Carreira em Medicina

Mamografia e ultrassom das mamas: entenda cada exame | Colunistas

Mamografia e ultrassom das mamas: entenda cada exame | Colunistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Comunidade Sanar

Grande parte das mulheres está familiarizada com o exame de mamografia, que é o mais solicitado para o rastreio de Câncer de Mama. Entretanto, em certas ocasiões pode ser necessário um ultrassom de mama em vez de uma mamografia.

Então, qual é a diferença entre esses exames?

Mamografias e Ultrassom de Mamas: as diferenças chaves.

A mamografia é um exame de raios-X das mamas. Ela consiste em radiografar cada mama em uma sequência de incidências, de cima (craniocaudal), de lado (médio-lateral) e às vezes em ângulo (oblíquo), para visualizá-la completamente.

O exame é realizado em um aparelho de raio-X especial, o mamógrafo. A partir da atenuação dos raios-X pelos diferentes constituintes das mamas, este dispositivo produz imagens em alta resolução.

Imagens de mamografia permitem detectar alterações mamárias, como massas ou focos de microcalcificações, que podem sugerir a presença de lesão neoplásica.

Apesar de utilizar uma fonte de raio-X, a dose de radiação ionizante utilizada nos modelos atuais de mamógrafos é baixa e o risco de câncer provocado pela exposição à radiação durante mamografias não é mais significante.

Ao contrário da mamografia, o ultrassom da mama não usa radiação, mas sim ondas sonoras de alta frequência. As ondas sonoras são enviadas por meio de um equipamento especial do ultrassom, o transdutor, que é colocado em diferentes locais e ângulos na mama.

As ondas sonoras se movem pela pele e outros tecidos mamários e são ricocheteadas dependendo da densidade desses tecidos. O transdutor capta as ondas refletidas, que são convertidas em imagem dos seios.

Qual devo fazer? Limitações e indicações.

Atualmente, a mamografia é o exame radiológico mais recomendado para o rastreamento do câncer de mama. Estudos evidenciaram que o rastreio por mamografia diminui a mortalidade por câncer de mama em mulheres entre 50 e 69 anos.

Em função disso, a mamografia é indicada para todas as mulheres nessa idade, bianualmente, como recomendado pelo Ministério da Saúde.

No entanto, a sensibilidade da mamografia no diagnóstico do câncer de mama é influenciada por diversos fatores, principalmente a idade, a densidade mamária e o histórico familiar.

A densidade das mamas é o fator mais importante na sensibilidade da mamografia. Os tumores malignos são densos (imagens claras ao raio-X) e, portanto, em uma mamografia, podem não ser diferenciados se o tecido mamário normal também for denso (também claro).

Essa situação é comum em mulheres jovens e, por isso, a mamografia não é indicada para essa população. O ultrassom de mamas tem ótima utilidade nesses casos.

O tecido mamário denso é hiperecóico (imagem clara) ao ultrassom, enquanto a maioria dos cânceres de mama é hipoecóico (imagem escura). Portanto, o ultrassom das mamas pode ser capaz de diferenciar lesões neoplásicas em meio ao tecido mamário normal denso.

De forma geral, um ultrassom não é usado como a principal ferramenta de triagem para o câncer de mama.

Apesar disso, ele tem grande utilidade quando indicado em complementação à mamografia, uma vez que fornece informações adicionais importantes para o diagnóstico de possíveis lesões.

Outra grande utilidade do ultrassom de mamas é no esclarecimento diagnóstico entre lesões sólidas (maior risco de malignidade) e císticas (menor risco de malignidade).

Em resumo, temos as seguintes indicações para mamografia e ultrassom de mamas no rastreio do câncer de mama:

  • Mamografia:
    • Todas as mulheres entre 50 e 69 anos.
  • Ultrassom de mamas:
    • Mulheres com mamas densas (ex: menores de 30 anos);
    • Necessidade de caracterizar uma lesão descoberta na mamografia como sólida ou cística;
    • Durante a gravidez, já que o ultrassom não usa radiação.
Fonte: https://drpixel.fcm.unicamp.br/

A imagem acima evidencia a variação da sensibilidade. A mamografia apresenta maior sensibilidade para o rastreio em mulheres com mamas predominantemente adiposas (A). O rastreio mamográfico é prejudicado em mamas densas (B). Nesses casos, o ultrassom das mamas é indicado para melhor visualização de possíveis lesões (C).

O preparo para os exames

Não há necessidade de preparo para a realização dos exames de imagem das mamas. Entretanto, deve-se atentar a algumas orientações. Não se deve usar desodorantes, talcos, perfumes, pomadas ou cremes nos seios ou nas axilas.

Essas substâncias podem prejudicar o exame e, também, simular microcalcificações, levando à achados anormais falsos.

Caso esteja grávida, informe o seu médico ou radiologista. Nestes casos, não poderá ser realizado o exame de mamografia, sendo indicado o uso do ultrassom de mamas.

Interpretando os exames da mama: Sistema BI-RADS

A interpretação dos exames de imagem das mamas é uma tarefa complexa devido à grande diversidade de achados que podem estar presentes. Para padronizar e uniformizar os laudos dos resultados de mamografias e ultrassons de mamas, o Colégio Americano de Radiologia (ACR) instituiu, no final dos anos 80, o sistema BI-RADS.

Os achados nos exames de imagem das mamas são classificados em uma das sete categorias descritas na tabela a seguir, para os quais existem recomendações específicas de que conduta deve ser seguida.

BI-RADS Conclusão Conduta
0 Inconclusivo/Incompleto Avaliação de imagem adicional (ex: ultrassom)
1 Negativo – Sem achados na imagem Mamografia bianual
2 Achados benignos – 0% de probabilidade de malignidade Mamografia bianual
3 Achados provavelmente benigno – <2% de probabilidade de malignidade Controle com novo exame de imagem em 6 meses
4 Achados suspeito de malignidade – 2-94% de probabilidade de malignidade Realizar biópsia
5 Achados altamente sugestivo de malignidade – > 95% de probabilidade de malignidade Realizar biópsia
6 Malignidade comprovada por biópsia conhecida Tratamento de acordo com o tumor

Lembre-se: mamografia e ultrassom de mamas são exames complementares. Para cada um deles existem indicações e limitações específicas.

Cabe ao médico responsável avaliar as características e indicar o exame de imagem mais bem adequado para cada paciente.

Além disso, a interpretação e a orientação mais adequadas devem ser dadas pelo médico responsável com base em informações adicionais da paciente, como sua história clínica.

Sugestão de conteúdo complementar

Esses artigos podem ser do seu interesse:

Veja também: