Atendimento Médico

Infecções bacterianas de pele: etiologia e sintomas

Infecções bacterianas de pele: etiologia e sintomas

Compartilhar
Imagem de perfil de Comunidade Sanar

As infecções bacterianas da pele são condições causadas pela invasão e proliferação de bactérias na pele, podendo afetar diversas camadas da epiderme e, em alguns casos, tecidos mais profundos.

Essas infecções podem resultar de lesões na pele, cortes, arranhões, picadas de insetos ou outras condições que comprometem a barreira cutânea.

Quais as funções da pele?

A pele, o maior órgão do corpo humano, é uma estrutura incrivelmente complexa que desempenha diversas funções essenciais para a manutenção da saúde. Além de sua função óbvia de ser uma barreira protetora física contra agentes externos, a pele também regula a temperatura corporal através da transpiração, contribuindo para a homeostase térmica.

Seu papel sensorial é crucial, fornecendo ao corpo a capacidade de perceber o ambiente através do toque, pressão, temperatura e dor. Essa rede complexa de terminações nervosas na pele nos conecta ao mundo ao nosso redor, permitindo-nos responder a estímulos externos.

A síntese de vitamina D é outra função fundamental da pele, ocorrendo quando exposta à luz solar. Essa vitamina desempenha um papel crucial na absorção de cálcio e fósforo, contribuindo para a saúde dos ossos.

Além disso, a pele possui um sistema imunológico inato, agindo como uma primeira linha de defesa contra invasores patogênicos. Ela também desempenha um papel na regulação hídrica, armazenando água e prevenindo a perda excessiva de fluidos.

A expressão emocional, evidenciada pelas expressões faciais e rugas, destaca a importância da pele na comunicação não verbal. Ademais, a pele absorve algumas substâncias e excreta pequenas quantidades de sais e produtos metabólicos através dos poros.

A proteção contra a radiação ultravioleta (UV) é outra responsabilidade crucial da pele, com a melanina agindo como uma defesa natural contra os danos causados pela exposição solar.

Quais as etiologias das infecções de pele?

Infecções de pele são provocadas por diversos agentes patogênicos, variando desde bactérias até vírus, fungos e parasitas. No caso das infecções bacterianas, o Staphylococcus aureus é frequentemente associado a condições como furúnculos, celulite e impetigo, podendo também desencadear infecções mais graves se atingir a corrente sanguínea. O Streptococcus pyogenes é outro agente bacteriano comum, responsável por celulite, erisipela e até mesmo a grave fasciíte necrosante. Clostridium perfringens está associado a casos de celulite e miosite bacteriana.

Quanto às infecções virais da pele, o Herpes Simplex pode causar lesões vesiculares nos casos de herpes labial ou genital. O Varicela-Zóster, por sua vez, é responsável pela varicela na infância e pelo herpes-zóster em adultos. Além disso, o Papilomavírus Humano (HPV) está associado ao desenvolvimento de verrugas cutâneas.

Tipos de infecção bacteriana

As infecções bacterianas na pele podem ser primárias ou secundária a uma infecção inicial de outro órgão, e ainda podem ser supurativas ou não supurativas.

Ou seja, quando a penetração ocorre diretamente na pele, o resultado é supuração e inflamação, é uma infecção primaria. Se chega à pele através da via sanguínea pode ocorrer comprometimento da parede dos vasos cutâneos, possível necrose da região, é uma infecção cutânea secundária. E pode ainda ocorrer uma reação de hipersensibilidade a bactéria, é uma infecção não supurativa.

A evolução clínica das infecções bacterianas depende do rompimento da barreira protetora, pele, da patogenicidade da bactéria e da capacidade do organismo de responder a infecção.

Lesões elementares das infecções de pele

As lesões elementares das infecções de pele são manifestações clínicas observadas na superfície cutânea, proporcionando pistas importantes sobre a natureza e o tipo da infecção.

Estas lesões podem ser classificadas em diversas categorias, cada uma característica de diferentes condições infecciosas.

Lesões com modificação de cor

Podem ser pigmentares e vasculosanguíneas.

  • Macula: lesão menor que um centímetro.
  • Mancha: maior que um centímetro.
Cartões: Exame de Pele e Anexos | Quizlet
Fonte: https://quizlet.com/

Com elevação edematosa

O angioedema é uma reação alérgica, um edema no subcutâneo. Já a urtica é uma lesão pruriginosa que forma uma placa eritematosa na derme.

Lesões sólidas

Podem ser divididas em:

  • Pápula: lesão menor que um centímetro
  • Placa: lesão maior que um centímetro
  • Nódulo e tumor: são lesões que atingem derme e subcutâneo, sendo que o tumor é maior que um centímetro.

Lesões liquidas

  • Vesícula: uma bolha pequena, com líquido (coleção de líquido na pele) que mede ≤ 1 cm de diâmetro
  • Flictena: uma bolha grande e transparente, com líquido, que mede > 1 cm de diâmetro
  • Pústula: vesícula com conteúdo purulento
  • Hematoma: lesão com acúmulo de sangue.
Lesões Cutâneas Primárias | Concise Medical Knowledge
Fonte: lecturio.com

Quais são as principais infecções de pele?

Dentre as principais infecções de pele é possível citar:

  • Impetigo
  • Ectima
  • Foliculite
  • Furúnculo

Impetigo

É a infecção cutânea mais comum na infância, causada principalmente pelo Staphylococcus aureus e Streptococcus pyogenes, isolados ou uma associação dos dois. Sua transmissão é pelo contato direto com as lesões. As lesões são pápulas e pústulas purulentas, que acabam formando crostas melicéricas, com aspecto acastanhado. É mais comum no rosto, ao redor do nariz e boca, mas pode se apresentar por todo corpo.

Existem 03 classificações para o impetigo, contudo o tratamento é o mesmo:

  • Impetigo não bolhoso, ou crostoso, é uma infecção superficial da epiderme. O tratamento inicial envolve cuidados com o local como limpeza e remoção de crostas, além da aplicação de antibióticos tópicos como Mupirocina 2%, ou antibiótico oral que cubra os dois agentes principais, o mais indicado é a Cefalexina.
  • Impetigo bolhoso, mais comum no tronco e causado por cepas de Staphylococcus aureus que produzem uma toxina epidermolítica. O tratamento recomendado é o mesmo indicado no impetigo crostoso, antibiótico oral que cubra Staphylococcus aureus e Streptococcus pyogenes.

Ectima

Ocorre quando infecção atinge a derme e deixa uma ulceração superficial, com posterior formação de crosta dura, seca e aderente.

A localização mais comum é nas pernas. O tratamento é o mesmo do impetigo.

Síndrome da pele escaldada

Síndrome da pele escaldada é uma infecção causada por toxinas estafilocócicas que inclui o impetigo bolhoso e a síndrome do choque tóxico. É uma doença mais comum em crianças na qual a toxina provoca descamação.

A evolução é autolimitada, com melhora entre 04 e 07 dias. O uso de um antimicrobiano oral de escolha é com cobertura antiestafilocócica.

Foliculite, Furúnculo e Carbúnculo

São infecções cutâneas com origem no folículo piloso e com agente principal Staphylococcus aureus.

A foliculite é a forma mais superficial, apresenta-se como pústula localizada na saída do pelo que, ao romper, evolui com formação de crosta. É uma doença com evolução benigna, na qual o tratamento consiste em limpeza e suspensão da depilação no local.

O furúnculo é a infecção de um folículo piloso através da derme, para o subcutâneo e forma um nódulo purulento, eritematoso com aumento da temperatura local e dor. O tratamento é baseado na complicação, tamanho e recorrência das lesões, administração oral é indicado em casos recorrentes, contudo no geral é adequado o emprego de compressas mornas e suspensão da depilação do local, assim como limpeza com sabonetes que contenha antimicrobiano.

Já o carbúnculo ou Antraz é a coalescência de vários furúnculos em uma única massa, infecção de vários folículos, com drenagem purulenta. No quadro clínico pode estar presente febre e sintomas sistêmicos.

O tratamento nesse caso é recomendado a drenagem como principal abordagem e associado um antibiótico oral com cobertura para Staphylococcus aureus.

Abcesso

É a supuração da derme e do subcutâneo que não tem relação com folículo piloso, o tratamento nesse caso é a drenagem, a antibioticoterapia somente nos casos complicados.

Erisipela e celulite

É uma infecção de pele a qual o principal agente é Streptococcus pyogenes. A erisipela é uma infecção mais superficial da derme caracterizado por edema, calor, eritema vermelho com margens bem definidas. O tratamento mais conhecido é com Penicilina G cristalina intramuscular ou ceftriaxona.

Já a celulite é uma infecção mais profunda. Acomete a derme profunda e o subcutâneo, assim como no primeiro pode apresentar eritema, mas de uma tonalidade mais clara, rosáceo, e não é bem delimitado. Além disso, o paciente pode apresentar febre, calafrio e mal-estar. O tratamento aconselhado é oxacilina ou cefazolina em casos graves, em casos leves/moderados é com Cefalexina ou clindamicina.

Fasciíte necrosante

É uma infecção que se inicia na camada mais profunda do subcutâneo, mas que rapidamente se estende para epiderme e musculo. Evolui agudamente com edema, calor, eritema e dor, normalmente localizado em membro inferior, pode estar associada com febre, prostração e sintomas sistêmicos. Possui vários agentes causadores associados:

  • Associação de bactérias anaeróbias e aeróbias (Fasciíte necrosante tipo I): possui a evolução mais lenta e que não atinge as fáscias mais profundas e musculo. Geralmente ocorre após uma cirurgia ou trauma. E nesses casos pode encontrar presença de gás no tecido subcutâneo.
  • Streptococcus pyogenes (Fasciíte necrosante: tipo II): é mais comum em idosos e atinge as fáscias mais profundas rapidamente. A toxicidade e a disfunção renal podem estar presentes. Não é encontrado gás no tecido subcutâneo, mas na presença de miosite associada, os níveis de CK ficam elevados.

A fasciíte necrotizante consiste em uma emergência e o tratamento é a exploração cirúrgica imediata e desbridamento de tecidos necróticos. A terapia antibioticoterapia inicial deve ter amplo espectro de cobertura para bacilos Gram-negativos, estafilococos, estreptococos e anaeróbios.

Prognóstico das infecções de pele

O prognóstico das infecções de pele pode variar significativamente dependendo do tipo específico de infecção, sua gravidade, a presença de condições subjacentes e a rapidez com que é diagnosticada e tratada.

Em geral, muitas infecções de pele respondem bem ao tratamento adequado, enquanto outras podem ser mais persistentes ou levar a complicações mais sérias.


O texto é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto.

Observação: material produzido durante vigência do Programa de colunistas Sanar junto com estudantes de medicina e ligas acadêmicas de todo Brasil. A iniciativa foi descontinuada em junho de 2022, mas a Sanar decidiu preservar todo o histórico e trabalho realizado por reconhecer o esforço empenhado pelos participantes e o valor do conteúdo produzido. Eventualmente, esses materiais podem passar por atualização.

Novidade: temos colunas sendo produzidas por Experts da Sanar, médicos conceituados em suas áreas de atuação e coordenadores da Sanar Pós.


Estude dermatologia com o SanarFlix!

Torne-se um expert em infecções de pele estudando com o SanarFlix!

Sugestão de leitura complementar

Referências bibliográficas

  • RIVITTI,E. Manual de Dermatologia Clínica de Sampaio e Rivitti. Porto Alegre: Artes Médicas, 2014.
  • BRAUNWALD, E.; FAUCI, A.; KASPER, D.L. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 19th ed. Estados Unidos: Mc Graw-Hill Publishing CO, 2015.
  • DERMATOLOGIA, Sociedade Brasileira de. Pele – Doenças. Disponível em: https://www.sbd.org.br/dermatologia/pele/doencas-e-problemas/. Acesso em: 10 set. 2021.