Alergologia e imunologia

Resumo sobre inflamação aguda: componentes, sinais e sintomas e mais

Resumo sobre inflamação aguda: componentes, sinais e sintomas e mais

Compartilhar
Imagem de perfil de Carreira Médica

Tudo que você precisa em um só lugar: resumo completo sobre inflamação aguda. Domine a fisiopatologia do assunto!

A inflamação aguda é caracterizada por uma série de eventos relacionados, entre os quais aumento no fluxo sanguíneo, permeabilidade vascular e exsudação de líquido derivado do sangue na região afetada, além do acúmulo de leucócitos e proteínas plasmáticas. A inflamação aguda pode se desenvolver em questão de minutos a horas e durar dias. 

Essas alterações durante o processo inflamatório geram sinais e sintomas como dor e edema. O processo inflamatório é um mecanismo de defesa do organismo e, como tal, atua destruindo, diluindo e isolando o agente agressor, além de abrir caminho para os processos de cicatrização e regeneração do tecido afetado. 

No entanto, a inflamação pode ser potencialmente danosa, uma vez que em sua manifestação pode lesar o próprio organismo, às vezes de forma mais deletéria que o próprio agente injuriante. 

Componentes da inflamação aguda 

A resposta inflamatória inclui a participação de diferentes tipos celulares, tais como neutrófilos, macrófagos, mastócitos, linfocitos, plaquetas, células dendríticas,células endoteliais e fibroblastos, entre outras. 

Durante a infecção, a quimiotaxia é um importante evento para o recrutamento de células para o sítio de inflamação. O primeiro leucócito a ser recrutado do sangue para os sítios de inflamação é o neutrófilo, por ser o leucócito mais abundante no sangue e  aquele que responde mais rápido aos sinais quimiotáticos.

Os monócitos sanguíneos, que se transformam em macrófagos no tecido, tornam-se cada vez mais proeminentes com o passar do tempo e podem formar a população dominante em algumas reações.

Entre as proteínas plasmáticas importantes que entram nos sítios inflamatórios, estão as proteínas do complemento, os anticorpos e os reagentes de fase aguda. 

Componentes da resposta inflamatória aguda e crônica
Fonte: Robbins, patologia básica, 2013.
Fonte: Silverthorn, Fisiologia Humana

Alterações vasculares 

As alterações que ocorrem nos vasos sanguíneos da microcirculação nas primeiras horas após uma injúria subletal envolvem, em graus variados, a modificação no calibre dos vasos e no fluxo sangüíneo, aumento da permeabilidade vascular e exsudação de plasma e de células para o meio extravascular. 

Inicialmente há uma vasoconstricção arteriolar transiente, isto é, de curta duração. O próximo e fundamental evento é a vasodilatação. Ela envolve primeiro as arteríolas e depois resulta na abertura de novos leitos microvasculares na área, resultando em aumento do fluxo sangüíneo local. 

Segue-se a diminuição da velocidade do sangue devido ao aumento da permeabilidade vascular, com a saída de fluído rico em proteína para os tecidos extravasculares. Enquanto a estase se desenvolve, pode-se ver a orientação periférica dos leucócitos, principalmente neutrófilos, ao longo do endotélio vascular, processo denominado de marginação leucocitária.  

Todas essas alterações são induzidas por citocinas e pequenas moléculas mediadoras inicialmente derivadas de células sentinela residentes no tecido, como mastócitos, macrófagos, DCs e células endoteliais, em resposta à estimulação por PAMPs e DAMPs.

À medida que o processo inflamatório se desenvolve, os mediadores podem ser derivados dos leucócitos recém-chegados e ativados, bem como de proteínas do complemento.

IInflamação aguda: Formação de exsudatos e transudatos.
Formação de exsudatos e transudatos. Fonte: Robbins, patologia básica, 2013.

Sinais e sintomas da inflamação aguda  

Cornelius Celsus postulou os quatro sinais cardeais da inflamação e redescobertos em 1443 pelo Papa Nicolas V.  

  • Rubor: Hiperemia /Reflexo axônico pela diminuição de impulsos vasoconstrictores
  • Calor: Perceptível nas superfícies corporais. Pela hiperemia e aumento do metabolismo local.
  • “Tumor”: Decorre do aumento da permeabilidade vascular (edema). Pode determinar aumento do volume hídrico local em até 5 ou 7 vezes. 
  • Dor: Causada pela irritação química nas terminações nervosas e pela compressão mecânica (edema) 
  • Perda de Função: Com o progresso a inflamação há concomitante perda da função do local acometido. Por isso, foi incorporada por Rudolf Virchow em 1858 como sinal cardeal da inflamação. 

Embora a reação inflamatória se manifeste localmente, ela envolve o organismo como um todo, com a participação dos sistemas nervoso e endócrino na regulação do processo e o aparecimento de manifestações gerais, dentre outras a febre, leucocitose, taquicardia, fibrinólise e alterações na bioquímica do sangue. 

Manual prático de infectologia

Se você deseja dominar todos os assuntos da infectologia, a nossa dica é o Manual Prático de Infectologia da Sanar.

Cada capítulo é composto por epidemiologia, patogênese, aspectos clínicos, fatores de risco, como realizar o diagnóstico, o tratamento e a prevenção das principais doenças infectocontagiosas.

Não perca tempo e adquira já o seu!

[Adquirir Manual Prático de Infectologia]

Sugestão de leitura complementar

Veja também

Referências

  1. ABBAS, Abul K.; PILLAI,Shiv; LICHTMAN, Andrew H.. Imunologia:Celular e Molecular. 9 ed. Rio De Janeiro: Editora Elsevier Ltda, 2019. 
  2. LIMA, Rafael Rodrigues et al . Inflamação em doenças neurodegenerativas. Rev. Para. Med.,  Belém ,  v. 21, n. 2, p. 29-34,  jun.  2007 .