Especialidades

Clínica Médica: residência, mercado de trabalho, áreas de atuação e mais

Clínica Médica: residência, mercado de trabalho, áreas de atuação e mais

Índice

Você já ouviu falar em Médico Internista? Não? Mas tenho certeza que já se consultou com algum. Isso porque o termo é sinônimo para Clínico Geral, médico bastante comum em hospitais e consultórios.

Esse médico é, muitas vezes, aquele de confiança da família, ao qual todos recorrem quando algo está errado e que pode indicar um tratamento ou um outro profissional mais específico. 

Ao contrário do que muitos pensam, para ser Clínico Geral ou Internista é preciso fazer residência. O que gera confusão é que, em alguns locais, o profissional que fez medicina, porém não fez uma residência, também é chamado de Clínico Geral.

A especialização em Clínica Médica é considerada generalista e é a especialidade que conta com o maior número de profissionais no Brasil, sendo 42.728 títulos emitidos de acordo com o estudo Demografia Médica no Brasil 2018

clinica medica

A Clínica Médica é muito importante para a formação de qualquer médico e é considerada  uma das áreas bases da Medicina. Ela está presente como conteúdo do ciclo profissional da graduação e é um dos rodízios obrigatórios no internato, com duração mínima de três meses. 

Além disso, todo médico que escolher uma especialidade clínica, como Cardiologia, Geriatria, Pneumologia, deverá realizar a residência de Clínica Médica antes do ingresso na especialidade. 

O especialista em Clínica Médica 

O Médico Internista ou Clínico Geral é considerado um profissional generalista. E o que isso quer dizer? 

Isso significa que este médico tem um conhecimento mais amplo sobre o corpo humano e está apto para tratar doenças diversas que não necessitem de um acompanhamento exclusivo.

Por isso, muitas vezes é melhor recorrer a um generalista antes de a um especialista, economizando tempo e até dinheiro. Caso seja necessário atendimento mais especializado, ele é o profissional adequado para indicar um outro médico. 

Porém, é muito importante que o profissional especializado em Clínica Médica não se torne um mero “encaminhador”. Ou seja, ao lidar com uma doença comum, ele mesmo pode indicar o tratamento sem necessidade de encaminhar para outro profissional. Por exemplo, não há porque encaminhar hipertensão para cardiologista sendo que o tratamento pode ser facilmente orientado pelo Internista.

Uma grande característica do Internista é ser curioso. É preciso que esse profissional desenvolva a capacidade de refletir, de questionar e de fazer perguntas pertinentes durante o processo de diagnóstico.

É preciso que o Clínico Geral se preocupe em ouvir o paciente e possa identificar fatores externos (trabalho, família, ambiente que vive) que possam gerar os sintomas apresentados.  

Áreas de atuação do Médico Internista e sua rotina

O especialista em Clínica Médica tem como principais áreas de atuação o ambulatório/consultório e os plantões, tanto no serviço público quanto no privado.

O Médico Internista cuida de todas as doenças não cirúrgicas em adulto e também pode atuar como adjuvante no acompanhamento pré e pós operatório do paciente. 

Tendo o Médico Internista uma atuação tão ampla, quando é a hora de procurá-lo? Quase sempre, mas veja algumas situações: 

  • Sofre de várias doenças;
  • Tem queixas múltiplas e variadas;
  • Toma mais de 5 medicamentos por dia;
  • Já procurou outras consultas sem sucesso no diagnóstico;
  • Não sabe atribuir suas queixas a nenhum órgão/sistema específico.

Assim como em outras especialidades, a rotina é diferente dependendo do ambiente de trabalho escolhido. Porém, podemos dizer que diagnóstico, prevenção e tratamento de pacientes adultos fará parte do dia a dia do Médico especialista em Clínica Médica. 

Mercado de trabalho e remuneração

O mercado de trabalho para o Internista é amplo e bastante diversificado. Nas últimas décadas tem sido incentivada a busca pela medicina preventiva e não apenas curativa, o que contribuiu para a valorização do Clínico Geral. 

Além de atuar em consultórios e plantões, existe ainda a possibilidade de ser servidor público, sendo a especialidade com mais vagas em concursos. Além do serviço civil, os clínicos são parte do corpo de saúde de Bombeiros, Polícia militar e Forças armadas.

O atendimento no consultório oferece ao Internista a possibilidade de moldar a sua carga horária e, consequentemente, o retorno financeiro.

Histórico da especialidade Clínica Médica

Assim como algumas outras especialidades, a história da Clínica Médica está bastante ligada com a origem da própria Medicina. 

Para se ter uma ideia dos primórdios desta especialidade, podemos mencionar que os egípcios e babilônios introduziram os conceitos de diagnóstico, prognóstico e exame médico. Posteriormente, os gregos agregaram a importância da ética médica, formando os grandes pilares da medicina interna.

O termo Internista está relacionado a “medicina interna” que se originou do termo alemão Innere Medizin, popularizado no final do século XIX para descrever os médicos que associavam a ciência em laboratórios com o atendimento a pacientes.

Já a palavra Clínica vem do grego klíne, leito, cama. Médico se dizia Iatrós e Klinikós era o médico que atendia os doentes acamados.

No Brasil, a entidade que representa os Médicos Internistas foi fundada no dia 16 de março de 1989 e é conhecida como Sociedade Brasileira de Clínica Médica

A Residência em Clínica Médica

A residência em Clínica Médica é de acesso direto, ou seja, sem pré-requisitos, e tem duração de dois anos, com carga horária de 60 horas semanais. 

O Programa de especialização em Clínica Médica é o que tem o maior número vagas no Brasil e está amplamente disponível na maioria dos estados. Em 2018, foram 6.269 vagas enquanto das outras 54 especialidades restantes, apenas 20 tiveram mais de 1000 vagas ofertadas. 

Mais informações?

Essas matérias podem te interessar:

Confira o vídeo:

Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.