Ciclos da Medicina

Prova de Mantoux: importante ferramenta no diagnóstico da tuberculose | Colunistas

Prova de Mantoux: importante ferramenta no diagnóstico da tuberculose | Colunistas

Compartilhar

Allison Diego Bezerra

8 minhá 23 dias

O que é a prova de Mantoux?

A prova de Mantoux, mais conhecida como prova tuberculínica (PT), é um dos exames mais importantes usados em todo o território Brasileiro com o intuito de ajudar no diagnóstico de infecção tuberculínica latente, causada por meio de infecção pela bactéria patogênica Mycobacterium tuberculosis. Esse exame diagnóstico possui grande importância para a população brasileira, uma vez que, no país, aproximadamente 70 mil pessoas são infectadas por ano, e cerca de 40 mil pessoas morrem de tuberculose ou de algum possível agravo dessa doença.

Outro ponto relevante é que, por meio da prova de Mantoux, é possível compreender o desenvolvimento da tuberculose (TB) e da tuberculose latente (ILTB) nos mais variados grupos de pessoas acometidas. Assim, é possível traçar planos epidemiológicos que tenham o objetivo de identificar as características dos pacientes, com o intuito de oferecer o melhor tratamento com base no perfil particular de cada indivíduo mediante suas características sociais e econômicas.

Qual a diferença entre a tuberculose ativa e a latente? 

            Ao ser contaminado pelo Mycobacterium tuberculosis¸ no indivíduo, é ativado uma série de mecanismos imunológicos com o objetivo de combater essa nova infecção, desde de mecanismos primários, como os pelos nasais e o mucociliar encontrado nas vias respiratórias, até mecanismos mais específicos, como as células de defesa do sistema imunológico humano.

            A menor quantidade dos infectados, cerca de 5% não são capazes de impedir o desenvolvimento e a proliferação dos bacilos, gerando a chamada tuberculose primária. Outros 5% dos infectados combatem esse desenvolvimento inicial da infecção, contudo, por reativação desses bacilos ou por exposição a novas infecções desenvolvem novamente a doença, caracterizando a tuberculose secundária. Tanto a tuberculose primária quanto a secundária estão no grupo da tuberculose ativa, pois as pessoas infectadas desenvolvem os sintomas da doença e são meios de transmissão capazes de infectar outros indivíduos.

Uma vez dentro do organismo, o bacilo é capaz de superar tanto as defesas primárias como as secundárias, iniciando seu desenvolvimento dentro dos macrófagos, causando a progressão da infecção. Todavia, a grande maioria das pessoas infectadas são capazes de impedir a proliferação do bacilo, desenvolvendo imunidade contra doença. Nos indivíduos desse grupo, aproximadamente 90% dos infectados, os bacilos do Mycobacterium tuberculosis não são totalmente destruídos e permanecem encapsulados no tecido pulmonar em estado latente, no qual esses focos são chamados de quiescentes. As pessoas que desenvolvem esse tipo de resposta são ditas portadoras de tuberculose latente. Na tuberculose latente, as pessoas infectadas não desenvolvem os sintomas e também não transmitem o bacilo para outros indivíduos.Como a prova de Mantoux é realizada?

            A prova de Mantoux é realizada em um laboratório de análises clínicas por meio da aplicação de uma injeção, geralmente administrada no antebraço esquerdo, contendo derivados proteicos purificados (PDD) do bacilo causador da tuberculose, o Mycobacterium tuberculosis. É necessário que as proteínas sejam purificadas para que não ocorra desenvolvimento da doença naquelas pessoas que não entraram em contato com a bactéria. No Brasil, a proteína purificada utilizada é a tuberculina, em uma dosagem de 0,1 ml.

            Entre 48 e 72 horas após a aplicação é necessário que o indivíduo retorne ao local onde o teste foi realizado para que seja feita a leitura da resposta por um profissional capacitado.

Como interpretar o resultado do teste?

         O resultado do teste é positivo quando surge no local da aplicação uma infiltração nodular, plana e irregular, também conhecida como pápula. A pápula é resultado de uma reação de hipersensibilidade causada pelos anticorpos previamente formados contra o bacilo causador da tuberculose. Essa reação de hipersensibilidade aumenta a permeabilidade vascular no local da aplicação, provocando a exsudação de fluídos que provocam o surgimento de um eritema local na derme.

            Se o resultado do teste for positivo, significa que o paciente possui tuberculose ativa? A resposta é não. A prova de Mantoux indica a presença de anticorpos contra o bacilo do Mycobacterium tuberculosis, ou seja, se o indivíduo anteriormente foi contaminado pela bactéria causadora da tuberculose ou recebeu vacina contra essa doença (BCG), o resultado do teste será positivo, pois as duas condições desenvolvem anticorpos contra a doença. E são os anticorpos responsáveis do desenvolvimento da reação na pele quando ocorre a administração dos derivados proteicos purificados da bactéria. Situações como essa são os quadros chamados de falsos positivos.

                Para interpretação do teste, é realizado a medida do tamanho da pápula por meio de uma régua. Se a pápula não aparecer, ou seu tamanho for menor do que 5 mm, em geral, considera-se o resultado como negativo, ou seja, o indivíduo não está infectado. Mas por qual motivo pode surgir uma pápula menor do 5 mm se não infecção. A resposta são os falsos positivos, no qual alguns tipos foram exemplificados anteriormente. Resultados com a pápula entre 5 e 9 mm é resultado positivo, indicando infecção pela bactéria causadora da tuberculose, principalmente se o paciente for criança com idade inferior a 10 anos não vacinada ou vacinada (BCG) há mais de 2 anos, pessoas com HIV/AIDS e em pacientes com radiografia de tórax com sinais sugestivos da doença. Se o tamanho da pápula for maior do que 10 mm, o resultado é positivo para infecção pelo Mycobacterium tuberculosis.

            Outro ponto importante na leitura do teste são os pacientes falsos negativos, ou seja, são pessoas que estão infectadas pela bactéria, mas que apresentam prova de Mantoux negativa. Isso pode acontecer em indivíduos com HIV/AIDS ou que façam uso de algum medicamento imunossupressor, como acontece em pacientes transplantados. Por que isso acontece? Isso acontece porque, em ambos os casos, a pessoa estará com o sistema imunológico deprimido, o qual será incapaz de reagir com os derivados proteicos purificados, não ocorrendo nenhuma reação ou reação com tamanho menor do que 5 mm.

Conclusões sobre a prova Mantoux

            Dessa forma, podemos compreender que a prova de Mantoux é pouco específica, pois pode demonstrar vários resultados positivos em pessoas que não possuem a doença e também é pouco sensível, uma vez que é capaz de apresentar resultados negativos em pessoas que estão contaminadas.

            Então não devemos utilizar o exame? Claro que não, a prova de Mantoux é uma importante ferramenta para o médico obter uma orientação inicial sobre a situação do paciente, contudo, em nenhuma hipótese deve ser usada isoladamente para finalizar o diagnóstico de tuberculose. Para que o diagnóstico seja mais confiável, é necessário a realização de outros exames auxiliares, como radiografia de tórax, exames imunológicos e o mais confiável de todos, a baciloscopia, na qual são coletadas amostras de escarro do paciente para investigação direta da bactéria Mycobacterium tuberculosis. [MOU1] 

Autor: Allison Diego

Instagram: @allison_diego

O texto acima é de total responsabilidade do autor e não representa a visão da sanar sobre o assunto

Gostou do artigo? Quer ter o seu artigo no Sanarmed também? Clique no botão abaixo e participe

Referências

VERONESI, R; FOCACCIA, R. – Tratado de Infectologia – 2 Volumes – 4ª Edição, Editora Atheneu, 2010.

MELO, H. R. L. et al. Condutas em doenças infecciosas. Rio de Janeiro: MEDSI, 2004.

Compartilhe com seus amigos:
Política de Privacidade. © Copyright, Todos os direitos reservados.