Otorrinolaringologia

O que diferencia sinusite de rinite?

O que diferencia sinusite de rinite?

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar

Se você não tem motivos para estar familiarizado com rinite versus sinusite, essas duas condições podem parecer muito semelhantes. Afinal, ambas as condições ocorrem dentro de seus seios e compartilham muitos sintomas. Mas quando você começa a experimentar uma condição ou outra, saber a diferença pode ser útil. Então, sinusite e rinite são a mesma condição? Não exatamente.

Um olhar mais atento sobre sinusite versus rinite revela que essas duas condições de sinusite têm diferenças marcantes. Aqui está tudo o que você precisa saber sobre rinite versus sinusite – incluindo diferentes tipos de tratamento.

O que é rinite?

A rinite, também chamada de rinite alérgica, é o termo usado para descrever a condição que ocorre quando seu corpo reage a alérgenos. Em outras palavras, quando alguém diz que suas alergias estão incomodando, eles também podem dizer que estão sofrendo de rinite.

Algumas pessoas lutam contra a rinite apenas durante uma determinada estação do ano – uma situação que a maioria das pessoas chama de “alergias sazonais” ou “febre do feno”. Outros experimentam rinite crônica de longo prazo quando os alérgenos aos quais seus corpos reagem estão presentes durante todo o ano.

O que é sinusite?

A sinusite, também conhecida como infecção sinusal, ocorre quando o revestimento dos seios da face fica inflamado devido a uma infecção causada por um vírus, bactéria ou (raramente) um fungo. Você também pode contrair uma infecção sinusal se seus seios estiverem bloqueados regularmente – por congestão, por exemplo, ou por obstrução nasal, como um pólipo.

Você pode ter sinusite aguda que dura de 2 a 4 semanas, sinusite crônica que dura mais de 12 semanas ou infecções de sinusite frequentes que se repetem várias vezes por ano. Ao contrário da rinite, a sinusite causada por um vírus (mas não por bactérias ou fungos) é contagiosa.

Sinusite e rinossinusite são a mesma coisa?

Sim. Em alguns círculos acadêmicos e clínicos, a rinossinusite é vista como o termo mais preciso para sinusite porque o termo ilustra mais claramente a relação entre os seios nasais e as vias nasais. Tenha em mente, porém, que rinossinusite ≠ rinite.

Sintomas e atributos de rinite versus sinusite

Onde a maioria das pessoas se prende a entender a diferença entre rinite e sinusite é quando pensa nos sintomas. Para ajudar a esclarecer esta questão, aqui está uma comparação lado a lado dos sintomas de rinite versus sinusite e outros atributos importantes.

RiniteSinusite
Sintomas: Nariz entupido, coriza, olhos vermelhos/coceira/lacrimejantes, espirros, sibilos, erupção cutânea, fadigaSintomas: Nariz entupido, seios nasais inchados e doloridos, gotejamento pós-nasal, tosse crônica, fadiga, mau hálito, febre baixa
Muco: Normalmente claro e aquosoMuco: Mais espesso e amarelo/verde
Início: Diretamente após a exposição ao(s) alérgeno(s)Início: 1-2 semanas após a exposição ao indivíduo contagioso, ou após 1-2 semanas de congestão contínua
Duração: os sintomas desaparecem depois que os alérgenos não estão mais presentesDuração: 4-12 semanas ou mais, dependendo da gravidade da infecção

A rinite pode se transformar em sinusite?

Sim. Esta é outra razão pela qual as pessoas muitas vezes ficam confusas quando discutem rinite versus sinusite – rinite não tratada e/ou crônica pode criar o ambiente ideal para a ocorrência de uma infecção sinusal.

Especificamente, se suas alergias são particularmente ruins e você está frequentemente congestionado, o acúmulo de muco nos seios nasais pode se tornar um terreno fértil para o tipo de bactéria que pode levar a uma infecção sinusal.

Como você trata rinite versus sinusite?

Na sinusite aguda, a melhora da drenagem sinusal e o controle da infecção são os alvos da terapia. Nebulização, compressas mornas e úmidas sobre os seios afetados e bebidas quentes ajudam a aliviar a vasoconstrição e favorecem a drenagem.

Vasoconstritores tópicos, como fenilefrina spray 0,25% a cada 3 horas ou oximetazolina a cada 8 a 12 h, são eficazes, mas devem ser usados no máximo por 5 dias e, posteriormente, alternados em ciclos de 3 dias sim, 3 dias não, até a resolução do quadro. Vasoconstritores sistêmicos, como pseudoefedrina 30 mg por via oral (para adultos) a cada 4 a 6 horas, são menos eficazes e devem ser evitados em crianças pequenas.

Irrigação salina nasal pode ajudar um pouco os sintomas, mas é incômoda e desconfortável, e é necessário ensinar os pacientes como executá-la adequadamente; assim, ela pode ser melhor para pacientes com sinusite recorrente que são mais propensos a dominar (e tolerar) a técnica.

Sprays nasais de corticoides podem ajudar a aliviar os sintomas, mas geralmente demoram pelo menos 10 dias para serem eficazes.

Já o tratamento para a rinite alérgica os tratamentos farmacológicos de primeira linha mais eficazes são

  • Corticoides nasais com ou sem anti-histamínicos orais ou nasais
  • Anti-histamínicos orais mais descongestionantes orais (p. ex., simpaticomiméticos como pseudoefedrina)
  • Alternativas menos eficazes incluem estabilizadores de mastócitos nasais (p. ex., cromolina) administrados 3 a 4 vezes/dia, azelastina nasal, um bloqueador dos receptores H1, 1 a 2 borrifos duas vezes ao dia e ipratrópio nasal a 0,03%, 2 borrifos a cada 4 a 6 horas, o que alivia a rinorreia.

Fármacos nasais são frequentemente preferíveis a orais porque a aborção sistêmica do fármaco é menor.

Sugestão de leitura complementar

Referências

  1. BLASER, M.J. & FALKOW, S. — What are the consequences
    of the disappearing human microbiota? Nat. Rev. Microbiol.,
    7(12): 887-94, 2009.BOGAERT, D.; DE GROOT, R. & HERMANS, P.W. — Streptococcus pneumoniae colonization: The key to pneumococcal
    disease. Lancet Infect. Dis., 4: 144-54, 2004.
  2. GANZ, T. — Defensins. Antimicrobial peptides of innate immunity. Nat. VerImm., 3: 710-20, 2003.
  3. MCNAMEE, L.A. & HARMSEN, A.G. — Both influenza-induced neutrophil dysfunction and neutrophil-independent mechanisms contribute to increased susceptibility to a secondary streptococcus pneumoniae infection. Infect. Immun.,
    74(12): 6707-21, 2006.
  4. AVADHANULA, V.; RODRIGUEZ, C.A. et al. — Respiratory
    viruses augment the adhesion of bacterial pathogens to respiratory epithelium in a viral species- and cell type-dependent manner. J. Virol., 80(4): 1629-36, 2006.
  5. VAN DER SLUJIS, K.F.; VAN ELEDEN, L.J.R. et al. — IL-10
    is an important mediator of the enhanced susceptibility to
    pneumococcal pneumonia after influenza infection. J. Immunol., 172(12): 7603-9, 2004.
  6. VAN DER FLIER, M.; CHHUN, N. et al. — Adherence of
    streptococcus pneumoniae to immobilized fibronectin. Infect. Immun., 63(11): 4317-22, 1995.
  7. PELTOLA, V.T.P. & MCCULLERS, J.A. — Respiratory viruses
    predisposing to bacterial infections: Role of neuraminidase.
    Pediatr. Infect. Dis. J., 23(1): S87-S97, 2004.
  8. AVADHANULA, V.; RODRIGUEZ, C.A. et al. — Respiratory
    viruses augment the adhesion of bacterial pathogens to respiratory epithelium in a viral species- and cell type-dependent manner. J. Virol., 80(4): 1629-36, 2006.
  9. SAIJAN, U.S.; JIA, Y. et al. — H. influenzae potentiates airway epithelial cell responses to rhinovirus by increasing
    ICAM-1 and TLR3 expression. FASEB J., 20(12): 2121-3,
    2006.

Veja também: