Ciclo Clínico

Câncer de medula óssea: o que é, sintomas e tratamento

Câncer de medula óssea: o que é, sintomas e tratamento

Compartilhar
Imagem de perfil de Prática Médica

Tudo o que você precisa saber sobre o câncer de medula óssea para sua prática clínica!

O que é a medula óssea?

É um tecido líquido gelatinoso que preenche a cavidade interna de diversos ossos do corpo humano.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a medula óssea, encontrada no interior dos ossos, contém as células-tronco hematopoéticas que produzem os componentes do sangue como:

  • Hemácias ou glóbulos vermelhos
  • Leucócitos ou glóbulos brancos: parte do sistema de defesa do nosso organismo
  • Plaquetas: responsáveis pela coagulação
Fonte: saberatualizadonews.com/

Em um adulto saudável, a medula produz por dia aproximadamente de 2,5 bilhões de eritrócitos (hemácias), 2,5 bilhões de plaquetas e 1,0 bilhão de granulócitos de acordo com o peso corporal do indivíduo. 

Tipos de medula óssea

A medula óssea poderá ser dividida em dois tipos: 

  1. Vermelha: contém muitas hemácias e é responsável pela produção das células sanguíneas do corpo
  2. Amarela: constituída de tecido adiposo, não sendo responsável por produzir células sanguíneas

A medula óssea apresenta inúmeras células-tronco — células com grande capacidade de diferenciação, podendo produzir diferentes tipos de tecidos. Diante disso, a medula pode ser utilizada em transplantes para o tratamento de diversas doenças, como alguns tipos de leucemia.

Na lâmina histológica a seguir é possível visualizar a medula óssea vermelha, em um aumento de 10x, em coloração azul de toluidina. Os locais circundados representam os megacariócitos (precursor das plaquetas), já as estruturas apontadas pelas setas são os adipócitos.

Fonte: Junqueira, 2013.

Função 

A principal função é produzir as as células do sangue. Além disso,  ela também é responsável por armazenar ferro sob a forma de ferritina e de hemossiderina. Esse armazenamento é feito no citoplasma dos macrófagos.

Há também outra função da medula óssea vermelha que é a destruição de eritrócitos envelhecidos. Outro fato interessante é que a  parte gordurosa da medula óssea tem uma capacidade muito acentuada. Por exemplo, quando há uma uma hemorragia aguda, em 24 a 48 essa medula produz  uma série normal e acelerada dos eritroblastos, transformando-se em medula vermelha.

Hematopoiese

A hematopoiese (ou hemopoese) consiste em um processo em que são formadas as células do sangue. Dessa forma, todo os fenômenos relacionados com a origem, a multiplicação e a maturação de células primordiais ou precursoras das células sanguíneas fazem parte da hematopoiese.

Assim, os eritrócitos, leucócitos e plaquetas são oriundos de uma célula-mãe única, denominada de célula pluripotente ou célula-tronco.

Como é o desenvolvimento das primeiras células sanguíneas do ser humano?

As primeiras células sanguíneas do ser humano surgem no período embrionário (pré-hepático), por volta da sétima ou oitava semana de vida. Durante esse sítio ocorre a eritropoiese, que se desenvolve no mesoderma.

Durante uma parte da infância (2 primeiros anos de vida), toda a medula óssea é hematopoiética. Contudo, durante o resto da infância, ocorre uma substituição progressiva da medula dos ossos longos por gordura, de modo que a medula hematopoiética no adulto (fase adulta) fica restrita ao esqueleto central e às extremidades proximais do fêmur e do úmero.

Câncer de medula óssea

Também conhecido como mieloma múltiplo, é uma proliferação neoplásica de plasmócitos, que produz imunoglobulina monoclonal. Dessa forma, os plasmócitos se proliferam na medula óssea e costumam resultar em uma destruição esquelética.

Os sintomas mais comuns envolvem lesões osteolíticas, hipercalcemia, anemia normocítica e normocrômica, além de lesão renal.

Fonte: Lesões líticas características de mieloma múltiplo – aboutcancer.com

Diagnóstico do câncer de medula

Para ficar atento ao diagnóstico é possível utilizar o acrônimo C.R.A.B: 

  • C de Cálcio aumentado
  • R de Rim comprometido
  • A de anemia
  • O de Osso (lesões osteolíticas e dor óssea)

Em caso de suspeita, para ajudar no diagnóstico deve-se solicitar exames como: 

  • Hemograma
  • Cálcio e creatinina séricos
  • Eletroforese de proteínas
  • Imunofixação séricas e urinária
  • Quantitativo de imunoglobulinas e ensaio sério de FLC (Ensaio de cadeia leve livre)

Quando houver alterações sugestivas nesses exames, surge uma forte suspeita de mieloma múltiplo, que deve ser confirmada com a realização de aspiração e biópsia com imunofenotipagem e hibridização fluorescente in situ (mielograma com análise FISH).

Biópsia da medula óssea

Esse procedimento poderá ser realizado no consultório médico, no leito do hospital ou no centro cirúrgico, isso irá depender do estado de saúde do paciente. 

No geral, o exame é feito na crista ilíaca, mas em crianças pode ser realizado na tíbia. Durante o exame, é introduzida uma agulha que tem como objetivo chegar à parte interna do osso, de onde retira-se uma amostra do fragmento ósseo.

Transplante

De acordo com o INCA, o transplante de medula óssea consiste em um tipo de tratamento proposto para algumas doenças que afetam as células do sangue. Através desse tratamento é feita a substituição da medula doente ou deficitária por células normais.

O transplante pode ser:

  • Autogênico: quando a medula vem do próprio paciente
  • Alogênico: quando a medula vem de um doador

Além disso, o transplante também pode ser feito a partir de células precursoras de medula óssea, obtidas do sangue circulante de um doador ou do sangue de cordão umbilical.

Referências bibliográficas

JUNQUEIRA, Luiz Carlos Uchoa. Histologia básica I L.C.Junqueira e José Carneiro.12 .ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013.

INCA. Câncer na medula óssea: tratamento. Disponível aqui. Acesso em 01 de Junho de 2022.

Rajkumar SV. Multiple myeloma: Pathobiology. UpToDate Inc. http://www.uptodate.com. Acesso em 01 de Junho de 2022.

Sugestão de leitura complementar: