Ciclo Clínico

Mioma uterino: o que é, causas, diagnóstico e tratamento

Mioma uterino: o que é, causas, diagnóstico e tratamento

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Residência Médica

O mioma consiste em um tipo de tumor benigno que se manifesta no miométrio. A origem desse tumor é nas células musculares lisas uterinas. No geral, esses miomas são nomeados e descritos de acordo com sua localização. 

Comumente, estes tumores surgem em mulheres em idade reprodutiva. Contudo, na maioria dos casos são assintomáticos. Sendo descobertos apenas nos exames ginecológicos de rotina. 

Vale lembrar que esse tema é constantemente cobrado nas provas de residência. Pensando nisso, trouxemos também algumas questões para você praticar.

Quais são os principais sintomas do mioma?

As mulheres com sintomas relacionados ao mioma, apresentam, no geral: 

  • Sangramento uterino anormal: fluxo aumentado 
  • Dor ou pressão pélvica

Além disso,  as mulheres com essa patologia podem desenvolver problemas reprodutivos como infertilidade e resultados adversos na gravidez. 

Fisiopatologia

Os miomas são neoplasias monoclonais não cancerosas, desencadeadas a partir das células musculares lisas do miométrio. Nesse sentido, consistem em um processo fibrótico que pode desencadear uma anormalidade na matriz extracelular.

Nesse sentido, é possível classificar os miomas de acordo com sua localização em: 

  • Intramurais: que se desenvolvem dentro da parede uterina 
  • Submucosos: provenientes de células miometriais localizadas imediatamente abaixo do endométrio
  • Subserosos: originam-se dos miócitos próximo à serosa uterina, e seu crescimento está orientado para o exterior, o que poderá causar distorção da anatomia de órgãos adjacentes 
  • Cervicais: localizados na cérvice uterina 

Fatores de risco 

De acordo com a literatura, alguns fatores e condições podem contribuir para o surgimento de miomas uterinos. São eles: 

  • Aumento dos anos de exposição persistente ao estrogênio
  • Aumento do índice de massa corporal (IMC)
  • Pacientes com síndrome do ovário policístico (SOP) 
  • Predisposição genética 
  • É 3x mais comum em mulheres da raça negra do que em mulheres da raça branca
  • Mais comum em mulheres que tiveram menarca precoce (abaixo dos 10 anos)

Como diagnosticar um mioma uterino? 

Geralmente, os miomas são detectados pelo exame pélvico de rotina.Os principais achados são:

  • Aumento do útero
  • Contorno irregular

A ultrassonografia transvaginal é realizada para definir a anatomia pélvica. Quando necessário, é solicitado uma ressonância magnética para determinar, de forma mais exata, a localização do mioma. 

O aspecto da USG nessa patologia varia entre imagens hipo e hiperecoicas, dependendo da proporção de músculo liso para tecido conectivo e da existência de degeneração. 

Ultrassonografia transvaginal de um leiomioma subseroso.
FONTE: HOFFMAN, Barbara L. et al. Ginecologia de WILLIAMS. 2 ed. Porto Alegre. Artmed. 2014.

Diagnóstico diferencial

Os principais diagnósticos diferenciais são: 

  • Endometriose
  • Adenomiose
  • Carcinoma de endométrio 

Vale salientar que todas as outras patologias podem coexistir com o mioma uterino, o que dificulta o seu diagnóstico e tratamento.

Tratamento

Mulheres assintomáticas, não necessitam de tratamento. Devem apenas manter o acompanhamento e exame ginecológico de rotina. 

Em mulheres em que o tratamento  deve ser institucionalizado deve-se levar em consideração:

  •  Idade da paciente (proximidade da menopausa)
  • Desejo de gestação
  • Sintomas provocados
  • Tamanho e a localização dos miomas

O principal objetivo do tratamento clínico é o alívio dos sintomas. Dentre os medicamentos utilizados, os análogos do GnRH são efetivos no tratamento clínico, levando à redução de 35-60% do volume dos miomas. 

Além disso, estrógenos, progestágenos e antiprogestágenos são utilizados para diminuir o sangramento uterino disfuncional. Contudo, não ajudam a diminuir o volume dos miomas. 

O único tratamento definitivo é cirúrgico:

  •  Histerectomia: indicado nos casos de pacientes com sangramento uterino anormal, que não tenham desejo de gestação.
  • Miomectomia: indicado para pacientes que querem manter a fertilidade e o útero. 

Questões sobre mioma nas provas de residência médica

Ao fazer as provas de residência médica, é importante que você esteja preparado(a) para encarar questões sobre mioma, principalmente referente a como fazer o diagnóstico.

  1. Paciente com mioma uterino apresenta hematócrito de 24%. A ultrassonografia transvaginal indica a presença de um mioma pedunculado de 14 cm no fundo do útero, com numerosos miomas menores submucosos. A conduta inicial deve ser (UNESP/SP):

A) miomectomia histeroscópica
B) embolização das artérias uterinas
C) transfusão de sangue
D) histerectomia total abdominal e salpingooforectomia bilateral
E) agonista do GnRH por 3 meses associado a sulfato ferroso

Comentário: Os análogos do GnRH, neuropeptídeos que regulam a função hipofisária nas mulheres, são considerados o principal tratamento clínico dos miomas.

2. Mulher de 44 anos realiza, a pedido de seu ginecologista, ultrassonografia transvaginal para avaliação de rotina. O exame evidencia útero com consistência heterogênea e irregular, com imagem hipoecóica sugerindo mioma intramural, em parede corporal anterior, medindo 20mm. Não tem queixas. Tem dois filhos de parto cesáreo e fez laqueadura tubária. A conduta mais adequada nesse caso, para o diagnóstico de mioma uterino, é (FGV):

A) Embolização das artérias uterinas
B) Histerectomia total abdominal
C) Ressonância magnética da pelve
D) Expectante
E) Miomectomia

Comentário: Para os casos de menor complexidade, a primeira opção é o tratamento clínico periódico com conduta expectante, isto é, a evolução do quadro é acompanhada com periodicidade anual, sem intervenções invasivas.

Referência bibliográfica

Sugestão de leitura complementar