Medicina Legal

Caso Clínico: Balística Forense | Ligas

Caso Clínico: Balística Forense | Ligas

Compartilhar

Identificação do paciente

R.F.C, masculino, 23 anos, solteiro, pardo, natural de Araguaína-TO, desempregado, religião desconhecida, ensino médio incompleto.

Queixa principal

Paciente encontrado em via pública

História da Doença Atual (HDA)

Corpo conduzido ao IML após ser encontrado em via pública ás 05:00 horas dessa manhã. Foi encontrada lesão perfurocontusa em região frontal do crânio, apresentando forma circular com bordas invertidas e com orla de escoriação, contusão e enxugo.

História Patológica Pregressa: não consta em prontuário

História Patológica Familiar: não consta em prontuário

História Fisiológica e Social: usuário de drogas ilícitas, sem moradia fixa, com vasta ficha policial.

Exame físico

  • Cabeça: lesão perfurocontusa em região frontal do crânio, com forma circular, bordas invertidas, orla de escoriação, contusão e enxugo. Não foi encontrado orifício de saída.
  • Dorso e membros: apresenta tatuagem em dorso e panturrilha direita.
Fonte: https://production.s3.amazonaws.com/slides/materiais_de_apoio/8852/f8c3d20628cb8e55c8dd8dfec37d57620b329eb6.pdf

Suspeita diagnóstica

Lesão por PAF por disparo a curta distância, lesão por PAF por disparo a longa distância.

Exame complementar

Necropsia.

Diagnóstico

Devido as características da lesão, como ser perfurocontusa, com forma circular, bordas invertidas, orla de escoriação e orla de enxugo (rotação do projétil e retirada de resíduos da combustão), podemos ter certeza de que se trata de uma lesão por PAF (projétil de arma de fogo) por disparo a distância.

Discussão do caso

Já que no caso supracitado foram reveladas as características de uma lesão por PAF por disparo a distância, quais seriam as características do de curta distância?

As lesões por PAF no disparo de curta distância também vão apresentar os elementos já citados, porém além deles irão também acarretar zona de chamuscamento (sinal deixado pela chama, pele queimada), zona de esfumaçamento (sinal deixado pela pólvora que entrou em combustão – falsa tatuagem) e/ou zona de tatuagem (sinal deixado pelo resíduo de  pólvora).

Fonte: CROCE, Delton Junior. Manual de Medicina Legal. 7 ed. São Paulo: Saraiva, 2010, p. 345.

Conclusão

Com esse caso pode-se agregar o conhecimento básico sobre como diferenciar lesões por PAF de curta e longa distância.

Revisores e orientadores

Liga: Liga de Medicina Legal – LML – @medicinalegalitpac

Autor(a) : Gabrielle Rosado Costa – @ gabriellercosta*

Revisor(a): Valéria Felix da Rocha – @valeria_felix*

Orientador(a): Ricardo Russi Blois – @rrbois *

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto.

Gostou da postagem? Quer ter a sua liga postando no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe!

Posts relacionados:

Referências

CARDOSO, Leonardo Mendes. Noções de Balística, Lesões por PAF e Armas Brancas. In: LEONARDO MENDES CARDOSO. Médico Legista – Preparatório para concurso. 2. ed. Salvador: Sanar, 2020. Cap. 9. p. 365-375.


CROCE, Delton Junior. Manual de Medicina Legal. 7 ed. São Paulo: Saraiva, 2010, p. 345.