Ciclo Clínico

Resumo: Dermatite Seborreica com mapa mental | Ligas

Resumo: Dermatite Seborreica com mapa mental | Ligas

Compartilhar

Autor(a): Breno Vinícius Dias de Souza e Eric Cymon do Vale Beserra – @_brenodias_

Revisor(a): Ana Olívia Dantas – @ana.oliivia

Orientador(a): Diego Henrique Brilhante de Medeiros

Liga: Liga Acadêmica de Clínica Médica do Seridó (LACLIMS)

Definição e Epidemiologia

A dermatite seborreica constitui uma entidade clínica do grupo dos eczemas, que reúne as dermatoses inflamatórias e pruriginosas. Trata-se de uma das dermatites mais comuns, com curso crônico, acometendo predominantemente adolescentes e adultos jovens, mas com possibilidade de apresentação até mesmo ao nascimento.

Ainda, tem alta incidência em portadores de infecção por HIV, e se relaciona com outras doenças (como Parkinson, epilepsia e obesidade) e uso de medicamentos (como cimetidina, metildopa e neurolépticos).

Fisiopatologia

O quadro inflamatório se associa à hiperproliferação epidérmica e conta com a participação do fungo Malassezia spp., seja propriamente na etiopatogenia, seja como consequência da distribuição de lipídios nas escamas, que gera um ambiente propício para colonização fúngica. No processo fisiopatológico, envolve ainda aumento de atividade e número de glândulas sebáceas, havendo notória relação da apresentação da doença em fases da vida com maior maturação dessas glândulas, no período neonatal e após a puberdade. Estudos recentes têm também feito associações com estresse e quadros de ansiedade na gênese das agudizações.

Quadro clínico  

Apresenta lesões maculopapulosas, simétricas, com base eritematosa ou amarelada, bem como escamas oleosas distribuídas nas áreas seborreicas – couro cabeludo, face, região retroauricular, pré-esternal, flexuras axilares, anogenitais e inframamárias.

No couro cabeludo, é comum progredir além da orla delimitada pelo cabelo, formando a coroa seborreica, com eritema na pele adjacente. Nos neonatos, as escamas aderentes constituem a crosta láctea, ou “capuz de leite”. É possível haver manifestações mais intensas, com escamas mais numerosas e espessas, o que pode gerar alopecia. Na face, pode ocasionar descamação ciliar, e envolve região paranasal, de supercílios e glabela. No tronco, pápulas eritemato-descamativas, com bordas eritematosas e elevadas (lesões petaloides) acometem comumente as regiões pré-esternal e interescapular. Nas flexuras, além da descamação, é comum ocorrer fissuras e infecção secundária.

Diagnóstico

O diagnóstico é clínico, sendo solicitada a sorologia anti-HIV em quadros muito abruptos, exuberantes ou refratários ao tratamento, quando mais se associa à AIDS.

Tratamento

No couro cabeludo, a terapêutica se dá com shampoos de LCD (liquor carbonis detergens), que podem ser usados em associação com ácido salicílico, coaltar, cetoconazol ou enxofre, por exemplo. No tronco, além dessas possibilidades, pode-se lançar mão de loção ou gel de Kummerfeld e cremes com cetoconazol. Corticosteroides de baixa potência, como betametasona, podem ser associados ao antifúngico.

Na face, o uso de imunomoduladores, como tacrolimo e pimecrolimo, mostra bastante efetividade. Em qualquer área, o estabelecimento de infecção secundária autoriza a antibioticoterapia, sistêmica ou tópica. Em casos mais extensos, cetoconazol e/ou prednisona por via oral são opções robustas.

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.