Especialidades

Cirurgia Torácica: residência, áreas de atuação, rotina e mais!

Cirurgia Torácica: residência, áreas de atuação, rotina e mais!

Índice

A cirurgia torácica trata doenças da caixa torácica por meio de intervenções convencionais, vídeo-assistidas, guiadas por imagem ou pela endoscopia, com exceção das cirurgias de coração, caso sejam eletivas.

Porém, também pode acontecer de o cirurgião torácico ser responsável ou consultado em situações relativas a cabeça e pescoço e diafragma. No Brasil, é comum que o profissional realize ainda intervenções no esôfago pelo abdômen.

Em diferentes cenários, o especialista em cirurgia torácica trabalha em colaboração com outros médicos, como pneumologistas, radiologistas intervencionistas, radio-oncologistas, oncologistas e cirurgiões em geral. Esses médicos são encarregados de determinar a melhor abordagem para doenças oncológicas, infecciosas ou funcionais.

Neste artigo, você vai saber mais sobre essa especialidade, conhecer o mercado de trabalho e descobrir como funciona a residência médica em cirurgia torácica. Vamos lá?

O especialista e sua rotina

A rotina do cirurgião do tórax segue o padrão das especialidade cirúrgicas, com exceção da cirurgia geral e do trauma, que têm seu cotidiano baseado em cirurgias de urgência.

No tórax, a maioria dos procedimentos é eletivo e não existem dezenas de casos urgentes semanais – elas são pontuais e muitas vezes relacionadas a casos de obstrução das vias aéreas ou perfurações dos órgãos intratorácicos, que muitas vezes são manejadas pelo cirurgião geral, seguido da abordagem do especialista do tórax em casos de difícil resolução.

O contato com os pacientes muitas vezes é iniciado por intermédio de outros especialistas, que, em seguida, discutem e encaminham o indivíduo para a resolução cirúrgica das doenças do tórax.

Contudo, nos últimos anos tem se tornado mais comum a procura direta dos pacientes pelos serviços de cirurgia torácica, em virtude da disseminação da informação por meio da internet.

A consulta costuma ser direcionada para problemas específicos e o cirurgião conta com o auxílio de equipes multidisciplinares para lidar com problemas de saúde que demandam seguimento por clínicos gerais, cardiologistas etc.

As características de um cirurgião de tórax

Um bom cirurgião de tórax deve estar sempre preparado para discutir de igual para igual sobre as doenças com os colegas pneumologistas e cardiologistas.

Outra competência necessária é a ciência dos critérios de estadiamento e abordagem oncológica para determinar a melhor linha de diagnóstico e tratamento de neoplasias do tórax.

O especialista deve ser estudioso e curioso, sabendo pesquisar e elaborar as questões certas para cada tipo de problema identificado.

Por conta do constante contato com médicos de outras especialidades e da característica multidisciplinar do trabalho, o cirurgião do tórax também deve ter capacidade de trabalhar bem em equipes. 

Mercado de trabalho e remuneração

No Brasil, existem 992 cirurgiões de tórax, segundo o último levantamento feito pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Esses profissionais estão concentrados no sul e sudeste do país, onde atuam mais de 74% deles e também onde estão localizados os principais centros de formação na especialidade.

Após a residência, não é incomum a permanência dos recém-formados nos centros acadêmicos para mais um ou dois anos de especialização. Na posição chamada de R5, o profissional consolida conhecimentos básicos da área e avança em procedimentos realizados por vídeo, oncologia torácica ou treinamento em transplantes.

A oferta de fellowship em países europeus ou nos Estados Unidos tem se tornado uma opção para a formação avançada de cirurgiões brasileiros. Isso dá ao profissional maior abertura para vagas no exterior ou uma posição diferenciada no retorno para o Brasil.

Após a formação, é comum que o cirurgião de tórax procure trabalhar em hospitais de cuidados terciários e quaternários, com unidades de terapia intensiva e equipe multidisciplinar treinada para lidar com situações de maior complexidade.

Remuneração

O modelo de remuneração do cirurgião torácico não permite uma apuração adequada para responder a essa pergunta. Entretanto, uma pesquisa divulgada pelo Guia da Carreira aponta que o cirurgião ocupa o segundo lugar na lista de especialidades médicas mais bem remuneradas.

Já o site Dissídio fez um levantamento da média salarial por estado, mostrando que o número pode variar de R$ 998, em Sergipe, a R$ 11.302, no Rio Grande do Sul.

A residência médica em cirurgia torácica

A residência médica em cirurgia torácica tem duração de dois anos e pré-requisito de outros dois anos de residência em cirurgia geral. Depois de terminados os 4 anos, há a possibilidade de continuar se especializando, como falamos no tópico anterior.

O residente divide o seu tempo entre atividades práticas supervisionadas e atividades teóricas e de pesquisa. A proporção costuma ser de 80% do tempo dedicado à prática e os 20% restantes, aos demais afazeres. No entanto, esse percentual pode variar de acordo com a instituição de ensino.

O residente treinará procedimentos para o tratamento de doenças no pulmão, pleura, mediastino, parede torácica e diafragma, áreas mais comumente operadas por esse especialista.

Se você se interessa pela área e pensa em fazer residência médica em cirurgia torácica, clique aqui e saiba como se preparar para as provas!

Links relacionados:

Confira o vídeo:

Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.