Dermatologia

PSORÍASE: o que a diferencia dentre as eritematodescamativas?

PSORÍASE: o que a diferencia dentre as eritematodescamativas?

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Pós Graduação

Dentre as diversas formas de lesões eczematopruriginosas, temos a psoríase, quadro típico que pode ser confundido com outras condições por suas múltilplas vias de apresentação.

Conceituação:

Assim, o primeiro passo para conseguir identifica-la é compreender o que a define e qual sua origem, temos que:

  • É uma dermatose crônica caracterizada principalmente por lesões eritematoescamosas.
  • Acomete igualmente ambos os sexos.
  • Pode aparecer em qualquer idade, sendo mais frequente na terceira e quartas décadas da vida.
  • Sua ocorrência é universal.
  • Considerada uma doença mediada por mecanismos imunológicos, mas, até o presente, nenhum antígeno específico foi reconhecido na psoríase.

Etiologia da psoríase:

Mas, para atuarmos diretamente sobre ela, a base de sua causa precisa ser conhecida, fator impeditivo até o momento, já que é definida por ter:

  • Causa desconhecida.
  • Predisposição geneticamente determinada e de herança multifatorial.
  • Considerada uma doença mediada por mecanismos imunológicos, mas, até o presente, nenhum antígeno específico foi reconhecido na psoríase.

Assim, o conhecimento de sua etiologia não é considerado suficiente, sendo necessário analisar os fatores causais e de agravo, sejam eles:

Fatores desencadeantes:

  • Trauma cutâneo de diversas naturezas – físico, químico, elétrico, cirúrgico, inflamatório.
  • O desencadeamento da psoríase aguda pode estar relacionado ao papel do estreptococo beta-hemolítico.

Fatores de exacerbação:

  • Doentes com infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) apresentam exacerbação importante.
  • Drogas responsáveis por agravar a doença: lítio, betabloqueadores, antimaláricos e anti-inflamatórios não hormonais.
  • A administração e interrupção de corticoide sistêmico resulta no agravamento ou desenvolvimento de forma grave.
  • Estresse emocional também é relatado como responsável por exacerbar a doença.

DESTAQUE IMPORTANTE!

Fenômeno isomórfico, ou Reação de Koebner:

Psoríase é uma das condições dermatológicas em que o trauma pode determinar o aparecimento de lesão em área não comprometida.

Sabendo-se quais os fatores podem estar associados, o próximo passo é ter em mente as principais formas de acometimento, para que o profissional e/ou estudante sejam capazes de identificar durante o exame clínico e assim, formar a sua principal hipótese diagnóstica, a qual irá direcionar os próximos passos do atendimento.

Para isso, temos que:

Formas típicas de apresentação da psoríase

PSORÍASE VULGAR (OU EM PLACAS)Manifesta-se por placas eritematoescamosas bem delimitadas, de tamanhos variados, afetando, geralmente de forma simétrica, a face de extensão dos membros, particularmente joelhos e cotovelos, couro cabeludo e região sacral.
PSORÍASE EM GOTASManifesta-se pelo aparecimento súbito de pequenas pápulas eritematodescamativas de 0,5 a 1 cm de diâmetro, geralmente localizadas no tronco.
PSORÍASE ERITRODÉRMICAEritema intenso, de caráter universal, acompanhado de escamação discreta.
PSORÍASE PUSTULOSAForma generalizada da psoríase pustulosa caracteriza-se por um quadro de lesões eritematoescamosas e pustulosas generalizadas, e é conhecida pela denominação de psoríase de Von Zumbusch.
PSORÍASE ARTROPÁTICAA forma mais frequente é uma mono ou oligoartrite assimétrica de fácil controle e bom prognóstico, que afeta particularmente as articulações interfalangianas distais ou proximais.
Principais formas de apresentação da psoríase

A partir das formas típicas, é possível que o diagnóstico seja guiado pela busca de seus sinais e sintomas mais comuns, assim temos que:

Sinais e sintomas mais comuns da psoríase:

Variam de paciente para paciente, conforme o tipo da doença, podendo incluir:

  • Manchas vermelhas com escamas secas esbranquiçadas ou prateadas;
  • Pequenas manchas brancas ou escuras residuais pós lesões;
  • Pele ressecada e rachada; às vezes, com sangramento;
  • Coceira, queimação e dor;
  • Unhas grossas,  sulcadas, descoladas e com depressões puntiformes;
  • Inchaço e rigidez nas articulações.

Diagnóstico da psoríase:

  • Sua identificação é feita mediante exame clínico direito, com identificação e análise do tipo de lesão apresentada, assim como o seu padrão de distribuição.
  • É necessária a consideração de possíveis diagnósticos diferenciais, como algumas formas de eczema, pitiríase rósea, sífilis secundária.
  • Outros métodos podem ser empregados para a diferenciação entre os tipos mais atípicos, por meio de curetagem metódica ou até histopatologia.

Como a diferenciar da dermatite seborreica?

As lesões de psoríase no couro cabeludo costumam ser placas bem delimitadas, o que as diferencia das lesões de dermatite seborreica.

Achados histopatológicos:

LESÃO TÍPICA– Alongamento das cristas epiteliais, com afinamento na porção suprapapilar. – Papilas alargadas e edemaciadas.
ACHADOS COMPLEMENTARESEm epiderme, ParaqueratoseDesaparecimento da camada granulosaPresença de agrupamentos de neutrófilos (microabscessos de Munro).  
Achados histopatológicos

O que deve ser alertado ao paciente com psoríase?

  1. Deve-se esclarecer ao paciente que se trata de uma doença cutânea, não contagiosa, sem comprometimento sistêmico e de evolução imprevisível.
  2. Deve ser informado o possível acometimento articular.
  3. Deve-se ressaltar que os recursos terapêuticos possibilitam o controle da afecção, apesar da inexistência de tratamento definitivo.

Após a definição do diagnóstico, o último passo é fornecer conforto ao máximo, visto a padrão crônico de convivência com a patologia, que pode ser incomoda ao paciente ao longo de vários anos.

Entretanto, quais as alternativas disponíveis atualmente? Confira!

Tratamento da psoríase:

  • É definido de acordo com tipo da psoríase, da extensão do quadro e também de fatores como idade, ocupação, condições gerais de saúde, nível intelectual e socioeconômico do doente.
  • A principal recomendação para estes pacientes é a exposição à radiação solar, sempre que possível.
  • Já dentre as alternativas medicamentosas para o controle, temos como opções:
  1. Corticosteroides tópicos
  2. Coaltar
  3. Método de goeckerman
  4. Antralina (ou ditranol)
  5. Análogos da vitamina D
  6. Medicações tópico-sistémica
  7. Medicações sistêmicas

Conheça nossa pós em dermatologia!

Quer prestar prova de título para dermatologia? Veja nossa PÓS GRADUAÇÃO EM DERMATOLOGIA!

A pós em Dermatologia é para você, médico e médica, que possui interesse na área e/ou recebe pacientes com queixas dermatológicas. Com a pós você se prepara para diagnosticar, prevenir e tratar as principais doenças dermatológicas com mais segurança e assertividade. As aulas teóricas online são divididas em 6 eixos, com disciplinas sobre dermatoses, infecções e inflamações, cosmiatria, entre outras.

Perguntas frequentes

1.O que deve ser alertado ao paciente após o diagnóstico de psoríase?

Deve-se esclarecer ao paciente que se trata de uma doença cutânea, não contagiosa, sem comprometimento sistêmico e de evolução imprevisível.

2. Como diferenciar a psoríase da dermatite seborreica?

As lesões de psoríase no couro cabeludo costumam ser placas bem delimitadas, o que as diferencia das lesões de dermatite seborreica.

3. Quais as causas base da psoríase?

Causa desconhecida ou idiopática, com padrão já conhecido de predisposição geneticamente determinada e de herança multifatorial.