Outros

Distúrbios respiratórios: acidose e alcalose respiratória

Distúrbios respiratórios: acidose e alcalose respiratória

Compartilhar

Sanar Pós Graduação

4 min há 49 dias

Neste texto, você verá o mecanismo, as causas e o tratamento da alcalose e da acidose respiratória, dois distúrbios respiratórios.

Acidose respiratória

Na acidose respiratória, existe uma dificuldade de ventilação do paciente, isso leva a uma hipoventilação e, consequentemente, retenção do CO2 (pH <7,35 e pCO2 >45).

A resposta compensatória neste caso é renal (retém HCO3 ou excreta mais ácido), com posterior elevação do HCO3 na gasometria.

Nos distúrbios respiratórios, avaliamos se o distúrbio é crônico ou agudo através da resposta compensatória. Nos distúrbios crônicos, observamos maior elevação de HCO3.

Dessa forma, usamos as seguintes correlações: um acréscimo de 1 mEq/L no HCO3 para cada elevação de 10mmHg do pCO2 acima de 40 mmHg, nos casos agudos e um acréscimo de 4 mEq/L no HCO3 para cada elevação de 10mmHg do pCO2 acima de 40 mmHg, nos casos crônicos.

Causas de acidose respiratória

  • Hipoventilação pulmonar
    • Distúrbios do SNC (AVC/tumor/hipertensão intracraniana)
    • Intoxicação por Benzodiazepínicos ou opióides
    • Síndrome Guillain Barre
    • Crise miastenia
    • Miopatias inflamatórias
    • Deformidades da parede torácica
    • Fadiga respiratória
    • Obesidade mórbida
    • Apneia obstrutiva do sono
  • Obstruções: corpo estranho, edema de glote, laringoespasmo, lesões do SNC
  • Distúrbios obstrutivos
    • Doença pulmonar obstrutiva crônica
    • Asma
  • Síndrome de Pickwick


Como diferenciar se agudo, crônico ou crônico agudizado?

Atenção ao Base Excess (BE) e no pH.
Agudo: BE normal (-3 a +3) e pH muito baixo.
Crônico = BE >+3 e pH baixo, mas próximo do normal.
Crônico agudizado = BE>+3 e pH muito baixo.

Tratamento da acidose respiratória

Nos casos de Hipoventilação: IOT + ventilação mecânica + Tratamento especifico.
Nos casos obstrutivos – Tentar VNI (BIPAP).

Alcalose respiratória

Na alcalose respiratória, o paciente está hiperventilando e, consequentemente, “lavando” o CO2, isto é, expulsando o CO2.

A pCO2 encontra-se < 35 e pH > 7,45.

A resposta neste caso é renal com excreção de HCO3. Da mesma forma da acidose respiratória, aqui também avaliamos se o distúrbio é agudo ou crônico.

Neste caso, as relações que usamos são: um decréscimo de 2 mEq/L no HCO3 para cada redução de 10mmHg do pCO2 abaixo de 40 mmHg, nos casos agudos e um decréscimo de 5 mEq/L no HCO3 para cada redução de 10mmHg no pCO2 abaixo de 40 mmHg, nos casos crônicos.

Causas da alcalose respiratória

  • Dor
  • Febre
  • Ansiedade
  • Patologias cardiopulmonares
  • Anemia
  • Infecções


Tratamento da alcalose respiratória

Focar na identificação e tratar a causa base.

Baixe o Guia da Pós em Medicina de Emergência

Não deixe a sua carreira para depois! Prepare-se para os casos mais desafiadores do PS com a Pós em Medicina de Emergência.

Conheça a nossa metodologia drive-by-doctor e os professores que irão te acompanhar durante esta jornada.

Referências

  • Carlotti APCP. Abordagem clínica dos distúrbios do equilíbrio ácido-base. Medicina (Ribeirão Preto) 2012.
  • Évora PRB, Garcia LV. Equilíbrio ácido-base. Medicina (Ribeirão Preto) 2008; 41 (3): 301-11
  • Furoni, R. et al. Disturbios do equilíbrio ácido-básico. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 12, n. 1, p. 5 – 12, 2010
  • Maricondi, Wagner. Interpretação dos gases sanguíneos arterial. Maricondi. 2017
  • SHELLY, P.; MELINDA, D.H.; FERRI, M. Arterial puncture for blood gas analysis. The New England Journal of Medicine, v. 364,n. 5, p. e7 , Fev 2011.
  • Moura CG, Oliveira C, Souza M. Yellowbook: Fluxos e condutas de medicina interna. Salvador: SANAR, 2017.
Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade © Copyright, Todos os direitos reservados.