Especialidades

Medicina de Família e Comunidade: Residência, duração, remuneração, rotina, e mais!

Medicina de Família e Comunidade: Residência, duração, remuneração, rotina, e mais!

Índice

A Medicina de Família e Comunidade (MFC) é uma especialidade médica que presta assistência à saúde continuada, integral e abrangente. Existe um foco na família e na pessoa, com orientação para a comunidade.

O especialista em Medicina de Família e Comunidade (MFC) atende pessoas de todas as idades e de ambos os sexos, prestando assistência de forma permanente e contínua.

Ou seja, o atendimento não acontece apenas quando existe um problema de saúde. Este profissional também é responsável por realizar trabalho de prevenção, cura e reabilitação. 

Para se ter uma ideia da importância dessa especialidade para a saúde pública, uma equipe de saúde da família bem formada resolve de 75 a 85% dos problemas trazidos pela comunidade.

Veja alguns exemplos de funções desempenhadas pelo médico de família e comunidade: 

  • Tratamento de doenças
  • Promoção e a proteção da saúde
  • Prevenção de doenças
  • Redução de danos
  • Reabilitação

O médico de família e a sua rotina 

Além de atuar diretamente com os pacientes e suas famílias, o médico especialista em Medicina de Família e Comunidade também é responsável por atividades em grupo e articulações comunitárias.

Ele deve tratar doenças e garantir a continuidade do cuidado, mas também promover a organização política e social das comunidades em que trabalha. Por isso, para garantir uma boa assistência, é desejável que o profissional da área da família e comunidade tenha características como:

  • Espírito de equipe
  • Postura empática, atenta e disponível
  • Consciência da importância da relação médico-pessoa 

E como este profissional participa da rotina de um posto de saúde, por exemplo? Veja abaixo algumas atividades realizadas no dia a dia do especialista: 

  • Visitas domiciliares
  • Reuniões com a equipe 
  • Reuniões administrativas
  • Atividades comunitárias
  • Atendimentos ambulatoriais
  • Pequenos procedimentos
medicina de familia e comunidade

As áreas de atuação da Medicina de Família e Comunidade

O especialista em medicina de família e comunidade tem papel importante na Atenção Primária em Saúde (APS), estratégia de atuação que faz parte de políticas, programas e serviços que estruturam o Sistema Único de Saúde (SUS).

Em geral, o especialista atuará em postos de saúde acompanhado de enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes comunitários de saúde.
Sendo assim, esse tipo de médico está presente tanto em centros urbanos, quanto em regiões rurais, áreas indígenas, quilombolas e ribeirinhas.

Além de atuar em postos de saúde, há algumas outras oportunidades para o especialista:

  • Assistência ou preceptoria de residentes e graduandos em unidades de APS 
  • Atividade docente em universidades públicas e privadas
  • Desenvolvimento de pesquisas locais e em colaborações internacionais
  • Tutoria e supervisão presencial e à distância de outros profissionais na APS
  • Assistência em unidades hospitalares de baixa e alta complexidade
  • Assistência em consultório e alguns planos de saúde privados

Mercado de trabalho e a remuneração do especialista em de família

A maior parte dos médicos com essa especialidade estão inseridos no Programa de Saúde da Família. Nesse contexto, os municípios acabam sendo os empregadores mais comuns, alguns inclusive selecionando profissionais por meio de concurso público. 

No Brasil, o médico especializado na área da família e comunidade recebe, em média, R$9 mil mensais para uma jornada de trabalho de 30 horas. O valor, no entanto, pode variar de acordo com a carga horária, de 20h/30h ou 40h, município e local onde o especialista trabalha. 

Caso esteja alocado em um posto de saúde, por exemplo, o médico trabalhará em horário comercial, das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira. A carga horária varia de acordo com o regime de contratação. 

Em determinados municípios, há ainda a possibilidade de extensão dos horários, bem como inclusão da manhã de sábado para atendimentos. Essas mudanças acontecem com o objetivo de atender à população empregada que encontra dificuldades para utilizar os serviços de saúde nos dias úteis. 

A Residência Médica de
Medicina de Família e Comunidade

Com duração de dois anos, a Residência em Medicina de Família e Comunidade é de acesso direto e organizada em diferentes modelos de programas. 

Como já visto acima, essa especialidade possibilita trabalhar em diversos campos e, nos últimos anos, foi uma das que apresentou maior ampliação na oferta de vagas de residência no país. Em 2014 haviam 1289 vagas disponíveis, e quatro anos depois, em 2018, 3587 vagas.

Apesar disso, ela é a primeira opção apenas para 1,5% dos recém-formados, sendo que atualmente existem no país 5.486 profissionais titulados, de acordo com dados do estudo Demografia Médica no Brasil 2018

Saiba mais sobre a residência em medicina da família e comunidade!

O histórico da Medicina de Família e Comunidade

A área da Medicina de Família e Comunidade é uma especialidade médica antiga que é reestruturada à medida em que os modelos de atenção à saúde se modificam.

Esta especialidade médica tem a sua origem na saúde coletiva, na medicina preventiva e na epidemiologia. Ela é baseada na ideia de que o processo de saúde-doença está relacionado ao meio em que a pessoa vive e com as relações pessoais, sociais e econômicas que estão estabelecidas na região.

No Brasil, a ampliação das vagas de residência de MFC está incluída nas metas de longo prazo do Mais Médicos,  programa do Governo Federal que tem o objetivo de aumentar a cobertura de atenção básica no país. 

Em agosto de 2019 foi anunciado o programa Médicos pelo Brasil, que substituirá o Mais Médicos, e que prevê a formação de especialistas em Medicina de Família e Comunidade, além de ampliação em cerca de 7 mil vagas a oferta de profissionais para áreas carentes.

Confira o vídeo:

Links relacionados:

Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.