Cirurgia geral

Estudo de caso: homem insere peso de academia no reto

Estudo de caso: homem insere peso de academia no reto

Compartilhar
Imagem de perfil de Ricardo Zantieff

Nos últimos dias, um caso médico publicado na Journal of Surgery Case Reports, importante revista científica, ganhou destaque midiático.  Médicos brasileiros descreveram a remoção de um peso de academia de 2kg do ânus de um paciente de Manaus.

O homem, de 54 anos, chegou até o hospital com queixas de dores abdominais e constipação.

O caso foi tratado com certa estranheza, mas ele não apresenta nenhuma novidade para quem vivencia o ambiente de emergência.

Eu, Dr. Ricardo Zantieff, cirurgião geral e professor de Urgência e Emergência da UFBA, elenquei algumas considerações médicas sobre o caso. Confira!

O que é a inserção de corpo estranho anal?

Ao ocorrido, damos o nome de “inserção de corpo estranho anal”. Faça um exercício: coloque esta expressão no google e faça uma breve interpretação de como esses casos aparecem.

Você encontrará diversos relatos e notícias que abordam esses acontecimentos com um tom que mistura preconceito e caricatura.

Abordagens como essa geram uma situação delicada para leigos e médicos, o que, dada a frequência desses casos, não deveria ocorrer.

Classificação da inserção de corpo estranho anal

A inserção inserção de corpo estranho no ânus pode ser divida em duas categorias:

  • Intencional – Pode ocorrer de forma não-sexual, com pessoas que querem esconder coisas em presídios, por exemplo, ou com cunho sexual;
  • Não intencional – Engloba acidentes envolvendo, normalmente, crianças e pessoas com déficit cognitivo que, por falta de clareza nas ações, acabam realizando tal ato.

Entretanto, a inserção destes corpos pode acontecer em diversas cavidades, principalmente as relacionadas à questões sexuais. Existem relatos de inserção vaginal e uretral, ainda que o último seja mais raro.

Entre os casos que ganharam notoriedade por suas particularidades, a inserção de uma enguia de 50cm no reto, analisada neste artigo, merece sua atenção.

Inserção de objetos no ânus: como conduzir o atendimento médico?

Assim como no caso analisado, os pacientes chegam até a unidade de saúde constrangidos e, raramente, dizem o que aconteceu objetivamente.  Queixas de quedas, escorregões e de abuso de álcool na noite anterior, o que apagaria suas memórias recentes, são recorrentes.

O perfil comum desses pacientes é o seguinte: homens de meia-idade que se declaram como não-homossexuais. Por isso, é fundamental que sua anamnese seja conduzida da melhor forma possível, apresentando uma abordagem clara e detalhada. 

Se o paciente não verbalizar o fato, a indicação é perguntar, ativamente se houve a inserção de algum corpo estranho no reto, sem melindres e mantendo um tom respeitoso.

Por outro lado, o que não deve acontecer, em hipótese alguma, é o constrangimento do outro. Motivações e contextos não são relevantes na condução do caso. 

Análise técnica do caso de inserção do peso da academia no ânus

Uma vez compreendida a situação, é hora de partir para o manejo mais técnico da questão. O exame físico, com avaliação anal, toque retal e anuscopia é fundamental para visualizar e identificar o objeto em questão. Só assim, conseguiremos remover e extrair o corpo estranho.

A remoção pode acontecer manualmente. Posicionando-o  de forma adequada e retirando o objeto através de um anuscopio, na própria emergência. 

Tratando-se objetos maiores, que não conseguem ser retirados por seu tamanho ou por serem pontiagudos, há a necessidade de sedação do paciente, de um bloqueio com anestesia raquidiana.

Nesse processo, há um relaxamento da musculatura do assoalho pélvico, o que aumenta as chances de retirada do objeto. Aqui, o paciente é colocado em posição litotômica e a extração se dá de maneira bem-sucedida.

Objetos no reto: quando é preciso fazer cirurgia?

Em casos ainda mais graves, é necessário realizar cirurgia, que consiste, basicamente, na abertura da barriga e do colo para retirada do objeto.

Outra condição que não pode deixar de ser avaliada é a possibilidade de laceração do reto. Caso a mesma seja constatada, deverá ser realizada uma cirurgia para fechar o oríficio ou lesão.

O paciente que inseriu o peso de academia afirmou ter passado dois dias com os incômodos, o que é comum nessas situações.

Muitas vezes, eles se apresentam após algumas horas ou dias de inserção do corpo estranho, depois de várias tentativas de remoção. Em razão disso, é capaz que já exista uma lesão ou um quadro de peritonite secundária à perfuração do reto.

Alguns protocolos indicam que, em caso de dúvidas após a remoção, seja feita uma sigmoidoscopia.

Caso não seja possível realizar o exame, é recomendado que o paciente fique em observação. Prestando atenção em qualquer alteração em seu quadro.

Outra possibilidade é dar alta ao paciente. Deixando claro que, em caso de qualquer sintoma, ele retorne à emergência, já que a peritonite é potencialmente letal.

Sugestão de leitura complementar

Prepare-se para atender casos como este!

Na rotina de um pronto-socorro, situações como esta aparecerão com certa frequência. Para deixá-lo preparado para atender esses casos de forma segura e precisa, elaboramos a Pós em Medicina e Emergência.

O curso visa estimular o aprendizado do aluno, otimizando o tempo de estudo e tornando-o adaptável à rotina médica. Para saber mais, clique aqui.