Ciclo Clínico

Sinal de Babinski: método e significado | Colunistas

Sinal de Babinski: método e significado | Colunistas

Compartilhar

David Augusto Batista

4 min há 324 dias

O sinal de Babinski – ou reflexo cutâneo-plantar extensor – é um importante elemento semiológico que indica lesão neurológica importante. Foi descrito inicialmente pelo neurologista polonês Joseph Babinski (1857-1932) e se tornou um dos maiores marcos da semiologia neurológica. Em linhas gerais, esse sinal pode ser definido da seguinte forma:

Disponível em: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Babinski’s_sign01.jpg

“Flexão dorsal do hálux ao estímulo ascendente na parte lateral para medial da região plantar.”

Na prática, você deve utilizar um objeto levemente pontiagudo, por exemplo, uma caneta, e direcioná-lo no sentido latero-medial, como que em direção ao dedão do pé. Em indivíduos normais, ocorre flexão plantar, isto é, o hálux é “fletido para frente”, enquanto em indivíduos com lesão do trato corticoespinhal, ocorre a flexão dorsal – extensão do hálux.

Vale ressaltar que esse sinal pode estar presente em crianças com até 2 anos de idade e não denota lesão subjacente, uma vez que nestes a mielinização da via piramidal ainda não está completa.

No momento de sua descoberta, esse sinal foi considerado um divisor de águas, uma vez que permitiu diferenciar, ainda que a priori, casos de “histeria” e de doenças “orgânicas” propriamente ditas, estando ausente naquelas e presente nestas.

Figura 2: Estimulação cutâneo-plantar com resposta extensora. fonte:http://blog.lummnos.com/2019/05/o-sinal-de-babinski/.

O reflexo cutâneo-plantar extensor denota lesão na via piramidal, a qual é formada pelos tratos corticoespinhais anterior e lateral. Essa via possui fibras que descendem do giro pré-central – localizado no lobo frontal –, passam pela coroa radiada, agrupam-se na cápsula interna e dividem-se em um feixe que cruza para o lado contralateral, na altura das pirâmides bulbares (trato corticoespinhal lateral), e outro que continua homolateralmente sem cruzamentos (trato corticoespinhal anterior).

Via piramidal. Disponível em: https://proffelipebarros.com.br/vias-eferentes-tracto-cortico-espinhal/

Para mais conteúdos sobre Medicina:

Inscreva-se na Sanar Newsletter

Participe do canal Sanar Medicina no Telegram

Inscreva-se no YouTube da Sanar

Siga no Instagram

Curta no Facebook

O sinal de Babinski é característico do quadro de síndrome piramidal. Esse padrão de acometimento é caracterizado por lesão em quaisquer locais da via piramidal, e possui sinais e sintomas típicos de “liberação” motora, uma vez que impede a conexão do 1º neurônio motor, responsável por “segurar” a resposta aos estímulos. Dentre outros sinais, temos:

  • Hiperreflexia;
  • Hipertonia;
  • Sinal do Canivete;
  • Diminuição da motricidade;
  • Perda dos reflexos superficiais (ex.: cutâneo-abdominal).

Quanto às etiologias que podem levar a um quadro de síndrome piramidal, temos:

  • Neoplasias do SNC;
  • AVC;
  • Doenças desmielinizantes (ex.: esclerose múltipla);
  • Traumatismo;
  • Doenças heredodegenerativas;
  • Deficiências nutricionais (ex.: deficiência de vitamina B12).

Convém lembrar, portanto, que a presença desse reflexo patológico deve servir de alerta ao profissional da saúde para uma lesão neurológica importante, sendo necessária uma análise clínica direcionada para a abordagem topográfica, nosológica e etiológica no paciente com sinal de Babinski.

Autor: David Augusto Batista

Posts relacionados:

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.