Hematologia

Resumo: Anemia Ferropriva | Ligas

Resumo: Anemia Ferropriva | Ligas

Compartilhar

Definição e Epidemiologia

A causa mais comum de anemia é por sideropenia, mais conhecido como deficiência de ferro. O ferro é um dos principais constituintes da hemoglobina, impactando na concentração e conformação das hemácias. Os eritrócitos costumam se apresentar microcíticos e hipocrômicos devido à falta de ferro sérico e ferritina, cursando com alta capacidade de fixação do ferro total.

Fisiopatologia       

A quantidade de ferro corporal costuma variar de 2,5g a 3,5g, sendo maior nos homens do que nas mulheres devido a diferença da quantidade massa corporal e pela perda de sangue durante a menstruação, como já foi citado acima. A maior parte do ferro corporal se encontra na hemoglobina e na ferritina. Costuma ser mais absorvido no duodeno e no jejuno superior, logo doenças que acometem essas regiões impactarão diretamente na absorção desse mineral. O ferro pode ser heme e não-heme, sendo impactado de diferentes formas em sua absorção. O ferro heme, presente nas carnes é o melhor absorvido pelo corpo humano, já o não-heme precisa passar por algumas reações a fim de atingir a forma ferrosa para ser absorvido. Esse tipo de ferro tem sua absorção prejudicada pela ingestão de fibras e uso de alguns antibióticos, como a tetraciclina. Por outro lado, o ácido ascórbico (vitamina C) melhora sua absorção no trato gastrointestinal. Após absorvido, o ferro vai da mucosa intestinal via transferrina (proteína transportadora de ferro, que é produzida anteriormente no fígado) para os eritroblastos, fígado e placenta. A transferrina aumenta durante a deficiência de ferro como tentativa de compensar o déficit.

A deficiência do ferro, propriamente dita, começa quando a demanda é maior que a oferta, tornando necessário a utilização das reservas de ferro na medula óssea, levando a uma depleção progressiva desse depósito. Se o déficit de ferro não for corrigido e permanecer ou for muito grave, a produção de eritrócitos será afetada, gerando anemia. Se muito prolongada, a anemia pode causar disfunções nas enzimas celulares ligadas ao ferro.

Quadro clínico

Sintomas inespecíficos de anemia como fadiga, falta de ar, fraqueza, tontura e palidez. Síndrome das pernas inquietas pode ocorrer.

Em casos mais graves e/ou prolongados é possível encontrar a glossite, unhas quebradiças, coiloníquia, queilite angular e picafagia.

Diagnóstico

Hemograma completo, ferro sérico, capacidade de fixação do ferro, ferritina sérica, saturação de transferrina, contagem de reticulócitos, RDW e se necessário, esfregaço de sangue periférico também pode ser feito. Muito raramente, exame de medula óssea.

Estágios da sideropenia:

Estágio 1 – hemoglobina e ferro sérico normais, ferritina sérica <20ng/mL.

Estágio 2 – saturação de transferrina <16%, ferro sérico < 50μg/dL, transferrina sérica >8,5 mg/dL.

Estágio 3 – desenvolvimento da anemia

Estágio 4 – presença de microcitose e hipocromia

Estágio 5 – presença de sinais e sintomas

Tratamento

O tratamento da anemia ferropriva consiste no suplemento de ferro, geralmente via oral, com doses iniciais de 60mg elementar (325mg de sulfato ferroso) 1 vez ao dia. O ácido ascórbico medicamentoso ou no suco de laranja ajuda na absorção do ferro. Pode ser realizada a reposição de ferro via parenteral. A via parenteral tem uma resposta terapêutica mais rápida, porém provoca muitos efeitos colaterais. É importante saber a etiologia da anemia, se for por hemorragia é importante cessar esse sangramento para sucesso do tratamento.

Frutas com tanino devem ser evitadas, como a banana verde e o caqui, pois em contato com os sais de ferro o torna inabsorvível.

Confira o vídeo:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.