Ciclos da Medicina

Como estudar de forma eficiente para prova de residência médica

Como estudar de forma eficiente para prova de residência médica

Compartilhar

Pretende fazer prova de residência médica em breve? Se sim, imagino que com a liberação de alguns editais você esteja super ansioso(a). Afinal, chegou o momento de aumentar o foco na preparação para prova.

Mas, antes de qualquer coisa, é importante que tenha em mente que não precisa se “acabar” de estudar todos os dias. A chave do sucesso é encontrar o equilíbrio.

Você, futuro(a) residente, precisa conseguir estudar e manter a sua rotina diária normalmente. Além disso, precisa ter um tempo para descansar e/ou fazer uma atividade que goste. O equilíbrio vai te ajudar a se manter focado (a) e mandar para bem longe a procrastinação.

Após decidir a especialidade e a(s) instituição (ões) que vai prestar prova, você deve se organizar de forma estratégica. Para isso,

  • Verifique nos editais os conteúdos que são cobrados e o peso deles.
  • Cheque as provas anteriores. E identifique como esses assuntos aparecem nas questões.
  • Depois desse mapeamento, é a hora de elaborar um cronograma de estudos.

Tenha em mente que quanto mais personalizado for o cronograma mais eficiente ele será. Isso porque cada pessoa tem seu ritmo de estudo e suas preferências de materiais.

Dica de como otimizar os estudos para prova de residência médica

Não adianta pegar mil apostilas, 500 vídeo aulas e trilhões de questões. Apenas porque viu alguém dizer que estuda assim. Ter bem estabelecido quais são as suas necessidades e dificuldades será um grande passo para seu sucesso.

Para organizar tudo isso e deixar o cronograma personalizado, vale usar a Matriz de Eisenhower. A estratégia consiste em definir como priorizar as tarefas por importância.

Com essa matriz, as atividades são distribuídas em quatro quadrantes. Ela terá dois eixos: um de importância e outro de urgência. E os quadrantes da matriz vão receber um valor de 1 a 4, baseado em sua prioridade.

É importante salientar que importantes são as atividades que vão levar ao objetivo. E que urgentes são atividades que têm um prazo para realização/entrega.

De uma forma mais clara, ao seguir a matriz Eisenhower, você estabelece:

1- O que fazer primeiro (atividades urgentes e importantes)

2- O que fazer depois (tarefas importantes e não urgentes)

3- O que delegar a outra pessoa (atividades urgentes e não importantes)

4- O que não fazer (não urgente e não importante)

Exemplo de aplicação da matriz Eisenhower

Malu quer fazer a prova de residência médica para pediatria na UPS-SP. Ela já olhou o edital, viu os assuntos cobrados e analisou provas anteriores.

Ela sabe que entre os assuntos mais cobrados estão: imunização, infecções de vias aéreas e síndromes gastrointestinais. Mas, Malu tem muitas dúvidas sobre as síndromes.

A profissional de medicina sabe que pode aparecer questão de aleitamento. Bem pouca, mas pode. Além disso, ela sabe que dificilmente encontrará questões sobre hérnias. Em meio a tudo isso, ela recebeu um convite dos amigos para assistir uma live sobre cirurgia de mão.

Para estudar, o ideal é que Malu se organize da seguinte forma:

1- Estudar primeiro o assunto que tem dúvidas. Neste caso, as síndromes gastrointestinais;

2- Depois deve estudar imunização e infecções de vias aéreas. E um pouco sobre aleitamento.

3- Recusar o convite para assistir junto a live. Mas dizer que depois que saber deles como foi a aula.

Observação: se ela tiver tempo sobrando e interesse, pode participar. A orientação é essa para evitar perder tempo. O foco deve ser no que garante o objetivo: a aprovação em pediatria.

4- Evitar ler/assistir materiais sobre hérnias.

A divisão das atividades pode ser inserida em um caderninho ou planner, planilhas e até em aplicativos. O Trello é uma ótima opção. Nessa plataforma você consegue fazer uma lista de atividades e ir acompanhando o andamento delas.

O que fazer depois de preencher a matriz?

Com as atividades separadas por importância, você deve determinar períodos de estudo para cada uma delas. Lembrando que o foco são as classificadas como importantes, aqui entra tanto as urgentes como as não urgentes. Claro que a dedicação maior de tempo deve ser para as importantes e urgentes.

Durante as horas de estudo, vale ler apostilas e e-books, assistir vídeo aula, refazer provas e fazer questões de treinamento.

Uma dica para não ficar perdido (a) é separar o uso de cada tipo de material por dia da semana. Tipo, segunda-feira você pode ler uma apostila. Terça fazer questões sobre o assunto que leu. Quarta assistir uma vídeo aula. Quinta pegar provas anteriores para responder. E assim por diante. Vale até intercalar mais de um material de estudo por dia.

Qual é o melhor material para estudar para prova de residência médica?

Apostilas, livros, flash card, mapa mental, vídeo aula, podcast, questões, simulados… Existem inúmeras opções de estudo. Por isso, é comum se questionar se existe uma melhor.

E a resposta para esse questionamento é bem relativa. Afinal, cada pessoa tem um (ou mais) método (s) que tem mais afinidade.

Tem pessoas que aprendem mais através de elementos visuais. Outras que são através da audição. E tem até quem precise ativar todos os sentidos.

E, dessa necessidade de aprendizado, fica óbvio que uma pessoa mais auditiva precisa introduzir vídeo aulas ou podcast na rotina de estudos.

Assim como uma pessoa mais visual pode usar e abusar dos mapas mentais e flash cards.

Mas, independente da necessidade de aprendizado, uma coisa é certa: você precisa fazer questões. Essa é a melhor forma de aplicar seus conhecimentos e identificar os assuntos que mais tem dúvidas.

Além disso, com as questões você consegue ir se habituando ao tempo que terá para fazer a prova.

Confira também:

Qual o melhor plano de estudo para Residência Médica?

Vídeo: Aproveite ao máximo o material teórico

7 dicas para uma rotina de estudos que te leve a aprovação na residência

Compartilhe com seus amigos: