Especialidades

Imunologia e Alergologia: residência, áreas de atuação, rotina e mais!

Imunologia e Alergologia: residência, áreas de atuação, rotina e mais!

Índice

Alergia e Imunologia é a especialidade médica que visa o diagnóstico e tratamento de um grande grupo de doenças que são mediadas por alterações do sistema imunológico. A atuação com doenças alérgicas é a área mais conhecida da especialidade, já que 30% da população mundial sofre com alergias — o que corresponde a 2 bilhões de pessoas.

No Brasil, existem 1.601 médicos titulados em alergia e imunologia, segundo os dados mais recentes do Conselho Federal de Medicina. A maioria desses profissionais (67%) atua na região sudeste do país. 

Se você se interessa por essa especialidade e quer saber mais sobre a carreira, mercado de trabalho e residência médica em alergia e imunologia, continue lendo!

O especialista e sua rotina

O dia a dia do alergista/imunologista se dá, essencialmente, na realização de consultas ambulatoriais e testes diagnósticos, que variam de acordo com o perfil do especialista. O atendimento ambulatorial é composto, em sua maioria, pelos casos de doenças alérgicas. No campo das imunodeficiências, as mais comuns são as secundárias e a deficiência de anticorpos. 

Confira um resumo dos diagnósticos da rotina do especialista:

  • asma;
  • rinite alérgica;
  • dermatite atópica;
  • alergia alimentar;
  • urticária/angioedema;
  • alergia a medicamentos;
  • dermatite de contato;
  • alergia a veneno de insetos;
  • reações vacinais;
  • anafilaxia;
  • mastocitose;
  • angioedema hereditário;
  • esofagite eosinofílica;
  • deficiência de IgA;
  • Imunodeficiência comum variável;
  • agamaglobulinemia;
  • outras imunodeficiências humorais;
  • imunodeficiências celulares;
  • imunodeficiências combinadas;
  • doença granulomatosa crônica;
  • síndromes bem definidas cursando com imunodeficiência;
  • síndromes de hiper IgE;
  • síndrome hipereosinofílica;
  • imunodeficiências secundárias;
  • herpes e candidíase de repetição;
  • doenças autoimunes;
  • doenças autoinflamatórias.

Um ponto interessante sobre a rotina do especialista é a possibilidade de atuar no laboratórios em centros de pesquisa, envolvendo as mais diferentes áreas de pesquisa em imunologia. A indústria farmacêutica também é uma ampla área de atuação do alergista/imunologista. 

Essas são as principais funções do especialista:

  • acompanhamento multidisciplinar de doenças imunomediadas em diversas especialidades;
  • imunoterapia para inalantes;
  • imunoterapia para veneno de insetos;
  • diluições de extratos alergênicos;
  • diagnóstico e indução de tolerância a medicamentos e alimentos;
  • testes de broncoprovocação;
  • realização e interpretação de prova de função pulmonar;
  • testes cutâneos para avaliação de imunidade imediata e tardia;
  • testes para urticária física;
  • terapia com imunoglobulina;
  • terapia com imunobiológicos;
  • biópsia cutânea;
  • pesquisa laboratorial.

As características do alergista/imunologista

O alergista/imunologista precisa pensar de forma ampla, com raciocínio científico, compreendendo que as doenças muitas vezes não se apresentam com todos os comemorativos descritos nos livros. O especialista também deve ter um conhecimento detalhado sobre o funcionamento do sistema imune. 

Mercado de trabalho e remuneração

De modo geral, a perspectiva profissional para o alergista/imunologista é boa e existe uma diversidade considerável de áreas de atuação. A abrangência de atendimentos a adultos e crianças aumenta bastante o público-alvo do especialista, que pode atuar em clínicas particulares, hospitais (em regime de sobreaviso ou em atendimentos ambulatoriais) ou laboratórios. 

Os procedimentos que fazem parte da rotina do médico geralmente têm bom retorno financeiro e representam um importante papel nos serviços prestados em conjunto com as consultas. 

Também existe a possibilidade de exercer atividades assistenciais ou acadêmicas em instituições universitárias, o que possibilita o desenvolvimento do conhecimento científico no exercício da especialidade. 

O início da carreira pode não ser fácil — o lugar do especialista no mercado de trabalho vai sendo sedimentado com o tempo e planejamento, mas como falamos, as perspectivas são boas. 

Remuneração

A remuneração do alergista/imunologista pode variar bastante a depender da experiência do profissional e da região em que atua. Um levantamento feito pelo site Dissídio aponta que, em Brasília, a média salarial é de R$ 8.271,50, a mais alta do país. O menor salário médio para esse especialista aparece no Pará — R$ 998,00.

A residência médica em imunologia e alergologia

A residência médica em imunologia clínica e alergia tem duração de dois anos e o pré-requisito de outros dois anos de residência em clínica médica ou pediatria, respectivamente, sendo que os processos seletivos são independentes.

Em geral, as atividades do residente correspondem à do especialista, que descrevemos acima — a diferença é que elas são supervisionadas. Além da parte prática, o programa também conta com atividades didáticas e científicas. a proporção desses afazeres varia de acordo com a instituição de ensino. 

Após o término da residência, o profissional deverá fazer uma prova de título para se tornar um especialista credenciado pela Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI).

A área da alergia e imunologia representa bem a história de passado e presente da medicina e tem boas perspectivas para o futuro. A valorização do indivíduo em suas características imunológicas e genéticas únicas é o ponto crucial que permite o avanço das terapias para o tratamento de diversas doenças.

Se você se interessa por essa especialidade e gostaria de fazer residência médica em alergia e imunologia, clique aqui e saiba como se preparar para as provas!

Confira o vídeo:

Links relacionados:

Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.