Psiquiatria

Risco de suicídio

Risco de suicídio

Compartilhar

Sanar Pós Graduação

4 min há 28 dias

O risco de suicídio é a probabilidade que a ideação suicida leve ao ato suicida e tenha como desfecho a morte autoinduzida.

This image has an empty alt attribute; its file name is 02b-5.png

O risco de suicídio deve ser avaliado e quantificado, levando em consideração a presença de um plano, tipo de plano, comorbidades, tentativas prévias, tentativa atual, risco de recidiva do ato etc.

Expressões que abrangem ideação e comportamento suicidas

  • Tentativa de suicídio abortada
  • Automutilação deliberada
  • Letalidade ou comportamento suicida
  • Ideação suicida
  • Intenção suicida
  • Tentativa de suicídio
  • Suicídio

Fatores associados ao aumento de risco para o suicídio

  • Presença de doenças psiquiátricas: transtorno depressivo maior, transtorno bipolar;
  • Sintomas psiquiátricos específicos: ansiedade, desesperança, impulsividade/agressividade;
  • História psiquiátrica prévia: tentativas anteriores de suicídio, história de abuso físico/sexual na infância;
  • Estressores psicossociais e aspectos psicodinâmicos: desemprego, perdas recentes, vingança, raiva, ódio;
  • Doenças físicas: Aids, epilepsia, lesões medulares, lesões cerebrais, neoplasias, Coreia de Huntigton;
  • História familiar de suicídio em parentes próximos.

Avaliação

A entrevista psiquiátrica é o elemento essencial para avaliar o risco de suicídio de um paciente. Durante a anamnese, deve-se obter informações a respeito do histórico médico e psiquiátrico, além do estado mental atual do paciente.

É essencial questionar sobre sentimentos e comportamentos suicidas a pacientes deprimidos. Essa pode ser a primeira oportunidade que o paciente tem de falar sobre ideação suicida já presente há algum tempo.

This image has an empty alt attribute; its file name is 04b-4.png

Manejo

Após o psiquiatra iniciar a avaliação adequada e cuidados clínicos do paciente, o profissional pode, de acordo com o SUS, encaminhar o paciente basicamente para internação hospitalar, Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) ou atendimento ambulatorial comum.

Indicação de tratamento medicamentoso de urgência

  • Paciente ansioso ou insone: Benzodiazepínico
    • Diazepam 5 a 10mg, VO, 1 a 3 vezes ao dia
    • Clonazepam 0,5 a 2mg, VO, 1 a 3 vezes ao dia

Curso gratuito em Medicina de Emergência

Confira também nosso CURSO GRATUITO EM MEDICINA DE EMERGÊNCIA.

Referências

  1. American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.
  2. ASTETE DA SILVA, A.; BRAGA, M.C; PEREIRA SOUZA, M e colaboradores. Diretoria de Política de Urgência e Emergência: Protocolo de manejo das urgências. Curitiba, 2015.
  3. SADOCK, BJ; SADOCK, V; RUIZ, P. Compêndio de psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. 11. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.
  4. SCHMITT, R; COLOMBO T. Programa de atualização em psiquiatria: emergências psiquiátricas. 2012;2(1): 119-164.

Créditos:

Fundo vetor criado por rawpixel.com – br.freepik.com

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.