Anatomia de órgãos e sistemas

Trombose de veia esplênica | Colunistas

Trombose de veia esplênica | Colunistas

Compartilhar

Adrielly Lohany Barros

7 minhá 71 dias

INTRODUÇÃO

            A emergência é a área da medicina que lida com as ocorrências que demandam pouco tempo para a sua condução clínica, tendo em vista a potencialidade de causar danos irreversíveis, inclusive a morte.

            Neste artigo, iremos abordar a trombose de veia esplênica, em suas diversas nuances, desde sua anatomia, como diagnosticá-la e qual a conduta correta a ser tomada. A trombose de veia esplênica é um destes assuntos da emergência, que precisam ser diagnosticados o mais rapidamente possível, para promover o melhor cuidado ao paciente.

ANATOMIA

            Antes de conhecermos de fato a veia esplênica, precisamos conhecer qual órgão ela drena, e este é o baço.

O baço é uma massa oval, geralmente arroxeada, carnosa, que tem quase o mesmo tamanho e formato de uma mão fechada. O baço está localizado na parte súpero lateral do quadrante abdominal superior esquerdo (QSE) ou hipocôndrio, onde é protegido pela parte inferior da caixa torácica. No entanto, ainda é considerado o órgão abdominal mais frágil.

O baço possui função no sistema imune, tendo em vista que é lugar de proliferação de linfócitos. No período pré-natal, é um órgão hematopoético, que forma sangue, mas após o nascimento realiza a identificação, remoção e destruição de hemácias antigas e de plaquetas fragmentadas, além da reciclagem de ferro e globina. Por conta disso, atua como reservatório de sangue, armazenando hemácias e plaquetas. Todavia, não é um órgão vital, tendo em vista que pessoas esplenectomizadas (que removeram o baço), possuem uma qualidade de vida bastante considerável.

Figura 1. Localização do baço (MOORE, 2018).
Figura 2. Anatomia do Baço (NETTER, 2018).

O baço é recoberto por uma camada de peritônio visceral, exceto pelo hilo esplênico, por onde entram e saem a artéria e veia esplênicas. A irrigação do baço é feita pela artéria esplênica que se divide em cinco ou mais ramos que entram no hilo esplênico. Os ramos arteriais não são anastomosados, o que torna possível a esplenectomia subtotal (retirada cirúrgica de parte do baço).

A drenagem do baço é feita pela veia esplênica, que emerge do hilo esplênico, se une à veia mesentérica superior e à veia mesentérica inferior, para formar a veia porta.

Figura 3. Vascularização do baço (MOORE, 2018).

CONCEITO BÁSICO

            A trombose venosa consiste na coagulação intravenosa do sangue, causando a obstrução parcial ou total do lúmen da veia. Os fatores mais importantes para o desenvolvimento de uma trombose venosa compõem a tríade de Virchow: o aumento da coagulabilidade sanguínea, diminuição do fluxo sanguíneo ou estase e lesão do endotélio vascular.

            É importante ressaltar, que muitas nuances presentes no quadro de trombose de veia esplênica são similares ao quadro de trombose de veia porta, pelo simples fato da veia esplênica ser componente anatômico da veia porta.

ETIOLOGIAS

            As condições clínicas nas quais é possível a ocorrência da trombose venosa são: traumatismos (contusões, esmagamentos e fraturas); intervenções cirúrgicas; desidratação; insuficiência cardíaca; doença obstrutiva pulmonar crônica; acidente vascular encefálico; neoplasias; trombocitose; disfibrinogenemias (deficiência congênita do fibrinogênio); deficiência de antitrombina III; proteínas C e S; mutação do fator V de Leiden; lúpus eritematoso sistêmico; estado de choque; infecções sistêmicas; gravidez; uso de anticoncepcional; hiperlipidemias; compressão venosa; tabagismo; viagens prolongadas.

FISIOPATOLOGIA

            A oclusão da veia esplênica resulta no acúmulo pressórico nas veias colaterais e transmite-se para os vasos gástricos curtos e gastroepiplóicos (Figura 4), fato que resulta em um fluxo reverso e na formação das varizes gástricas. A formação dessas varizes pode desencadear hemorragias do trato gastrointestinal superior.

Figura 4. Veia gastroepiplóica (NETTER, 2018).

QUADRO CLÍNICO

            A sintomatologia é variável, dependendo da localização da trombose e/ou do desprendimento de fragmentos do trombo.

            Na forma indeterminada, o paciente não apresenta qualquer sintoma específico, devendo-se pensar nesta enfermidade em pacientes acamados por doença debilitante ou por cirurgia e que apresentem febrícula, taquicardia, taquipneia, hematêmese ou melena e mal-estar geral.

            Na forma localizada, surgem no local da trombose ou no território drenado pela veia comprometida, dor, edema, alteração da temperatura e da cor da pele e ingurgitamento das veias superficiais. A dor tem seu início súbito que piora com a movimentação e melhora com repouso.

DIAGNÓSTICO

O fato é que o quadro de trombose da veia esplênica assemelha-se com o de hipertensão portal, nos levando a tomar medidas parecidas em sua conduta clínica.

Para avaliar o quadro, a Endoscopia Digestiva Alta é o exame de escolha para o diagnóstico. No entanto, também podem ser usados a ultrassonografia, a Tomografia Computadorizada, colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE) e, principalmente, angiografia.

A angiografia é o exame diagnóstico padrão ouro, visto que, na Hipertensão Portal Esquerda, evidencia a oclusão e trombose da veia esplênica em seu terço proximal, fato que confirma o diagnóstico.

COMPLICAÇÕES

            A trombose da veia esplênica pode ocasionar sangramentos devido à formação de varizes de fundo gástrico, que podem se romper, causando hemorragia digestiva alta.

TRATAMENTO

            O tratamento da trombose de veia esplênica pode ser multimodal, de forma a abranger as necessidades que o paciente apresenta naquele momento.

            No caso de um paciente apresentando hematêmese de grande volume, ao chegar na emergência, a conduta correta seria monitorar o paciente, oferecer terapia de suporte, como reposição volêmica e medicações, se necessário, e, posteriormente, indicar a Endoscopia Digestiva Alta, assim que o quadro estiver estável. Posteriormente, pode ser solicitada a Tomografia Computadorizada para a investigação da etiologia do quadro.

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

REFERÊNCIAS

Kfouri CFA, AcCBC-SP , România MCFN, Araújo FO, Monteiro HGG, Silva ALFe, et al. Território esplênico como sede de hemorragia digestiva alta. Relatos Casos Cir.2018;(1):e1661

Celeno P. Semiologia Médica, 8ª edição. 2019; Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788527734998/ [2021 Feb 15].

F.H.N. Netter – Atlas de Anatomia Humana. 2018; Disponível em: https://integrada.minhabiblioteca.com.br/#/books/9788595150553/ [2021 Feb 15].

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.