Outros

Pós-Graduação em Terapia Intensiva

Pós-Graduação em Terapia Intensiva

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Pós Graduação

A Pós-Graduação em Terapia Intensiva pode ajudar você em sua carreira! Você sabe como?

Tradicionalmente, os médicos recém-formados iniciam seus trabalhos em salas de emergência e plantões em Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

Essa situação não é a ideal, já que coloca médicos inexperientes em contato com pacientes graves e com consideráveis probabilidades de morte.

Nos últimos anos, o Brasil tem vivenciado duas importantes mudanças:

  • A demanda crescente por médicos especialistas (emergencistas e intensivistas) para esses ambientes
  • Maior procura dos médicos por se especializar em Terapia Intensiva

É fato que, em alguns anos, a maior parte desses postos de trabalho estarão reservados apenas aos especialistas. Portanto, a Pós-Graduação em Terapia Intensiva é uma excelente opção para você se diferenciar e se inserir com confiança no mercado. Com ela, você poderá prover cuidados adequados aos seus pacientes em estado grave.

O que é terapia intensiva?

A terapia intensiva é o ramo da Medicina que trata de pacientes em estado grave, que devem ser monitorizados com constância e de perto. Também chamada de medicina intensiva, ela é originada da Clínica Médica.

A terapia intensiva é uma especialidade essencialmente hospitalocêntrica e complexa, exigindo alto nível de tecnologia para sua prática.

Além disso, é uma especialidade que necessita de contato frequente com equipe multidisciplinar, como enfermeiros, fisioterapeutas e nutricionistas, fornecendo atendimento completo ao paciente grave.

O ambiente essencial de trabalho do intensivista se divide entre a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e o Centro de Terapia Intensiva (CTI).

As UTI são ambientes que atendem pacientes graves específicos, por exemplo: UTI neonatal, UTI cardiológica ou UTI Covid.

Os CTI, por sua vez, são mais encontrados em hospitais de pequeno porte e não apresentam especificação do tipo de paciente que recebem.

Além de pacientes graves, esses locais podem receber pacientes no pós-operatório de cirurgias de grande porte. Também servem para pacientes menos graves com doenças de base descompensadas, que precisam ser monitorados de perto.

O que é Pós-Graduação?

A Pós-Graduação Lato Sensu é uma outra forma de especialização dentro da Medicina. É mais comum na mente do médico a Residência como forma de especialização.

A Pós-Graduação em Terapia Intensiva é uma possibilidade para a obtenção do título de especialista em Terapia Intensiva.

A residência médica em Terapia Intensiva tem duração de dois anos, mas exige como pré-requisito alguma das seguintes residências: Clínica Médica, Cirurgia Geral, Infectologia, Neurologia ou Pediatria (se seu desejo for fazer Medicina Intensiva Pediátrica).

Através da residência médica, a formação de um intensivista dura, no mínimo, 4 anos, e com carga horária de 60 horas semanais.

Por outro lado, a Pós-Graduação em Terapia Intensiva é de acesso direto e dura entre 1 e 2 anos. Além disso, um curso de Pós-Graduação não exige dedicação exclusiva, como é o caso da Residência Médica.

Quer conhecer mais sobre como funciona a pós da Sanar? Assista este vídeo sobre as aulas práticas da Pós-Graduação em Terapia Intensiva:

Quais os caminhos para me tornar um(a) médico intensivista?

Como comentado anteriormente, os dois caminhos rumo ao título de intensivista são a Residência Médica e a Pós-Graduação em Terapia Intensiva.

Para se denominar intensivista, é necessário solicitar registro junto ao CRM como tal. Médicos e médicas que fizeram Residência podem fazê-lo assim que concluem sua formação como residentes (ao fim de 4 anos).

No caso dos médicos que fizeram Pós-Graduação (1 – 2 anos), a aprovação na prova de Título de Especialista da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) se faz necessária.

Ou seja, a Pós-Graduação fornece pré-requisito ao médico ou médica para que ele preste a prova de título da AMIB. Uma vez aprovado, o profissional pode solicitar seu registro junto ao CRM.

Dado que os dois caminhos existem, verifique qual dos dois tipos de formação mais se adequa ao seu perfil, às suas necessidade e às suas limitações.

Estatísticas sobre a Terapia Intensiva

De acordo com o a Demografia Médica de 2020 o Brasil possui 7.127 profissionais intensivistas. Os profissionais representam 1,6% de todos os médicos no país.

Ainda segundo o relatório, ⅔ (4.519) dos profissionais são do sexo masculino, contra ⅓ (2.118) do sexo feminino (razão masculino feminino = 2,17), com média de idade de 49,1 (±10,7) anos. 

Mais da metade dos intensivistas brasileiros atuam no Sudeste (55,1%), contra apenas 3,3% no Norte e 14,2% no Nordeste.

Exemplo disso? Em 2020, a Bahia contava com apenas 323 médicos intensivistas. Já São Paulo, na mesma época, tinha 2.080 profissionais da área.

O relatório ainda não especifica a quantidade de médicos oriundos do programa de Residência Médica e da Pós-Graduação em Terapia Intensiva.

Você sabe quais são as habilidades essenciais para ser um(a) intensivista?

De acordo com a AMIB, alguns das conhecimentos, habilidades e atitudes mais importantes para um(a) médico(a) especialista em Terapia Intensiva são:

Conhecimentos necessários para médicos intensivistas

  1. Sinais precoces de advertência do surgimento de uma doença crítica. 
  2. Causas de parada cardiorrespiratória, identificação de pacientes em risco e tratamento corretivo das causas reversíveis. 
  3. Sinais clínicos associados com doença grave, sua importância relativa e interpretação. 
  4. Gravidade clínica da doença e indicações quando as disfunções ou falências orgânicas são uma ameaça imediata à vida.
  5. Causas, reconhecimento e controle de:  
    1. Dor torácica aguda 
    2. Obstrução das vias aéreas altas e baixas 
    3. Edema pulmonar 
    4. Pneumotórax (simples e hipertensivo) 
    5. Hipóxia tecidual 
    6. Hipoxemia 
    7. Hipotensão arterial 
    8. Estados de choque 
    9. Reações anafiláticas e anafilactóides 
    10. Emergências hipertensivas 
    11. Estados confusionais agudos e de consciência alterada 
    12. Crises epilépticas agudas/convulsões 
    13. Oligúria e anúria 
    14. Distúrbios agudos da termorregulação 

Habilidades necessárias para médicos intensivistas

  1. Considerar questões legais e éticas: autonomia do paciente, pertinência da ressuscitação e admissão à UTI. 
  2. Conduzir um levantamento primário de um paciente grave: obter rápida e precisamente informações relevantes. 
  3. Reconhecer sinais e sintomas de parada cardíaca iminente. 
  4. Avaliar o nível de consciência, situação das vias aéreas e coluna cervical e realizar uma cuidadosa revisão dos sistemas

Atitudes necessárias para médicos intensivistas

  1. Reconhecer a necessidade de cuidados de suporte para todos os sistemas orgânicos com falência ou lesão. 
  2. Explicar claramente para o paciente, familiares e equipe. 
  3. Estabelecer relacionamentos de confiança e demonstrar compaixão no cuidado dos pacientes e seus familiares. 
  4. A segurança do paciente é fundamental.

Sugestão de leitura complementar