Ciclos da Medicina

Dez especialidades médicas mais procuradas para residência

Dez especialidades médicas mais procuradas para residência

Compartilhar

Existem várias opções de especialistas médicas. Você já escolheu a que deseja se especializar? Se a resposta for não ou talvez, a Sanar pode te ajudar. Com base em informações da Demografia Médica do Brasil 2020, separamos as dez especialidades mais procuradas.

De acordo com o estudo, o número de profissionais especialistas segue crescendo no país. Dos mais de 470 mil médicos em atividade, 61,3% possuem um ou mais títulos. Em contrapartida 38,7% não tem nenhuma especialização.

Há uma razão de 1,58 especialista para cada generalista. Esses dados só reforçam a importância de se especializar para alcançar melhores oportunidades de trabalho. E, consequentemente, maiores salários e prestígio na comunidade médica.

Atualmente, o Brasil tem 55 especialidades médicas reconhecidas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). E também pela Associação Médica Brasileira (AMB).

Quais especialidades médicas mais procuradas?

As especialidades médicas mais procuradas são: clínica médica, pediatria, cirurgia geral e ginecologia e obstetrícia. É o que aponta o estudo da Demografia Médica no Brasil 2020.

Juntas, essas quatro especialidades concentram quase 40% do total de especialistas. É importante ressaltar que duas delas, Clínica
Médica e Cirurgia Geral, são pré-requisitos para cursar outras especialidades.

Ranking das especialidades

  1. Clínica Médica
  2. Pediatria
  3. Cirurgia Geral
  4. Ginecologia e Obstetrícia
  5. Anestesiologia
  6. Medicina do trabalho
  7. Ortopedia e Traumatologia
  8. Cardiologia
  9. Oftalmologia
  10. Radiologia e Diagnóstico por Imagem

Resumo quatro especialidades mais procuradas

  • Clínica médica: o médico clínico geral é considerado generalista. Isso significa que ele tem um conhecimento mais amplo sobre o corpo humano. E está apto para tratar doenças diversas. que não necessitem de um acompanhamento exclusivo.

É possível atuar no serviço público (Programa Saúde da Família). Consultório próprio, clínicas privadas, serviços de emergência e também com medicina hospitalar.

Duração do programa: dois anos

  • Pediatria: o cuidado é voltado para o crescimento e desenvolvimento de recém-nascidos, crianças e adolescentes. É possível atuar atuar em serviços de emergência, centros de terapia intensiva ou enfermaria dos hospitais como plantonista. Além de também trabalhar em consultório. Mas, no geral, o pediatra concentra suas atividades de forma ambulatorial.

Duração do programa: de um a três anos

  • Cirurgia geral: a rotina exige realizar cirurgias tanto marcadas com antecedência como as de urgência. O médico cirurgião também é responsável pelas atividades de pré e pós-operatório.

O cirurgião geral pode atuar com atendimentos ambulatórias, plantões de emergência e cirurgias eletivas. Além de ser auxiliar de cirurgiões mais experientes ou parecerista em hospitais de emergência/trauma.

Duração: três anos

  • Ginecologia e obstetrícia: essa formação lida com duas especialidades ao mesmo tempo. A Ginecologia é a especialização que estuda o aparelho genital feminino. E a Obstetrícia que é a ciência que estuda a reprodução humana – gestação, parto e puerpério.

Esse profissional pode estar presente em todos os níveis de atendimento. Ambulatorial, hospitalar, clínico, cirúrgico e laboratorial.

Duração: no mínimo três anos

Algumas possibilidades de atuação são: centro cirúrgico, centro obstétrico, setor de endoscopia, pronto atendimento e setor de biópsias.

Observação importante

O foco dessa lista foi mostrar as especialidades médicas mais procuradas. Ou seja, que mais tinham profissionais cursando no ano do estudo mais recente. A concorrência de cada uma delas estará diretamente relacionada ao número de vagas oferecidas pelos programas.

Cenário de residência no Brasil

O estudo da Demografia Médica no Brasil aponta que o número de médicos está crescendo de forma desigual.

A região Sudeste concentra 57,3% dos 53.776 médicos residentes de 2019 – mais da metade de todo o país. É nessa região que também se concentra mais da metade dos programas de residência médica. São cerca de 2.491 programas oferecidos por 374 instituições.

Em seguida, tem a região Sul, que corresponde 16% (8.640) do total de residentes do país. Somados, Sudeste e Sul reúnem praticamente três
quartos dos residentes do país.

A região Nordeste reúne 15,7% do total de médicos residentes. O Centro-Oeste 7,2% e a região Norte tem o menor número (3,7%).

Outro ponto que chama atenção no estudo é a distribuição dentro dos estados. 67,9% dos residentes se concentram nas capitais. Enquanto 36,1% estão cursando a RM no interior dos estados.

Compartilhe com seus amigos: