Residência Médica

Especialidades médicas menos procuradas para fazer residência

Especialidades médicas menos procuradas para fazer residência

Compartilhar
Imagem de perfil de Residência Médica

Confira nesta publicação quais são as especialidades médicas menos procuradas com base em dados da Demografia Médica de 2023!

Em dúvida entre as especialidades médicas disponíveis para fazer residência? Quer fugir um pouco do “engarrafamento” de profissionais ativos de determinadas especialidades? Caso sua resposta seja sim para uma das duas perguntas, vale a pena ficar por dentro de quais são as especialidades médicas menos procuradas.

Em um cenário com tantos médicos ativos no Brasil, mais de 545 mil segundo a Demografia Médica de 2023, é importante conhecer as possibilidades e avaliar se não seria interesse construir sua carreira médica em uma delas.

Especialidades médicas procuradas

Atualmente, o Brasil tem 55 especialidades reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Deste total, oito dominam o interesse da maioria dos médicos brasileiros – 55,6% do total de registros de especialistas, segundo a Demografia Médica de 2023.

Em contrapartida, existem dez especialidades médicas que somam apenas 2,3% do total de especialistas (10.984 médicos). Confira as especialidades, por ordem, que tem menor registro de médicos:

  • Genética Médica,
  • Medicina de Emergência,
  • Radioterapia,
  • Medicina Física e Reabilitação,
  • Medicina Nuclear, Cirurgia de Mão,
  • Cirurgia Torácica,
  • Medicina Esportiva,
  • Cirurgia de Cabeça e Pescoço,
  • Patologia Clínica/ Medicina Laboratorial.

Especialidades médicas menos procuradas: quais têm o menor número de médicos?

Há duas especialidades em que não chega a ter nem mil médicos registrados no país. São eles: Medicina de Emergência (779) e Genética Médica (407).

Ainda com base nos dados da Demografia Médica de 2023, temos outras especialidades que não ultrapassam 1.500 registros. São elas:

  • Medicina Esportiva (1.291)
  • Cirurgia Torácica (1.268)
  • Cirurgia de Mão (1.120)
  • Medicina Nuclear (1.105)
  • Medicina Física e Reabilitação (1.016)
  • Radioterapia (1.014)

Vale ressaltar que em caso de especialidades cirúrgicas (cirurgia torácica e de mão) têm pré-requisito. É necessário fazer uma residência médica em cirurgia geral para ficar apto a fazê-las.

Para além de te apresentar esse cenário, queremos que também reflita que há uma distribuição desigual dos médicos pelo Brasil (que é um problema histórico) antes de tomar a decisão por qual especialidade seguir.

Afinal, investir em uma especialidade de baixa procura e/ou em atuar numa área com poucos profissionais especialistas disponíveis pode te ajudar a se estabelecer melhor no mercado de trabalho.

Conheça um pouco mais sobre as duas especialidades com menor número de médicos ativos

Confira um resumo sobre as especialidades de genética médica e medicina de emergência:

Genética médica

É responsável pelo diagnóstico, tratamento e aconselhamento de pacientes com doenças genéticas. Essas doenças são raras e, em sua maioria, hereditárias.

Principais focos de atuação

  • Estuda defeitos estruturais ou malformações
  • Erros inatos do metabolismo (distúrbios genéticos, normalmente ligadas a um defeito de enzima)
  • Avalia pacientes com predisposição ao desenvolvimento de câncer hereditário
  • Estuda doenças genéticas com manifestações neurológicas

Onde trabalha

  • Ambulatório/consultório, público ou privado
  • Suporte a hospitais e maternidades
  • Laboratórios de exames moleculares ou centros especializados
  • Centros de Oncologia e de Reprodução Humana Assistida

Remuneração

Um médico geneticista recebe em médica R$ 8.138. Esse dado é de acordo com o Novo CAGED, eSocial e Empregador Web, não houveram contratações nem demissões de profissionais no cargo de Médico Geneticista CBO 225175 no período de Janeiro a Dezembro de 2022.

Opções de instituições para fazer residência em genética médica

  • Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueira – FIOCRUZ (RJ)
  • Hospital Universitário Professor Edgard Santos (HUPES-BA)
  • Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal
  • Escola Superior e Ciências de saúde (ESCS-DF)
  • Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais
  • Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo
  • Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA)

Duração da residência: 3 anos

Medicina de emergência

É responsável por cuidar de pacientes críticos. Tratamentos incluem tecnologia para o suporte de vida e manejo de falências orgânicas graves. É uma das especialidades mais novas.

Principais focos de atuação

  • Reconhecer as afecções agudas de pacientes
  • Atendimento pré-hospitalar e implementação dos respectivos protocolos
  • Estabelecer linhas de atendimento/cuidado em Urgência e Emergência
  • Auxiliar no atendimento a pacientes com necessidades específicas.
  • Gestão de processos administrativos de atendimento a Urgência e Emergência

Onde trabalha?

  • Trabalham em unidades de emergência de pronto atendimento e também de emergências hospitalares
  • Equipes de resgate para salvar vítimas de acidente

Remuneração: em média R$ 11 mil, segundo dados do vagas.com

Opções de instituições para fazer residência em medicina de emergência

  • Hospital das Clínicas da FMUSP
  • Hospital de Pronto Socorro em Porto Alegre (RS)
  • Processo Seletivo Unificado de Residência Médica do Ceará (PSU-CE)
  • Hospital Massejana, em Fortaleza (CE)

*É importante procurar residências reconhecidas pelas Associação Brasileira de Medicina de Emergência (ABRAMEDE).

Duração da residência: 3 anos

Sugestão de leitura complementar