Medicina da Família e Comunidade

Aleitamento materno: cinco maneira de incentivar com responsabilidade na APS

Aleitamento materno: cinco maneira de incentivar com responsabilidade na APS

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Pós Graduação

As mensagens de promoção em relação ao Aleitamento materno raramente funcionam quando simplesmente dizem às pessoas o que fazer. Todos sabemos como é uma dieta saudável, mas esse conhecimento não nos impede de agir de outra forma. Em vez disso, nosso comportamento é impulsionado pelo ambiente em que vivemos: atitudes públicas, restrições financeiras e apoio de outras pessoas afetam nossa confiança e capacidade de agir.

Apesar do aumento das taxas de aleitamento materno ser uma prioridade estratégica globalmente, o envolvimento de muitos governos muitas vezes só vai tão longe como mensagens inúteis que exaltam as mulheres a amamentar. Estes não funcionam porque não mudam o ambiente em que as mulheres estão tentando amamentar. Eles podem dizer às mulheres que amamentar é importante, mas não oferecem apoio prático, mudam atitudes públicas negativas ou ajudam as mulheres a adiar o retorno ao trabalho. Tudo isso leva muitas mulheres a parar de amamentar antes de estarem prontas.

Em vez de se concentrar em dizer às mulheres que amamentem, os governos devem reconhecer sua responsabilidade mais ampla de saúde pública e trabalhar para criar um ambiente que realmente apoie a amamentação. Não deve ser deixado apenas para instituições de caridade e voluntários. O apoio deve ser parte integrante da sociedade – e implementar uma nova estratégia não é tão difícil quanto você imagina.

Aleitamento materno: Educação e apoio

Uma educação de boa qualidade, em vez de simplesmente uma lista de razões pelas quais as mulheres devem amamentar, é a chave para o sucesso aqui. Antes do parto, as mães devem receber informações sobre como funciona a amamentação, os desafios que podem surgir e de quem podem obter apoio. Os esquemas de apoio de pares são uma fonte altamente valiosa de ajuda prática e emocional para as novas mães, mas em muitos lugares estão ausentes ou tiveram seu financiamento cortado.

Mas não se trata apenas de ensinar as mães, a educação contínua sobre aleitamento materno é crucial para todos os que as apoiam, incluindo médicos de família e equipe de cuidados infantis, para que as mulheres recebam conselhos consistentes e de alta qualidade. No entanto, esta educação não é muito útil, a menos que os funcionários também tenham tempo para trabalhar com as mães após o nascimento.

Aleitamento materno: Aceitação pública

A promoção do aleitamento materno não deve visar apenas as mães, mas a população em geral. Uma mãe pode querer amamentar, mas se as pessoas próximas a ela não entenderem por que, ou como ajudar, sua experiência será mais desafiadora.

O público precisa saber por que é importante apoiar o aleitamento materno e que também tem proteção legal. Esquemas de boas-vindas ao aleitamento materno – as organizações participantes exibem cartazes dizendo que apoiam o aleitamento materno – podem desempenhar um papel importante aqui para tranquilizar as mães e também enviar um forte sinal para potenciais críticos.

A aceitação pública não é apenas um problema para os adultos: as crianças também devem aprender sobre a mama e seu papel na nutrição, saúde e reprodução, assim como qualquer outra parte do corpo. Fazer isso significaria que a próxima geração nem pensaria em questionar a amamentação.

Aleitamento materno: Direitos legais maternos

Países como a Suécia, que têm licença maternidade mais longa e bem remunerada e direitos trabalhistas flexíveis, também têm as taxas mais altas de amamentação. No entanto, no Reino Unido, por exemplo, o salário maternidade cai para apenas £ 140 por semana após seis semanas, e nos EUA é inexistente – o que significa que muitas mães retornam ao trabalho semanas após o parto.

Quando voltam, muitas lutam para continuar amamentando devido às instalações precárias – apesar de pesquisas mostrarem que quando as mulheres têm intervalos privados e pagos para extrair leite, isso leva a uma amamentação contínua e uma equipe mais feliz. Algumas mudanças simples aqui não só permitiriam às mulheres amamentar por mais tempo, mas mostrariam que a sociedade valoriza a maternidade.

Aleitamento materno: Saúde mental

Cuidar de um bebê invariavelmente deixa as novas mães se sentindo exaustas. Em muitas culturas, o cuidado dos filhos não depende de uma mãe, mas de uma aldeia inteira. No entanto, no Ocidente, as novas mães são muitas vezes isoladas, solitárias e exaustas, o que pode tornar a amamentação intransponível.

Na ausência de uma aldeia, o apoio profissional é novamente vital. A pesquisa mostrou que permitir que os visitantes de saúde passem mais tempo com as novas mães, mesmo que simplesmente falem sobre o que estão sentindo, pode ajudar imensamente a saúde mental das mães. As redes de apoio comunitário também são vitais, para reduzir os sentimentos de isolamento, mas elas precisam de incentivo para serem criadas e prosperarem.

Aleitamento materno: Controle de fórmula

O formula salva a vida de bebês que não podem ser amamentados, mas a publicidade desses produtos simplesmente não é necessária. Muitas das alegações feitas já foram contestadas por órgãos de saúde como enganosas ou desnecessárias – mas vários países, incluindo a Grã-Bretanha, ainda precisam impedir que as empresas façam promoções.

Nos países que implementaram esses cinco elementos, houve aumentos claros nas taxas de amamentação. Na Noruega, por exemplo, mães e pais têm licença prolongada e bem remunerada após o nascimento, enquanto as leis são mantidas e os anúncios de fórmula infantil são regulamentados. O Brasil também teve sucesso, seguindo mudanças semelhantes e investindo em mais de 200 bancos de leite materno.

Estamos felizes em investir em outras intervenções de saúde – como leis sobre fumar em locais públicos e proibir tinta com chumbo – então por que não estender essa abordagem de saúde pública para apoiar a alimentação dos bebês? Se quisermos dar às mulheres a melhor chance possível de amamentar, os governos – não as mães – devem assumir a responsabilidade de criar um ambiente que apoie, proteja e permita que elas o façam.

O que preciso saber sobre a pós-graduação em MFC Sanar?

O curso de pós-graduação em MFC foi pensado no dia-a-dia do médico que atua na APS.

Sabemos que atendemos todas as idades e suas queixas em um mesmo dia e não populações ou sistemas específicos como algumas outras especialidades.

Pensamos nos profissionais que já estão atuando no serviço e desejam lapidar suas habilidades, se atualizar e esclarecer dúvidas que surgem ao longo dos casos, tornando-os ainda mais resolutivos e confiantes. O curso é dividido em quatro grandes módulos.

SABER MAIS SOBRE A PÓS

Perguntas Frequentes sobre diarreia crônica

1.Como contribuir a partir da educação?

Antes do parto, as mães devem receber informações sobre como funciona a amamentação, os desafios que podem surgir e de quem podem obter apoio.

2. Basta apenas educar as gestantes?

A promoção do aleitamento materno não deve visar apenas as mães, mas a população em geral.

3. As formulas não devem ser recomendadas?

O formula salva a vida de bebês que não podem ser amamentados, mas a publicidade desses produtos simplesmente não é necessária.