Residência Médica

Prova objetiva de residência médica: o que é, formato e mais

Prova objetiva de residência médica: o que é, formato e mais

Compartilhar
Imagem de perfil de Sanar Residência Médica

A prova objetiva de residência médica é a parte mais importante do processo seletivo. Isso porque é a etapa de maior pontuação ou, em muitos casos, a única – como acontece na seleção para residência do SUS-SP. 

É através da prova que as instituições avaliam a bagagem de conhecimento adquirida pelo médico durante a sua formação. 

Nessa hora não existe isso de “tenho/tinha mais afinidade com a disciplina x ou y” e nem “sempre tirei notas altas em avaliações de tal disciplina vou ter sucesso na prova”. Aqui é preciso ter preparo para responder bem questões de todas as cinco grandes áreas da medicina. São elas: 

  • pediatria, 
  • ginecologia e obstetrícia, 
  • clínica médica, 
  • cirurgia geral e
  • preventiva

A forma como os temas são cobrados muda para cada instituição. Outra coisa que também pode impactar no formato é se o candidato deseja fazer uma especialidade de acesso direto ou com pré-requisito. 

O que é a prova de residência médica? 

As provas objetivas de residência são aquelas que contam com um determinado número de questões e várias alternativas de resposta. O candidato deve assinar apenas uma – a resposta correta. 

Esse tipo de avaliação tem como foco identificar a abrangência do conhecimento do indivíduo sem deixar margens para “discutir” o que está sendo cobrado na questão. 

Normalmente, a prova de residência conta com cerca de 100 questões de múltipla escolha, em que o candidato tem cinco alternativas para escolher apenas uma resposta correta. 

A etapa ocorre de forma presencial e com duração de no mínimo três horas. 

Formato das questões da prova de residência

As questões abordam as competências (conhecimentos, habilidades e atitudes) que o médico precisa ter para atuar profissionalmente. 

Essas competências são compatíveis com as diretrizes curriculares para o curso de graduação de medicina (MEC 2014) acerca das áreas de clínica médica, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia, pediatria e medicina preventiva. 

Entre os assuntos cobrados estão: 

  • Arritmias 
  • Trombose venosa 
  • Avaliação pré e pós-operatória
  • Abdômen agudo
  • Técnicas de sutura 
  • Cefaléias 
  • Choque 
  • Amamentação 
  • Semiologia obstétrica 
  • Assistência ao pré natal e ao parto 
  • Cardiopatias congênitas
  • Insuficiência cardíaca

As questões da prova de residência podem trazer questionamentos sobre a epidemiologia e fatores de risco da doença, fisiopatologia, manifestações clínicas, diagnóstico, tratamento. Além disso, pode ter algum ponto sobre o passo a passo ou particularidade de um procedimento médico. 

O edital do processo seletivo, em um dos seus anexos, traz a lista de programas e referências bibliográficas da prova. 

Leia também: Cronograma de revisão para residência médica 2022; baixe agora

Como é organizada a pontuação da prova? 

Em caso de não ser um processo seletivo de etapa única, a pontuação da prova objetiva equivale a 9 pontos ou 90% da nota final da prova. 

Essa pontuação pode estar distribuída igualmente entre as questões. Porém, pode acontecer da instituição responsável pela elaboração e execução da prova atribuir pontuações diferentes para cada parte da prova (ou melhor dizendo, área da medicina). 

No último caso, ganham maiores pontuações as áreas que serão mais significativas durante o programa. Exemplo: uma instituição que oferece apenas programas de residência médica voltados para a especialidade de pediatria certamente terá questões desta área com peso maior do que as demais. 

Atenção: é importante ao se inscrever em um processo seletivo fazer a leitura atenta do edital para ter bem claro o como funciona essa distribuição de pontos. Além disso, o documento também explica como é feito o cálculo da nota final e como ocorre a admissão no(s) programa(s). 

Vale lembrar que a nota da prova objetiva de residência médica, em caso de mais de uma fase, é o “passaporte” para as fases seguintes. É comum que seja exigido no mínimo 50% de acerto. 

Dica: como responder bem uma prova objetiva? 

A principal orientação aqui é que os candidatos se atentem ao comando da questão, ou seja, ao que diz o enunciado da questão. Pode acontecer de ter um texto de apoio e a pessoa focar na infinidade de informações do texto sem assimilar o que a pergunta quer dizer. 

O texto pode ser ou não útil na sua resposta. Porém, tenha em mente que o primeiro passo é entender a essência do que é perguntado. 

Para mandar bem na prova, vale a pena durante o período de preparação investir um tempo estudando por provas anteriores. O intuito aqui é se familiarizar com o formato das questões e também conseguir identificar semelhanças nas provas. 

Pode ser comum ter conteúdos que já caíram na prova por mais de dois anos consecutivos. É exatamente por isso que conseguimos formatar cronogramas de estudo eficientes e que fazem toda diferença na preparação. 

Outra orientação valiosa é não se prender em uma questão que não souber responder ou tiver muita dúvida. Busque focar nas outras questões, de preferência comece pelas que tem mais afinidade (“acha mais fácil”). 

Sugestão de leitura complementar 

Veja também: