Farmacologia

Linezolida: mecanismos de ação, farmacocinética, indicações e mais

Linezolida: mecanismos de ação, farmacocinética, indicações e mais

Compartilhar
Imagem de perfil de Prática Médica

Linezolida é um antibiótico sintético da classe das oxazolidinonas, de amplo espectro, e de ação bacteriostática. Possui excelente atividade contra cocos gram-positivos. Não apresenta atividade contra bactérias gram-negativas.

A linezolida foi introduzida no mercado farmacêutico no começo dos anos 2000 e é considerada um super-antibiótico, sendo utilizada em casos extremos de resistência bacteriana em relação a outras drogas. É um medicamento de alto custo disponível também na versão genérica.

Apresentação da Linezolida

É apresentada em forma injetável ou de comprimido revestido de 600mg para administração oral. Seu nome comercial é Zyvox, mas existem alternativas similares, como o Adiloz, Lizred, Lynoz e Tevalix.

Mecanismos de ação

A linezolida exerce sua atividade por inibição da síntese protéica, porém em etapa distinta daquela inibida por outros antimicrobianos. Dessa maneira, não ocorre resistência cruzada com macrolídeos, estreptograminas ou mesmo aminoglicosídeos.

Esse medicamento se liga ao RNA dos microorganismos impedindo a formação do complexo 70S (essencial no processo de transcrição), que inicia a síntese proteica a partir da subunidade 23S da subunidade 50S.

Farmacocinética e farmacodinâmica da Linezolida

A absorção sistêmica da linezolida se aproxima de 10% após a administração oral. A linezolida se liga mal às proteínas séricas (31%), portanto, ela penetra bem na maioria dos compartimentos do corpo (incluindo ossos, alvéolos e líquido cefalorraquidiano). 

A distribuição geral da linezolida nos tecidos é estável e não é afetada por sepse, doença vascular periférica ou obesidade. A droga sofre metabolismo oxidativo hepático em dois metabólitos inativos eliminados predominantemente na urina. A linezolida tem meia-vida de eliminação de quatro horas.

Indicações da Linezolida

Como dito anteriormente, a linezolida é ativa somente contra bactérias Gram-positivas, e não tem atividade contra patógenos Gram-negativos.

O uso do fármaco está indicado para pneumonia adquirida em ambiente hospitalar (incluindo aquelas relacionadas à ventilação mecânica) ou comunitário; infecções de pele e de partes moles complicadas (incluindo pé diabético sem osteomielite concomitante) e não complicadas; infecções enterocócicas, incluindo aquelas causadas por cepas de Enterococcus faecium e Enterococcus faecalis resistentes à vancomicina.

Contraindicações

Linezolida é contraindicado a pacientes que apresentam hipersensibilidade à Linezolida ou a qualquer um dos componentes da fórmula. Linezolida também é contraindicado a pacientes que estejam utilizando qualquer medicamento que seja um inibidor das monoaminoxidases A ou B (ex.: fenelzina, isocarboxazida) ou até duas semanas de uso de qualquer um destes medicamentos.

A menos que os pacientes sejam monitorados quanto a um potencial aumento da pressão sanguínea, Linezolida não deve ser administrado em pacientes com hipertensão não controlada, feocromocitoma, tireotoxicose e/ou pacientes utilizando algum dos seguintes tipos de medicamentos: agentes simpatomiméticos de ação direta ou indireta (ex.: pseudoefedrina, fenilpropanolamina), agentes vasoconstritores (ex.: epinefrina, norepinefrina), agentes dopaminérgicos (ex.: dopamina, dobutamina), inibidores de recaptação de serotonina, antidepressivos tricíclicos, agonistas do receptor de serotonina 5-HT1 (triptanos), meperidina ou buspirona, a menos que os sinais e/ou sintomas da síndrome serotoninérgica sejam cuidadosamente observados nos pacientes.

Efeitos adversos

Em geral, as preocupações com a segurança limitam o uso generalizado e prolongado da linezolida. Os efeitos adversos mais significativos incluem sintomas gastrointestinais, mielossupressão (diminuição da atividade da medula óssea, resultando em menor número de glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas), neuropatia (periférica e óptica) e acidose láctica. Os efeitos adversos observados com menos frequência incluem hepatotoxicidade e hipoglicemia

Adulto

A linezolida pode ser administrada por via oral ou parenteral. A dose para adultos é de 600 mg por via intravenosa ou oral, duas vezes ao dia. Não é necessário ajuste posológico em pacientes idosos ou pacientes com insuficiência renal ou hepática.

Não se dispõe de dados adequados do uso da Linezolida em gestantes, dessa forma, o risco potencial é desconhecido, não sendo recomendado o uso de Linezolida durante a gravidez. Quando seu uso for considerado necessário deve-se julgar que o benefício esperado supere o risco potencial, levando-se em conta a importância do uso de Linezolida para a mãe.

A Linezolida é transferida para o leite materno de ratas de laboratório. Não se sabe se a Linezolida é excretada no leite humano. Portanto, deve-se ter cautela quando Linezolida é administrada a mulheres lactantes.

Criança

A dose pediátrica é de 10 mg / kg por via intravenosa ou oral, a cada 8 horas (≤12 anos de idade) ou a cada 12 horas (> 12 anos de idade).

Em neonatos de até 1 semana, a depuração sistêmica da Linezolida (baseado no peso corporal) aumenta rapidamente na primeira semana de vida. Portanto, neonatos recebendo doses de 10 mg/Kg a cada 8 horas terão maior exposição sistêmica no primeiro dia após o nascimento. Entretanto, não se espera acúmulo excessivo com esta dosagem durante a primeira semana de vida devido ao aumento da depuração durante este período.

Em crianças de 1 semana a 12 anos de idade, a administração de 10 mg/Kg a cada 8 horas resultou em exposição semelhante a obtida em adultos recebendo 600 mg a cada 12 horas.

Interações medicamentosas

A Linezolida não é metabolizada de modo detectável pelo sistema enzimático do citocromo P450 (CYP) e não induz nem inibe as atividades das isoformas de CYP humanas clinicamente significativas (1A2, 2C9, 2C19, 2D6, 2E1, 3A4). Por essa razão, não são esperadas interações medicamentosas induzidas por CYP-450 com a Linezolida. Fármacos como a varfarina e a fenitoína, que são substratos de CYP2C9, podem ser administrados com a Linezolida, sem alterações no esquema posológico. 

A administração de linezolida com agentes serotonérgicos concomitantes (notadamente inibidores da recaptação da serotonina) foi associada à síndrome serotorninérgica. O início dos sintomas dessa síndrome podem levar de horas a dias após a coadministração de linezolida com agentes serotonérgicos e pode incluir taquicardia, hipertensão, hipertermia, agitação, tremor, mioclonia, hiperreflexia, rigidez muscular, pupilas dilatadas, membranas mucosas secas, ruídos intestinais aumentados, pele avermelhada e diaforese.

Posts relacionados:

Referências:

Richard H Drew, PharmD, MS, FCCP, FIDPTrisha Peel, MD, MBBS. Linezolid and tedizolid (oxazolidinones): An overview: UpToDate. Acesso em: 10 maio. 2021. –  https://www.uptodate.com/contents/linezolid-and-tedizolid-oxazolidinones-an-overview

ANVISA – Antimicrobianos: bases teóricas e uso clínico.