Colunistas

Uso da tecnologia no tratamento do Diabetes Mellitus | Especialistas

Uso da tecnologia no tratamento do Diabetes Mellitus | Especialistas

Compartilhar
Imagem de perfil de Dr. Alexandre Câmara

O tratamento do paciente portador de Diabetes Mellitus (DM) vem ganhando aliados importantes  e “inovadores”.

A revolução tecnológica na área da saúde é uma realidade, e já temos disponíveis algumas novidades que até pouco tempo atrás nem imaginaríamos que pudessem existir um dia. E atualmente são ferramentas fundamentais para o cuidado do diabetes.

Alguns exemplos que posso citar são:

  • a possibilidade de medir a glicose e aplicar insulina de maneira indolor;
  • O pâncreas artificial;
  • A insulina inalável;
  • E algoritmos eletrônicos que auxiliam ao médico na decisão terapêutica para ajuste do DM.

Tratamento Diabetes Mellitus

Assim, mesmo que você não seja especialista na área, hoje em dia não dá para se contentar em saber somente os critérios diagnóstico de diabetes. É fundamental conhecer as atualidades na medicina desta área.

Existem mais de13 milhões de brasileiros com diabetes (7% da população). E, querendo ou não, em algum momento você vai se deparar com estas inovações.

Um dos produtos com maior probabilidade de você encontrar alguém utilizando são os dispositivos que permitem a aferição da glicose por monitorização contínua.

Diabetes Mellitus e o funcionamento do glicosímetro FreeStyle Libre ou similares

O controle é menos invasivo do DM, como o glicosímetro FreeStyle Libre. Ele faz a leitura dos níveis de glicose por meio de um sensor instalado no braço (figura1A).

Ao invés de usar a gota de sangue — como é feito com o medidor tradicional —, o aparelho captura o “açúcar” do líquido intersticial. Através de um sensor que fica implantado no subcutâneo (figura 1B), que só precisa ser trocado a cada 14 dias, e mesmo a troca é totalmente indolor.

Figura 01

Já para reduzir o incomodo e a dor das picadas da agulha de insulina temos duas novidades: o dispositivo i-Port Advance e a insulina inalatória.

Detalhes sobre o dispositivo i-Port Advance e a insulina inalatória

O primeiro funciona como uma porta de injeção (figura 2). Ele é trocado a cada 72 horas. E após instalado irá injetar nele ao invés do paciente aplicar perfurar a pele sempre que precise aplicar insulina, ou seja, reduzimos as picadas para somente 01 a cada 03 dias, que é a realizada para instalação do mesmo.

Figura 02

Em relação a insulina inalável Afrezza (figura 3), ela é administrada através de um pequeno inalador, onde há o pó da insulina, que ao ser inspirado vai para os pulmões, onde é absorvido pelo corpo, ela é absorvida em minutos, agindo na redução da glicose no sangue, sendo capaz de substituir a insulina aplicada antes das refeições.

Figura 03

No tocante a otimização do controle da glicemia, a própria bomba de insulina subcutânea já poderia ser considerada uma revolução, já que infunde continuamente doses pré programadas e permite aplicação de “bolus” de insulina antes de refeições e para correção de hiperglicemia, sem necessidade de novas picadas além da que é feita para a troca do cateter, que ocorre a cada 6 dias.

Outras novidades para o controle/tratamento da Diabetes Mellitus

Mas além disso tem havido grandes inovações nas suas funcionalidades da bomba. Sendo uma delas a possibilidade de tornar-se um “pâncreas artificial”. A bomba de insulina é  “sincronizada” com um dispositivo de monitorização contínua de glicemia, e algoritmos de inteligência artificial permitem com que a leitura da glicemia ajuste automaticamente a infusão da insulina (figura 4).

Figura 04

Uso do InsulinAPP

Outra ferramenta inovadora é a utilização dos aplicativos e softwares com algoritmos que dão suporte ao médico na decisão terapêutica, na área do diabetes eu destaco o InsulinAPP, aplicativo que gerencia, de acordo com recomendações de consensos e da literatura médica, prescrições de insulinoterapia para pacientes internados, os quais seu manejo é um verdadeiro desafio para médicos não especialistas, com isso torna o ajuste da glicemia menos complicado.

Esta ferramenta está disponível gratuitamente para smartphones com sistemas iOS e Android, além da versão web para desktops. Através dele o médico tem acesso a um formulário eletrônico de fácil e rápido preenchimento de algumas informações relevantes do paciente internado.

A partir destes dados, o InsulinAPP gera um modelo de prescrição médica, contendo as doses de insulinas calculadas automaticamente e recomendações de como as orientações de monitorização de glicemia capilar, condutas para episódios de hipoglicemia e alertas para emergências hiperglicêmicas.

Por fim, é preciso compreender que as inovações baseadas nos avanços tecnológicos não são mais o futuro da medicina, mas já são a nossa realidade e estão cada vez mais presente na área da saúde e principalmente no manejo do diabetes, assim precisamos conhece-las para deixar de encarar esta revolução como um desafio e torna-la uma aliada na prática clínica diária.

Links para download :

iOS: https://itunes.apple.com/br/app/insulinapp-solucao-hospitalar/id1152627535?mt=8

Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.com.insulinapp.appbr

Para desktops ou outros sistemas de celulares: http://www.insulinapp.com.br/

Diabetes Mellitus: sugestão de leitura complementar