partes de assoalho. Cada osso temporal tem uma forma complexa e é dividido em três partes principais: parte escamosa, parte timpânica e parte petrosa. 

O osso temporal possui esse nome pois é o primeiro local onde aparecem os cabelos grisalhos, sinal da passagem do tempo.

A parte escamosa margeia a sutura escamosa e tem um processo zigomático em forma de barra que se projeta anteriormente para encontrar o osso zigomático da face. A parte timpânica circunda o meato acústico externo (ou canal auditivo externo), local por onde o som entra na orelha.

A parte petrosa contribui para a formação da base do crânio e forma uma cunha óssea entre o osso occipital posteriormente e o osso esfenoide anteriormente. O forame jugular está localizado onde a parte petrosa se une ao osso occipital e através desse forame passa a veia jugular interna (maior veia da cabeça) e os nervos cranianos IX, X e XI.

Também no osso temporal, através do canal carótico, passa a artéria carótida interna, principal artéria que nutre o encéfalo. Além disso, os nervos cranianos VII (facial) e VIII (vestibulococlear) passam pela face posterior da parte petrosa, no meato acústico interno.

Ossos do crânio: ossos temporais
Divisões do osso temporal. Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. Guanabara Koogan, 2000.
Ossos do crânio: ossos temporais vista lateral
Vista lateral do osso temporal. Fonte: SOBOTTA, Johannes. Atlas de Anatomia Humana. Guanabara Koogan, 2000.

Osso esfenóide

O osso esfenóide forma uma cunha central que se articula com todos os outros ossos da região. O esfenóide é composto por um corpo central e três pares de processos: as asas menores, as asas maiores e os pterigóides. 

As asas maiores projetam-se lateralmente a partir do corpo do esfenóide, formando partes da fossa média do crânio e da órbita. As asas menores, em forma de chifre, formam parte da fossa anterior do crânio e uma parte da órbita. 

Os processos pterigóides, em forma de calha, projetam-se inferiormente a partir das asas maiores e servem como pontos de inserção para os músculos pterigóides, que ajudam a fechar a mandíbula na mastigação.

Aberturas nesse osso permitem a passagem de várias estruturas da e para a órbita, como os nervos cranianos que controlam os movimentos dos olhos (III, IV e VI), o nervo óptico (II) e os ramos mandibular e maxilar do nervo trigêmio (V). 

Osso etmoide 

O etmoide está situado anterior ao osso esfenoide e posterior aos ossos nasais, formando a maior parte da área óssea medial entre a cavidade nasal e as órbitas. Sua superfície superior é formada pelas lâminas cribriformes (crivosas), horizontais e emparelhadas, que contribuem para formar o teto da cavidade nasal e o assoalho da fossa anterior do crânio.

As lâminas cribriformes são perfuradas pelos forames da lâmina cribriforme, local de passagem do I nervo craniano (nervo olfatório) que corre da cavidade nasal para o cérebro. 

O osso etmoidal ajuda na manutenção da posição do encéfalo dentro da cavidade craniana, a partir da crista etmoidal, estrutura localizada entre as duas lâminas cribriformes. 

A lâmina perpendicular do osso etmóide forma o teto septo nasal. Em cada lado da lâmina perpendicular situa-se um delicado labirinto etmoidal, preenchido por células etmoidais (seio etmoide).

Vista anterior do osso etmoide. Fonte: Marieb, Elaine. Anatomia Humana. Pearson Education do Brasil, 2014.

Posts relacionados:

Referências:

  1. Moore, Keith L. Anatomia orientada para a Clínica. 7a edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
  2. Drake, et al. Gray’s Anatomia Clínica para Estudantes. 3aed.
  3. Goldman-Cecil. Medicina. 25aed.
  4. Marieb, Elaine; Wilhelm, Patricia; Mallatt, Jon. Anatomia Humana. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2014.