Anatomia de órgãos e sistemas

Importância da vitamina E | Colunistas

Importância da vitamina E | Colunistas

Compartilhar

Ysa Souza

8 minhá 17 dias
Fonte: https://www.selecoes.com.br/saude/veja-como-a-vitamina-e-pode-beneficiar-seu-organismo/.

É certo que, para o bom funcionamento do nosso organismo, necessitamos de alguns aspectos que nos proporcione a qualidade tanto fisiológica quanto física. O ponto é que, para que isso aconteça, precisamos de nutrientes que auxiliem na manutenção de nossa fisiologia, como é o caso das proteínas, glicose e não menos importantes, as vitaminas.

As vitaminas são micronutrientes que auxiliam as enzimas e controlam as atividades das células ajudando a manter a saúde da pele e das mucosas, fortalecem o sistema imune, fornecem energia ao organismo, ajudam nos processos de cura de doenças e na desintoxicação do organismo. Por mais que o corpo necessite de vitaminas, ele não é capaz de produzir para suprir essa necessidade, portanto devem ser adquiridas através da alimentação.

As vitaminas são classificadas de acordo com as substâncias em que se dissolvem. As dos tipos A, D, E e K são lipossolúveis, como o próprio nome indica, elas são solúveis em gordura. Já a vitamina C e as do complexo B são hidrossolúveis, sendo solúveis em água. Parte dessas são excretadas pelos rins através da urina, então o uso diário é indicado e indispensável.

Todas elas são importantes para o corpo, porém vamos nos atentar neste artigo apenas sobre a vitamina E.

História

A partir dos anos de 1900, foram-se obtendo resultados de pesquisas e, por consequência, foram descobrindo cada vez mais sobre essas substâncias que o corpo tanto necessitava. Em 1912, o bioquímico polonês, Kazimierz Funk (1884-1967), mais conhecido por Casimir Funk, realizou uma experiência com arroz que levou à primeira formulação do conceito de vitaminas. Somente depois de 30 anos de suas descobertas, os químicos começaram a sintetizar as vitaminas que conhecemos hoje.

A vitamina E tem sido descrita como a vitamina da fertilidade, segundo estudos realizados em animais. Desde 1920, observou-se que, no rato branco, uma dieta só de leite desnatado levava a uma paralisação da reprodução. Herbert McLean Evans (1882–1971) e Katharine

J. Scott Bishop (1889-1976) observaram em 1922 que isso era devido à ausência de uma substância lipossolúvel na dieta, substância essa, que estava presente nas folhas verdes e sementes de trigo.

Vitamina E é um conjunto de oito compostos, quatro da família dos tocoferóis e quatro da família dos tocotrienóis (sendo em ambos, alfa, beta, gama e delta). O alfa-tocoferol tem a maior atividade da vitamina E, com uma grande função antioxidante geral. Em 1968 foi reconhecida como um nutriente essencial para os seres humanos pela Food and Nutrition Board do National Research Council, dos Estados Unidos.

O tocoferol é muito apolar e existe principalmente na fase lipídica dos alimentos. Ele desativa os radicais livres doando uma molécula H+ fenólico e um elétron. Acredita-se que contribui[A1]  também para a estabilidade da membrana devido à sua atividade antioxidante, além do que, os tocoferóis naturais ajudam a manter a estabilidade dos óleos vegetais altamente insaturados por meio dessa ação antioxidante.

Função

Todas as vitaminas possuem e desempenham papéis importantes no nosso organismo, como auxiliar a melhoria e manutenção da homeostase e nesse sentido, a vitamina E tem um enorme trabalho que favorece nosso corpo. Ela não é produzida internamente, por isso, deve ser ingerida através da alimentação cerca de 15 mg/dia para adultos saudáveis, mas nem sempre as pessoas fazem consumo dos alimentos ricos na dita substância.

Sua principal função é a ação antioxidante, como dito anteriormente, realizada principalmente pelo alfa-tocoferol, encontrado com mais facilidade na vitamina, grande responsável pela prevenção do envelhecimento precoce.

Antioxidantes são substâncias que, quando presentes em pequenas concentrações comparadas com o substrato oxidável, retardam ou inibem de forma significativa a oxidação desse substrato, sendo, portanto, agentes responsáveis pela inibição e redução das lesões causadas pelos radicais livres nas células (BIANCHI; ANTUNES, 1999; DOLINSKY, 2009). O sistema antioxidante evita danos às células, alterações de proteínas e patologias. Também protege a pele da formação de radicais livres, entretanto seu potencial de ação diminui ao longo dos anos.

Estudos sobre a ação antioxidante da vitamina E no organismo afirmam sua importância no retardo do envelhecimento precoce e também na proteção contra danos ao DNA. Porém, a atividade da vitamina E depende desse fator antioxidante que mantém o alfa-tocoferol em seu estado não oxidado. Por ser lipossolúvel, a vitamina E pode ser transportada em lipoproteínas plasmáticas, adentrando aos locais de armazenamento de gorduras, onde é responsável por proteger os ácidos graxos poli-insaturados da oxidação (SHILS et al., 2009).

A vitamina E é muito importante no papel de proteger a membrana da peroxidação lipídica (reações resultantes da ação dos radicais livres sobre os lipídios que leva às alterações em sua estrutura e permeabilidade). Quando não há vitamina E suficiente, os radicais livres estimulam a peroxidação dos PUFAs, que são os constituintes dos componentes estruturais das membranas. Essa destruição leva ao desenvolvimento anormal da estrutura celular e ao seu comprometimento (MAHAN; ESCOTT-STUMP, 1998; SCOTTI; VELASCO, 2003). A vitamina E previne o dano oxidativo celular pela inativação desses radicais livres, impedindo que a membrana celular seja afetada.

Excesso

Como o nome já indica, o excesso ou hipervitaminose é o aumento demasiadamente alto dos níveis de vitamina no organismo de uma pessoa por longos períodos. A intoxicação por vitamina E, assim como no caso da deficiência, é rara, porém acontece, principalmente quando o indivíduo faz ingestão de suplemento de vitamina E. Os sinais que uma pessoa pode apresentar em casos de doses elevadas são:

  • Risco de hemorragia;
  • Fraqueza muscular;
  • Fadiga;
  • Náuseas;
  • Diarreia.

Deficiência

Deficiência ou hipovitaminose é a diminuição altamente significativa dos níveis de vitamina por longos períodos.  A manifestação de sua deficiência por vitamina E também é rara, porém pode ocorrer em pessoas que tenham algum problema que impeça ou diminua a absorção dessa vitamina. A deficiência quando rotulada como grave causa anemia que, por sua vez, provoca problemas como:

  • Fraqueza muscular;
  • Perda de massa muscular;
  • Distúrbios de marcha;
  • Problemas na visão (retinose pigmentada);
  • Doenças neurológicas;
  • Aumenta o risco de aborto;
  • E causa fragilidade capilar.

Fontes  

As vitaminas, em geral, são encontradas em diversos alimentos que devem fazer parte da nossa dieta diária. A vitamina E é encontrada principalmente no:

  • Gérmen de trigo;
  • Carnes;
  • Ovos;
  • Óleos (algodão, milho, soja, azeite de dendê);
  • Amêndoas;
  • Nozes;
  • Manteiga;
  • Castanha-do-Pará;
  • Amendoim;
  • Semente de girassol;
  • Gergelim;
  • Vegetais folhosos (espinafre, couve e agrião);
  • Linhaça;
  • Soja.
Fonte: https://www.cpt.com.br/saude/vitamina-e-importancia-fontes-de-alimentos-valores-nutricionais-carencia-e-excesso.

Conclusão

Como foi visto, a vitamina E é extremamente importante para a saúde das células e, consequentemente, da pele. É ela quem permite que as células mantenham sua funcionalidade e capturem os radicais livres que danificam a membrana celular. Portanto, concluímos que a vitamina E é indispensável na dieta de um indivíduo, devendo ser consumida diariamente para que sua funcionalidade esteja em vigor, nos proporcionando uma pele saudável e as células sempre em ordem. Ressaltando que, essa vitamina também ajuda na prevenção de doenças e mesmo na fertilidade.

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.